Archive for outubro, 2005

Para tudo!!

segunda-feira, outubro 31st, 2005

Pára tudo!!
Senta aqui do meu lado e me dá um abraço. Sinta minha lágrima molhar sua blusa e meu soluço tremer o seu braço. Me esconde. Eu não quero que o mundo veja a minha fraqueza. Não quero olhares piedosos. Eu quero aconchego. Eu quero aceitação no lugar de pensamentos maldosos : “olha lá ela chorando tudo denovo pelo mesmo motivo. Será que não cansa?!”. Eu canso sim. E é de cansaço que eu choro. Cansaço de enfiar na cabeça que a amizade é sempre o melhor. Estou aqui, morta de cansaço de amar em vão. De não saber o gosto do beijo. De não entender porque transar dói e todo mundo gosta. Eu estou cansada de me sentir um doce com prazo de validade vencido.
Mas quer saber?! Isso tudo não é novidade, e eu agora não peço nada a não ser que me abrace e me esconda do mundo até tudo isso passar. O ciclo se completa e eu reaparecerei sorrindo, bonita e forte. Pra todos sentirem orgulho de mim.

Um desabafo assim, sem compromisso…

Comum demais…Talvez…

segunda-feira, outubro 31st, 2005

.:: Eu não quero ser uma pessoa normal, vivendo uma vida normal, só pra inglês ver. Eu quero meus defeitos. Meus efeitos. Quero tudo e quero mais. Eu não ligo se o ano acabou, minha fé balançou e as pessoas estão pensando em árvore de natal e festa de ano-novo. Já chegou o final de dezembro? Não. Então, me desculpa. Leva os enfeites natalinos de volta pro armário, pára de procurar lentilha no supermercado, devolva sua passagem pra aquela viagem que você nem sabe onde é. Viva um dia de cada vez, respire, esqueça… Esqueça do Papai Noel suado no shopping center, das sete ondinhas que você nunca pula, esqueça sua certeza de que ” ano que vem vai ser melhor”. É estranho, eu sei. Mas certeza a gente tem que ter hoje. Do agora. Sou da turma do improviso. Por isso, não me pergunte. Eu nunca sei o que vou sentir daqui a 5 minutos, 2 meses, um ano. Sinceramente, não sei. E se sei, minto. Eu não vivo o futuro. Eu não sei que caminhos seguirei, que pessoas amarei, quantos gatos terei. Eu só sei o que quero. O que devo. NOW. Eu nasci assim: conheço o fim e improviso o meio. Falta de juízo? Não sei. Preciso sentir antes de pensar. Só depois ajo. E vivo como vive quem planeja: bato a cabeça do mesmo jeito. Arrisco. Machuco. Sangro. Costuro. Me reconstruo. Igual fiz nos últimos 10 meses. Porque verdade seja dita: cada um vive de um jeito. Mas que 2005 foi esse? Ou melhor: que ano está sendo esse? A idéia foi me partir ao meio? Dividir o mundo ao meio? Me arrancar o coração? Roubar minha esperança? Enxergar em cada rosto um ponto de desespero? Se o plano era esse, pessoal aí de cima, coloca um “A” aqui. Bota um parabéns e me dá uma estrelinha. Eu preciso, eu mereço! (Eu e todos nós). Preciso porque me arrisquei. Mereço porque me ferrei. E me ferrei porque quis. Resultado? Aprendi. Ponto pra mim! Quanto maior o grau de dificuldade, maior o prêmio. Não é assim? Eu acho, está escrito em algum lugar, não me pergunte onde. E o prêmio não é ganhar um bônus por decepções digeridas nem coragens reforçadas, com uma viagem de ida e volta com acompanhante para a Polinésia Francesa. O prêmio é olhar pra dentro e – mesmo com toda dor, mágoa, tristeza, falta de rumo e prumo – se reconstruir, se aceitar e ter orgulho de quem você é ::..

