Archive for the 'Pois é!' Category

Transição – O Teatro Mágico

sexta-feira, outubro 7th, 2011

Uma linda homenagem do Fernando Anitelli e O Teatro Mágico para Belinha.

” Milagres acontecem quando a gente vai à luta”

Transição – O Teatro Mágico

Natal 2010

domingo, julho 10th, 2011

Aqui é a Natália, irmã da Iza Freitas.

Eventualmente vou postar algo aqui no blog para mantê-lo no ar.

Saudades.

1 mês…

segunda-feira, junho 27th, 2011

 

Já faz um 1 mês… e parece que foi ontem. A saudade é grande, mas o amor só aumenta.

Vou postar o video da homagem que foi feita no dia 05/06 pela Maely e pelo grupo que ela tando AMA(sim, sempre no presente), O Teatro Mágico. Muitos com certeza já viram, mas foi muito especial.

http://www.youtube.com/watch?v=CiOurPvSynY

 

E também, não vou deixar de citar o carinho da Fernanda Paes Leme e do Paulinho Vilhena por terem ido à missa de 7º dia para dar um abraço nos familiares. A nossa Belinha é muito querida!

 

 

 

 

Dei uma lida nos comentários, e sim: vamos precisar da ajuda de quem quiser e puder. Sei que tem muita gente com texto, fotos, rascunhos que não foram postados. Então nos procurem para que possamos manter o blog no ar.

Aliás, se alguém que souber fazer montagens, puder ajudar com as montagens das fotos das tatuagens, eu agradeço.

 

 

Só enquanto eu respirar vou me lembrar de você… ♫

Belinha, vou te guardar comigo ♫

quarta-feira, junho 8th, 2011

Olá!
Eu sou Daiane, e já aviso: não escrevo como a Belinha. Estou aqui porque a Tia Nanci (mãe da Iza) me pediu para que postasse alguns links com homenagens para a nossa estrelinha, que no 21/05/2011 resolveu assumir seu lugar no céu.

O Jornal “A Tribuna” da cidade de Santos, publicou uma matéria na terça feira 31 de Maio de 2011, que nos conta um pouco da sua trajetória.
Através do link

http://twitpic.com/554syv/full

 

Matéria do blog do Jornalista André Rittes

http://gazetadasdorittes.blogspot.com/2011/05/ciao-bela.html?zx=a0aebde008095566

Da Escritora Leila Brito

http://letraporletra.com.br/wordpress/?p=1658

Por Jê Feitosa
http://nossovivercult.blogspot.com/2011/06/iza-freitas-ela-soube-viver-lutando.html

Me perdoem pela falta de jeito. Vai levar um tempo para me acostumar  e repassar para a Tia e pra Natália, sua irmã. Mas aos poucos tudo se ajeita.
O importante é não deixarmos de acessar, de visualizar os posts para mantermos este blog no ar, ok?
Vou separam também as fotos com as tatuagens, e videos das homenagens que a nossa estrela recebeu.

Capítulo 30

quinta-feira, maio 5th, 2011

Nunca me senti tão eu em mim! Acho que os 30 anos é a idade da conscientização feminina! Sou quem quero ser AGORA! Perdoem meus excessos, transbordo por todos os poros! Não me pintes de Santa, quando digo que transbordo; não me refiro só ao amor! Também transbordo raiva, medo, desejo/tesão e claro que sim o amor também! Tenho em mim todos os sentimentos, uma vontade enorme de pular de pára-quedas, de gritar ao mundo que me encontrei! E me encontrar hoje, é saber me perder também. É saber exatamente o peso das minhas lágrimas e dos meus sorrisos. É saber pagar o preço das minhas escolhas e, principalmente, das minhas palavras. Fazer 30 anos, não é ficar velha não! Jamais! Trinta anos é aquele ponto que a fruta amadurece e pula sozinha lá do alto da árvore! Pra mim, fazer trinta anos é encontrar o eixo. É ser seu próprio centro de equilíbrio. Mas nem por isso não deixar-se desequilibrar, claaro!  Fazer 30 anos não é ter a “crise dos 30”, crise a gente tem desde que nasce até o dia que morre; aos 30 anos a gente só toma consciência de que aquilo é uma crise e que logo passa!

A novidade que não interessa a ninguém…

quinta-feira, novembro 11th, 2010

E ai chega uma época que parece que suas saudades são só suas, ninguém compartilha nem divide. E aí nessa mesma fase, nada que você diga é escutado, parece mesmo que de repente você ficou afônica e nem notou. Esqueceram de avisar!

No inicio você até esboça umas frases, tenta até alguns gritos “oi, você que está aí… eu queria contar que…” e ninguém perguntou nada, logo se viram sem deixar que complete-se a frase. E daí o que eu quero contar? Seja lá o que for, não é mais importante que o compromisso nenhum que fulano tem agora. A dona fulana agora tá ocupada demais com aqueles perrengues diários e que quase nunca muda alguma coisa.

Guardo minhas novidades em cima da minha cama junto com alguns bichinhos que me acompanham há 15 anos. Deixo minhas novidades ali expostas, assim quando eu for deitar dou de cara com elas e acabo tendo um bom sonho.

Porque durante o dia, além de viver minha própria vida, eu sigo armazenando palavras e ajeitando as minhas novidades com os meus bichinhos ali, em cima da minha cama.

