Archive for the 'Novela' Category

Ti-ti-ti

terça-feira, novembro 23rd, 2010

Eu já disse que gosto de novela tosca? Pois é, já disse. Mas vou frisar, porque depois de me encantar por “Viver a Vida”, que milagrosamente foi a única novela do Manoel Carlos que eu gostei, agora estou viciada em “Ti-ti-ti”.

A novela é do Cassiano Gabus Mendes, que fez a primeira versão quando eu tinha meus 5 anos já completos. Hoje a Maria Adelaide Amaral fez uma adaptação divertidíssima e muito leve. Uma novela que entretém e é leve gostosa de assistir.

O que mais me surpreendeu de imediato é que eu odeio a interpretação do Murilo Benicio e pela primeira vez estou gostando de uma novela onde ele é o papel principal, praticamente. E mais doido é que eu tenho gostado de vê-lo na novela!

Além disso, sou apaixonada na Mallu Mader, e mesmo que o papel dela não seja tão marcante assim e de muita gente falar que ela é ruim como atriz, eu sou fã! Acho a Mallu linda e tenho gostado muito dela no papel da editora chefe da “Moda Brasil”. Além de tudo que já gosto, ela interpreta uma jornalista e aí eu fico mais atenta ainda a ela!

O bacana de novelas assim, é que acaba chegando na verdadeira proposta das telenovelas; que é entreter e acalmar um pouco a tensão das pessoas. Pra ver drama mexicano, problemas e “lições de vida” é só você zapear a TV por esses canais de jornalismo sensacionalista  que adoram fazer da notícia uma novela mexicana.

Eu sou apaixonada na Fernanda Souza, acho ela uma atriz fenomenal e adoro vê-la apaixonada por um homossexual. Além disso, a Maria Helena Chira que faz a Camila, também é uma atriz que está muito fofa no papel. Não dava nada, mas ela conquistou o público aos poucos! E, não poderia deixar de citar a Isis Valverde. Que apesar de racionalmente achar que ela não é tão boa atriz como aparenta ser em primeira impressão, eu sou fã da Isis! Acho linda, fofa e no papel da Marcela ela só ficou mais fofa ainda com o sotaque mineiro dela mesma!

Gosto também bastante do relacionamento homossexual da novela, do Julinho com o falecido Osmar. Acho bacana esse núcleo do Gustavo Leão, Isis Valverde e André Arteche. A abordagem não é apelativa, e mostra o verdadeiro sentimento entre os dois. É tão bacana ver a sensibilidade que as pessoas sem preconceito e paradigmas são capazes de ter e que a galera mais presa no preconceito e nos “padrões”, não tem.

Mas devo dizer. Foi Guilherme Winter, que interpreta o Renato, quem me fez prestar atenção nesse folhetim. Eu simplesmente acho o cara lindo (tá quase ultrapassando o Daniel Oliveira (uia!) ) e comecei a prestar atenção nele desde a época de malhação, onde ele era um professor. Daí li um pouco sobre ele e tal, e um dia do nada o vi na novela fazendo par romântico com a linda da Isis e aí mermão, passei a ver por conta de ele estar na novela.

Ele é todo meu estilinho, dá uma sacada…

Moreno, cabelo cacheadinho, barba, bigode e lindo! rs

Mas, como ninguém é perfeito, ele é Leonino e ainda não me conhece! rs!

Sobre a novela, confesso que não me prendo nem nunca me prendi (nem antes do youtube existir) em casa por causa de nenhum programa de televisão. Mas se estou em casa, confesso que dou uma paradinha no que estiver fazendo e sento pra ver Ti-ti-ti.

ViVENDO a vida

segunda-feira, janeiro 18th, 2010

Não costumo assistir novela das 20h (ou seria das 21h?), principalmente quando é da Gloria Peres ou do Manoel Carlos. Acho meio surreal para mais da metade da população, principalmente pra mim. É muito dinheiro no lance, e só se fala dos bairros nobres do Rio de Janeiro. Enfim!

