Archive for the 'Eu acho que pirei' Category

De ser ao triplo o que sou em um simples vôo

quinta-feira, dezembro 2nd, 2010

Ao contrário de qualquer taurino, odeio mesmice. Gosto de ter um porto seguro onde eu possa confiar e fixar meus pés durante um período, mas logo aquilo me entedia e eu sinto necessidade de voar pra outros horizontes.

Me disseram uma vez, que a borboleta depois de deixar de ser lagarta, ela voa vários lugares e então volta pra morrer onde deixou o seu casulo. Achei tão bonito, me identifiquei com a história.

Mas voltando a minha dificuldade com a rotina, eu me canso de muitas coisas. Outras não, devo confessar, mas a maioria. Me Canso de amigos que vejo com muuuuuuita freqüência, me canso dos mesmos lugares, me canso de algumas cores, me canso de certas roupas, certos assuntos, certas situações. Eu me canso das fotos dos meus murais, da comida que eu mais amo, e principalmente de músicas.

Eu me canso também do meu nome, queria me chamar Fernanda de todo jeito! Mas acho Izabela lindo, não sei como faria sem ele! Me canso demais  do meu nickname, que nunca notou? Mudo toda hora!!  Chega um dia que mudo tudo! Troco meus nomes, faço novos emails, me deleto do Orkut, troco todas as minhas fotos dos murais do meu quarto e dos meus avatares virtuais.

Tenho três personagens dos quais costumo circular nas minhas mudanças repentinas; A Jaca, a Belinha e a Iza Freitas.

A Jaca

A Jaca é meio doida e meio estranha. Ela coloca peruca louca, faz almofada personalizada, se confunde com os sentimentos. A Jaca fala merda, briga, berra, brinca e dá risada. A Jaca é uma JACA mesmo! A pomba pousa na cabeça da Jaca, a cerveja cai em cima da Jaca, o sal voa pra cima da Jaca e a camisinha em bola de gás estoura e vai parar na mão da Jaca! A Jaca nunca vê o buraco no chão, nem a escada ao lado. Se a Jaca andasse, viveria caindo por aí! A Jaca é aquele ser estrainho que vaga por aí com total imprevisto.

A Belinha

A Belinha é uma menina doce e delicada. A Belinha é canceriana, e qualquer insulto ou falta de atenção vira mágoa. Ela gosta de abraços demorados, de música calma e de cores leves. A Belinha é uma princesa. É aquela bonequinha que vive por aí suspirando as palavras doces que ouve pela vida.

A Iza Freitas

A Iza Freitas tem quase 30 anos, é forte e responsável. A Iza Freitas assina documento, escreve textos e procura emprego. Ela gosta de marrom ou rosa bem forte. É irônica, brincalhona, e amiga. Sabe da onde veio, o que aprendeu e onde quer chegar! A Iza Freitas é taurina, torce pro São Paulo, sonha em morar no Rio de Janeiro e gostaria de um dia ser Ministra da Cultura.

Circo mudo de palhaços cegos!

quinta-feira, agosto 5th, 2010

É tudo silêncio!

Não me ouço mais em murmúrios

Por mais que sinta, calo!

O que se ouve é o que se pode ouvir

Não se pode mais piadas aos políticos em época de eleições

Veto minhas lágrimas por qual for meu sofrimento

Não se pode mais palavrões em estádios de futebol

Censuro-me de queixa qualquer

Em um mundo que vive uma censura entre as sombras

Das sombras me censuro

Só pode sorrisos, palavras bonitas e elogios!

E eu sigo sorrindo

Bem-dizendo a saudade

Elogiando o caos

E festejando toda essa palhaçada!

Monólogo… #2

terça-feira, julho 28th, 2009

– Porque você não escreveu o e-mail?
– Ah não!! Voltou mesmo, hein?
– hihihihi … Diga, porque não?
– Escrever pra que ? Dizer o que? Não.
– Ué, o que você queria dizer!
– Não quero dizer nada…
– Ah, quer sim!
– Não quero!
– Então porque pensou em escrever?
– Bobeira, mimimi
– Esquece essa modinha de mimimi, esse cara te deixa paranoica!
– Que cara?
– Esse aí…Aliás, ele é paranoico!
– hahaha coitado!
– Enfim, esquece isso e escreve!
– NÃO TENHO O QUE DIZER!!!
– Diga bobagens… mas diga, você quer…
– Não quero, se quisesse já estava feito…
– Olha, pára com essa paranóia de querer se podar. Vai com pé na porta e pronto! Vai perder a essencia?
– Não, vou amadurecer e controlar os instintos. Pra que fazer algo que não vai mudar e nem melhorar nada? Boca fechada não entra mosca!
– Ai você anda madura demais, que chatice!
– Obrigada, mas você sou eu!
– Tá bom, não vou insistir hoje! Depois não fique aí pensando…
– Boa noite, vá!
– Tchau.