Regras do jogo

sexta-feira, junho 11th, 2010

Oi? Me permite fazer uma pergunta? Onde termina seus direitos e onde começam os meus? Será que você poderia me dizer onde está essa linha que define os espaços? Não quero invadir seu campo, mas não quero também me deixar invadir. Me dá um toque de quando eu estiver em impedimento? É que eu já não ando entendendo mais nada sobre as regras desse jogo. Acho que ando invadindo teu campo. Mas tenho a sensação de que você vira e mexe invade o meu. Não sei nem se sou titular ou reserva. Pra você ter uma noção de como estão as coisas. Vamos jogar um jogo bonito! Mas antes eu só preciso saber se sou atacante ou goleiro nesse jogo. Olha aí pra mim, a minha camisa. Me fala logo a minha posição! Já não sei mais se defendo ou se ataco. Quando acho que o jogo está perdido, escuto a galera gritar gol. Nunca sei se fiz ou se sofri esse gol. Ah! Quem é o juiz desse jogo? Quem determina a posse da bola? Como eu faço pra saber qual é meu campo? Tô perdida em meio de campo. Dá pra você me dar essa força? Não cometa falta! Olha o cartão vermelho! Tô tentando jogar direito pra não ser expulsa de campo. Gosto de jogar contigo. Mas confesso que já estou quase pedindo tempo técnico! Ainda não sei se bebo uma água, ou se sento logo no banco de reserva!

Se eu… andasse…

quarta-feira, junho 2nd, 2010

Ah, se eu andasse eu me matricularia em todas as escolas de dança possíveis. Aprenderia vários estilos de dança. Um bem diferente do outro. Aliás, se eu andasse eu pegaria o carro e subiria a Serra até São Paulo. De madrugada. Andaria de carro por todas aquelas ruas e avenidas daquela cidade que não dorme. Como eu. E se eu andasse eu sentaria a bunda na areia da praia às cinco e trinta da tarde. Ficaria sentada vendo o dia terminar. Intacta. Se eu andasse eu aprenderia a tocar algum instrumento musical. Não seria violão. Eu começaria com bateria e provavelmente tentaria algum outro mais exótico também. Ah!!! Se eu andasse, nos meus dias de TPM eu dormiria debaixo da cama. E ninguém nunca saberia disso. Se eu andasse eu preferiria o chão ao sofá. Se eu andasse eu iria em shows sozinha. Porque eu preferiria mesmo. Se eu andasse eu iria tomar uma cerveja sozinha, em plena terça-feira, e ninguém saberia onde eu estaria. Se eu andasse eu daria muito mais abraços. Se eu andasse eu entraria no primeiro ônibus da rodoviária e partiria sem rumo. Se eu andasse eu moraria no Rio de Janeiro. Se eu andasse eu não lamentaria a saudade, eu mataria todas elas. Olha, se eu andasse eu faria jantarzinhos gostosos e convidaria meus amigos para degustarem. Se eu andasse eu escreveria carta e as botaria no correio. Se eu andasse eu fotografaria todas as horas bonitas do dia. Se eu andasse eu gastaria uma parte do meu dia customizando meu quarto. Se eu andasse eu não sentiria sua ausência. Se eu andasse eu mostraria melhor às pessoas e à você, quem eu realmente sou. Se eu andasse eu faria piercing na sobrancelha e outro na língua. Seu eu andasse eu faria mais cursos. E se eu andasse eu iria em mais palestras. Se eu andasse eu iria mais à luta. Se eu andasse eu não faria “revolução de sofá”. Como um amigo teima em lembrar. Se eu andasse eu só seria mais um pouco de mim. Se eu andasse eu não pediria nada, eu iria buscar.

Ai essa danada dessa vida!

sábado, maio 29th, 2010

Tem horas que é assim mesmo. A vida te vira as costas. Na maior cara de pau! Eu já disse que essa vida é uma filha da puta, né? Odeio quando ela vira as costas pra mim assim tão de repente. E aí eu fico assim, sem saber pra onde me jogar! Parece que as luzes piscam feito discoteca! Te embaralham a vista e todas as tuas sensações. E aí você tenta conversar, e ninguém te ouve. TÁ ME OUVINDO? EU DISSE QUE A VIDA ME VIROU AS COSTAS, ENTENDEU? NÃO?! E aí a gente começa a cansar de gritar no meio daquele tumulto todo. E resolve então, apenas dançar conforme aquela música ensurdecedora. E a vida continua ali, de costas pra mim. E não me ouve!!! Que chata essa vida, viu?! Se você passar por ela, me faz um favor? Diga pra ela parar de virar as costas e avisa que eu estou a chamando pra dançar!

Por enquanto…

segunda-feira, março 8th, 2010

É, eu ando mesmo falando as coisas mais direcionadas. Cansei um pouco de escrever cartas para o vento, na esperança que você um dia leia e entenda. Eu na verdade cansei um pouco de olhar pra dentro e resolvi perder meu tempo olhando só pra for a

Já não perco meu tempo esperando que você cumpra a sua palavra. Não espero suas atitudes, suas iniciativas espontaneas. Eu tento lidar bem com a saudade e com todo esse espaço que existe entre seu corpo e o meu. Quem sabe um dia você apareça, quem sabe um dia você ligue me convidando, quem sabe um dia você volte com mais tempo.

Abri a janela de uma vez por todas! Nem sempre o ambiente é tomado por aquele azul tão luminoso e contagiante. Mesmo nos dias cinzas, eu tenho deixado as janelas abertas e apreciado toda a dor daquele dia cinza. Aqui já não dói mais. Ou melhor, aqui eu já aprendi a lidar com os dias cinzas e doloridos. Pelo menos por enquanto.

Foi esse trecho do texto Dela, que me estimulou a fazer esse post:

(…) “como te dizer todas essas coisas que se perdem dentro de mim? Queria te dizer; olha tudo bem. Tudo bem ser inadequada, tudo bem sentir saudade, tudo bem esperar, tudo bem entender. E queria que isso fosse verdade, que não doesse, queria não sentir, queria conseguir vestir a minha armadura de novo.