Mas desde que a Luciana (Alinne Morais) sofreu o acidente e ficou tetraplegica, eu passei a assistir a Novela “Viver a Vida“, do Manoel Carlos. Quero ver qual a abordagem do Maneco pra esse tema, quero ver a atuação da Alinne Morais e ver se estão mostrando mesmo a realidade de um cadeirante. Apesar de não saber como é ficar tetraplegica do dia pra noite, eu sei o que é ser tetraplégica desde o nascimento, e tem muita coisa que estão sendo mostradas e que me identifico.

Achei interessante demais o lance do banho, é mesmo um grande ritual e muitas vezes desanima de sair, só de saber que tem que passar pelo ritual do banho. Um saco! E olha que a Luciana nem tem escaras, não troca nenhum curativo! A cada banho, atualmente eu troco 14 curativos! Isso é o que é o mais difícil, porque o banho pelo banho até que eu estou sossegada.

Outra coisa muito bem abordada é a relação das pessoas com a Luciana. Engraçado que identifico cada amigo meu em cada amigo da Luciana. As diferentes atitudes, as reações, é tudo tão parecido, muito engraçado! A sutileza de que isso está sendo colocado, e a forma de como tenho identificado com a minha vida! Coisas que eu vivia sem reparar muito, e a novela me fez prestar uma puta de uma atenção. Muito bom!

Estou gostando demais do triangulo amoroso. Estou achando sensacional o jeito do Miguel (Mateus Solano) e do Jorge (Mateus Solano). Cara, eu tô viajando demais nesse triângulo!!! Primeiro porque eu já encontrei homem que teve reações iguais a do Jorge; que trava e fica sem jeito, sem reação de como agir frente a esse “problema”. Não é por mal não, o Jorge não é um sujeito ruim. O que acontece é que tem gente que é mesmo insegura, e mesmo com todo o carinho do mundo, não consegue perder o medo de cometer algum erro, de fazer e principalmente de falar alguma coisa errada. São pessoas céticas, que os olhos enchergam exatamente aquilo que está na sua frente. E tem pessoas mais seguras e mais sensíveis. São as pessoas que enchergam além do que se vê, gente que vê de dentro pra for a e não de for a pra dentro! É ótimo isso, eu consigo entender toda a coisa que envolve esse triangulo, é muito interessante!

Obviamente (quem me segue no twitter sabe muito bem disso!) que eu estou encantada pelo Miguel. Quem me conhece sabe que, independente de ser o relacionamento que todo mundo sonha, eu sempre gostei de ter esse tipo de relação com os caras que me interesso, ou com amigos mesmo. Aquela coisa tranquila, sem muita melação, e cheio de provocações e xingamentos ou piadinhas. Bem melhor do que babação, é viver nessa guerrinha de farpas carinhosa! E eu estou louca em busca de um Miguel na minha vida, mas descobri que tenho vários pedaços de Miguelitos espalhados entre meus amigos. Tenho um que me incentiva e não me permite fazer corpo mole, que é o mesmo que se orgulha e torce! Tenho aquele mais bagunceiro, mais engraçado, mais doido e despojado… Enfim!!! E, acredite, eu tenho alguém que me lembra muito o Jorge!!!! Rsrsrsrsrs… A única diferença, é que nenhum eu tenho relacionamento amoroso de homem e mulher, e ainda não sairam na porrada por mim!!! Bom, eu também não sou nenhuma Alinne Morais e nem moro no Leblon… Então, né?! Abafa!!!

Algumas coisas são meio surreais; como a rapidez que ela está progredindo, mas é perdoado porque trata-se de uma novela e a novela tem que andar e coisa e tal! Normal. Só não vou aceitar se a Luciana voltar andar!!! É muito raro ver casos como esses terem cura assim. Espero que a Luciana termine cadeirante, seguindo a vida e que a messagem seja justamente essa, de que dá pra ser feliz assim e que essas fatalidades podem acontecer na vida de qualquer um.

Acho que poderiam dar um pouco mais de enfase na arquitetura, na acessibilidade. Poderiam mostrar que as calçadas com ladrilho balançam demais e tiram o deficiente da posição na cadeira. Escorrega, sabe?! Também pode mostrar as guias rebaixadas, as rampas, os lugares públicos com e sem acessibilidade. Por um lado, eu estava torcendo pra Luciana ficar com o Jorge; fazê-lo perder essa insegurança toda e quem sabe estimular o cara defender a causa da Arquitetura Acessível, já que ele é arquiteto e teria contato direto com a esposa cadeirante.