Monólogo…

segunda-feira, julho 27th, 2009

– Ah não! Você novamente?!
– Porque novamente? Eu sempre estou aqui, sou você!
– Sei, mas eu estava em paz, me deixa vai… tchau e até nunca!
– Porque você não fala logo tudo que quer? Fala!
– Eu disse tchau, você viu? Não falo porque não tem o que falar, simples!
– Tem sim…
– Não tem, sério!
– Tem e você sabe disso… Fica noites e noites falando sozinha….
– Tipo agora?
– É, tipo agora… Fala boba, chama um desses amigos e fala tudo!
– Tudo o que? O tudo é nada… nada disso é… eu crio… Além do mais…
– Você cansou de confiar e ou de conversar com as pessoas…
– Tchau!!!
– É normal a introspecção… mas tem que jogar pra fora as vezes…
– tá…
– Se fechar do mundo não vai resolver…
– Não estou fechada! Estou aberta e disposta!
– E com coisas aí dentro…
– Cansei de desabafar… a vida é mais! Quero sorrir, ser boa companhia!
– Quem disse que deixará de ser?
– Ah, sempre de mimimi
– Engano seu, as vezes nem é mimimi e você esconde… tá com medo de dar amor!
– Virou analista?
– E não é verdade? Pare de se proteger, seja você e pronto!
– Mas estou sendo…
– Tudo demasiadamente é prejudicial, uma hora esses pensamentos vão fermentar e causar estrago
– Mas por hora tá bom, juro!
– Acredite em quem sabe das coisas… tá chegando o momento… não deixe passar a hora certa. E depois, reclamar….
– Tá chegando? Não chegou. Me avise quando chegar…
– Tô avisando, oras!
– É? Vou tentar… mas não sai nada, soa inútil…
– Faz uma força, mete o dedo na garganta! Mas faça…
– Vou tentar…
– Eu avisei. Tchau!
– Finalmente!

VA – VP

quinta-feira, setembro 4th, 2008

Sei que esse assunto é meio clichê, mas alguém me socorre do horário político! Eu juro que em um momento de surto de responsabilidade resolvi sentar pra olhar o que estava rolando e, meu Deus do céu!!

Assisti junto com minha mãe e a minha madrinha. Entre um comentário construtivo e outro, no geral o que rolou foi um intenso ataque de riso daqueles de fazer sair lágrimas dos olhos e de perder o ar. De professor mau humorado da minha faculdade até Mister M, Japinha do Funk e Palhaço Pudim são os candidatos.

É o comentário que tenho escutado…

– Você viu horário político?
– Ah já vi mais ou menos, vc viu quem se candidatou?
– Vi, o CG?
– Isso!! E o Mister M meu, que isso!
– Pior o Palhaço Pudim!
– Nem fale, nossa!

A gente vai brincando e zuando com tudo isso, e as pessoas que fazem análises críticas sobre isso por aí acabam passando por chatos, metidos a intelectuais. Mas cara, que isso está um absurdo sem tamanho, isso está mesmo!!!

Te juro, eu já não sei mesmo por onde começar. Já fui muito adepta ao voto nulo, confesso, mas depois entendi um pouco melhor do que eu pensava desse assunto que não me agrada muito e resolvi que quero sim fazer alguma coisa, mas vejo isso tão distante. Cara, é desanimador! Eu que gosto tanto do meu País, ter que conviver com esse tipo de coisa, e concordar.

Sei lá meu, eu ando com pensamentos muito otimistas e dispostos. Estou disposta a encarar melhor esse assunto e tentar chegar o mais perto possível daquilo que acho correto, espero conseguir. Alguns candidatos já estão escolhidos (não é o Mister M, nem o CG, nem o Palhaço Pudim e nem o Anitelli… ops o Anitelli ainda não é candidato!), espero que façam por merecer.

Talvez eu volte, com mais material, pra me aprofundar nesse assunto político.