No mais é isso aí!

.

.

Ah! Indico o blog da @acessibilidade que tem coisas interessantes sobre arquitetura acessível : http://thaisfrota.wordpress.com/

The End

domingo, abril 12th, 2009

Alguém aí será que é capaz de assumir que assiste novela e dizer que acompanhou uma do primeiro ao último capitulo?! Pois é, eu posso dizer que as poucas novelas que me propus a assistir, eu me identifiquei logo nas propagandas e então assisti cada capitulo, do inicio ao fim.

É lógico, que já vi algumas que peguei do meio pro final e acabei gostando e me arrependendo de não ter visto desde o inicio. Fora que, ultimas semanas de qualquer que seja a novela, o brasileiro que se preze pára pra assistir mesmo que não tenha acompanhado desde os primeiros capítulos.

O engraçado, é que sempre me proponho a ver umas novelas que são consideradas por aí bem toscas, mas pra mim tem sempre um porque. Não me recordo de todas que vi inteirinhas, mas posso citar; Agora É Que São Elas (nem sei porque, mas vi inteira!), Coração de Estudante (gostei do Clima da novela), Pé na Jaca (só porque tinha Jaca no nome e aí acabei assistindo), Cobras & Lagartos (porque tinha o Daniel de Oliveira e o Lázaro Ramos) e agora a novela Três Irmãs (por pura empatia mesmo, e por ter o Paulo Vilhena).

Esse final de semana uma sensação de vazio toma conta de mim. Lá se vão os momentos em que eu desligava o mundo pra assistir as histórias que se passavam em Caramirim, Praia Azul e Caraguaçú. Era um momento de off total, me deixei envolver por cada personagem, me emocionei, senti ódio, pena, e até me apaixonei assistindo Três Irmãs. Vou sentir saudades de cada personagem e seu respectivo interprete, vou sentir falta dos lugares, das músicas, dos conselhos e lógico dos surfistas delicinhas surfando diariamente na minha frente.

Durante essa novela, brinquei também com a imaginação e encontrei várias pessoas da minha vida em determinados personagens, e inclusive me identifiquei um bucado com uma personagem: Alma Jequitibá (Giovana Antonelli).

A Alma é toda atrapalhada, meio confusa, ao mesmo tempo em que é desligada ela também consegue estar ligada à tudo. Ela dá colo e conselhos, mas vive precisando de colo e conselhos também, é carente, dramática e prática ao mesmo tempo. Além disso, é LOUCAMENTE CIUMENTA. Sim, me identifiquei demais com o jeito dela, as neuras dela, as cagadas, o orgulho infundado, e tudo mais que ela fazia. E claro, alguma parte também da intuição que eu também tenho um pouco. Não tão forte e fictício como ela, mas dava pra me identificar um pouco nisso também.

Partindo desse principio é lógico que minha mãe tem muuito a ver com a Virginia (Ana Rosa), o Cauê é óbvio que é a “Sussu” a Suzana (Carolina Dieckmann) e a Natália é a Dora (Cláudia Abreu) que adora fazer comprinhas, viajar pra fora do País e tudo mais!!!

Mas enfim… Acabou-se mais uma novelinha, e a gente segue aí em frente esperando as próximas. Até agora nenhuma me atraiu, nem mesmo a do Bahuan.

Para saber mais de: Agora é Que São Elas

No wikipédia

Para saber mais de: Coração de Estudante

No wikipédia

Para saber mais de: Pé na Jaca

No wikipédia

Para saber mais de: Cobras & Lagartos

No wikipédia

Para saber mais de: Daniel de Oliveira

No wikipédia

Para saber mais de: Lázaro Ramos

No wikipédia

Para saber mais de: Três Irmãs

No wikipédia

Para saber mais de: Paulo Vilhena

No wikipédia

Para saber mais de: Giovana Antonelli

No wikipédia

Para saber mais de: Ana Rosa

No wikipédia

Para saber mais de: Carolina Dieckmann

No wikipédia

Para saber mais de: Cláudia Abreu

No wikipédia