Da calmaria….

terça-feira, maio 22nd, 2007

Adoro esse sentimento tranqüilo, adoro essa época de calmaria que precede algum acontecimento grandioso… É assim que as coisas acontecem, tem sido assim na minha vida a um bom tempo…Espero que isso seja bom como já foi tantas vezes….

Apesar de muitas vezes mostrar-me meio “urgente”, é interessante (as vezes um pouco cansativo) plantar uma sementinha e assistir seu crescimento com calma.

O ruim disso tudo é que esse sentimento de paz sempre precede outro sentimento que eu tenho tentado fugir a todo custo… E pretendo fugir até que ele se torne inevitável… Apesar de quase sempre ser meio inevitável… mas como esperança é a última que morre, e a que sempre se atrasa!

O pior é que a essa altura eu sempre estou muito vulnerável a esse temido sentimento. Bela tentativa a minha de tentar me enganar, né? Uma vez humana, (infelizmente) sempre humana.

Enquanto isso, eu fujo da realidade sempre quando essa me cansa. O sono é a melhor das fugas. Eu sonho. Ou seja, uma fuga fracassada!

Hahahahaha quanta merda! Relaxa eu também acho que ñ estou muito normal… Hahahaha….

Fazer o que se eu preciso escrever, escrever e escrever?!? É algo que foge do controle!

Parte II

segunda-feira, abril 2nd, 2007

((Sim, post duplo… Esse e o de baixo… separados por motivo de mudança de assunto))

Durante alguns dias eu ando pensado um bucado sobre um montão de coisas sobre a minha vida. Não sei se é o vício pela análise de tudo (se bem que mudei um bucado), ou se é o meu inferno astral mostrando que está prestes a chegar, mas de fato tem rolado uma necessidade fenomenal de falar e/ou escrever e botar umas milhões de coisas que andam bagunçando o meio de campo na minha cabeça confusa.

Não se trata de uma melancolia e nem sequer tristeza. São pensamentos soltos em busca de compreensão e conselhos, mas com a menor vontade de ouvir broncas ou lições de moral, dá pra entender?! O fato é que preciso de uma conversa, um papo com alguém que diga algo, que dê opiniões, troque idéias, mas não quero que me apontem o dedo e digam que eu estou errada e tal.

Preciso soltar tudo o que venho guardado para meus botões. Não quero respostas e soluções, eu as tenho graças a Deus, mas quero um ombro, um ouvido, uma atenção, um tempo dedicado a mim e às minhas palavras.

Inexplicavelmente eu não tenho conseguido colocar em caracteres as coisas que tenho pensado ultimamente. Não rola fazer textinho pra postar no blog, nem pra esconder na pasta de textinho secreto. Não rola e-mail, msn e nem carta.

O fato é que não consigo explicar objetivamente o que tem rolado. Minha cabeça se transformou naquele quarto bagunçado que você abre a porta, olha tudo jogado e pensa consigo mesmo “deixa pra lá, uma hora eu paro e arrumo tudo”. E agora eu cheguei a um momento que não estou agüentando a bagunça e nem consigo saber como e por onde começar.

Isso não é um apelo voltado a ninguém em especifico. Apesar de haver algumas pessoas nas quais eu gostaria de um pouco da atenção e que adoraria poder conversar, mas ando orgulhosa demais pra gritar e pedir um help. Mas na verdade mesmo, isso é apenas uma tentativa de expor no “papel” um pouco de como eu estou me sentindo nas últimas duas semanas.

No mais tudo ótimo, como já foi visto no post anterior. E mesmo com o que foi dito nesse post, eu posso dizer que apesar desses “detalhes” e dessas baguncinhas mentais, eu estou exaaaausta mas feliz!!!

E sobre meu niver, já viso de antemão que será comemorado em abril, mas tá longe e eu volto ainda pra dar detalhes.

Será?

segunda-feira, dezembro 25th, 2006

Será que você sabe?
Será que eu sei?
Será que você sabe que eu sei?
Será que eu sei que você sabe?
Será que eu sei que você sabe que eu sei?
Será que você sabe que eu sei que você sabe?
Será que sabemos mais do que sabemos que sabemos?

“Controlando a minha maluquez…”

terça-feira, setembro 26th, 2006

Me pergunto muitas vezes o que os seres humanos são capazes, e quando isso acontece chego ter medo até de mim mesma. Coisas bobas que a gente pensa, e que se bitolar acaba louco, fechado em um quarto sem se comunicar com ninguém. Eu já quase pirei de verdade nessas “batatinhas”.