Não sei se realmente sou só mais uma com sentimentos igual a todo mundo, se as mulheres tem mesmo muito em comum, ou se foi mais uma mera coencidencia de ver meu coração ali, decifrado nas palavras de Fernanda Mello. O importante é que faço de cada virgula dela, minhas palavras. Essa sou eu hoje, ontem, ultimamente!!

Sonhos

domingo, outubro 30th, 2005

Ainda não consegui descobrir até onde é bom sonhar. Mas descobri que existem sonhos bons que dão efeitos piores que pesadelos. Que nos perseguem durante dias dando aquela sensação de aperto no peito e o doce tirado da boca de criança.
Passei alguns dias dormindo pouco, deitando tarde e já pensando na hora de acordar. Com pressa de viver, sem perder um minuto que fosse da minha vida. E agora, há dois dias que tenho estado no efeito contrário, pensando somente na hora que poderei dormir novamente. Depressão?! Cansaço?! Não. São os sonhos.
Estou tendo sonhos tão bons que não tenho vontade de acordar. Estranhos, reais, surreais, e que tem feito parte de mim durante um dia inteiro.

Ainda estou me adaptando ao blog…Vamos ver o que acontece.

Quando acontece uma constelação…

sábado, outubro 29th, 2005

Hoje eu me sinto inteira. Estou completa e com o coração inchado de tanta alegria. Cada vez que posso estar do lado de vocês, vejo o quanto o meu amor por vocês não pára de crescer. Igual orelha de velho sabe?! rss.
Ao lado das minhas duas estrelas sinto como se tudo fosse sorrisos, todas as pessoas bonitas, alegres e boas. É como se no céu brilhasse o maior sol, mesmo em dias de chuva dentro de um Shopping.
Estou com a minha constelação completa. A barriga cheia de Açaí. As energias recarregadas. E hoje eu devo cada sorriso meu a vocês!!!

Muita Objetivida e Pouca Informação!

sábado, outubro 29th, 2005

Depois de muito tempo tentando decifrar tudo quanto é coisa (pessoas, sentimentos, atitudes, acontecimentos gerais, etc…) e principalmente a mim mesma, decidi deixar que quem quiser que entenda as coisas da forma que mais lhe convém.
Hoje eu não quero entender nada. Não quero explicações de nada. Nem quero saber o porquê de nada. Seja o que for, como for e por qual motivo for, amanhã já muda tudo. E hoje, eu prefiro não me cansar tentando entender nada.

– Oi, tenho uma novidade!
– É mesmo?!
– Sim! 😀
– Ótimo, guarde pra vc!! 😀 😀
– :S

Tô assim, curta, grossa e muito feliz!!

Gente Grande!

sexta-feira, outubro 28th, 2005

Pois é….
Com o amadurecimento vamos colecionando algumas decepções como, que Papai Noel é na verdade seu papai, o Vovô ou um animador de festa. Que o Coelinho da Páscoa não existe e que as pessoas nem sempre são tão boas quanto parecem.
Mas o bacana de tudo isso é que você vai aprendendo gradativamente cada lição. E ai, chega a hora de ver que a Politica é uma bosta, que pra passar cheque tem que ter dinheiro na conta e que a profissão dos seus sonhos nem é tão boa assim.
Um dia eu sonhei em trabalhar na Globo e ser feliz para sempre. Hoje eu continuo prestando concurso lá, mas agora com o objetivo de ganhar bastante dim dim (e poder passar cheque a vontade), e depois trabalhar em uma emissora pequena onde eu tenha autonomia pra por em prática todas as minhas idéias.

Este Blog está temporariamente desativado!!

quinta-feira, outubro 20th, 2005

Com medo da responsabilidade, escondo as palavras. Fujo do desabafo.
Desculpe se desapontei alguém.
Acontece que as vezes é necessário ser indiferente (e como é difícil isso…).

Continuarei escrevendo mas longe dos olhos de quem tenta entender
Não é por mal, mesmo.
Amo os comentários e é muito bom saber que alguém me entende.
Mas desta vez achei melhor me calar.
Achei melhor não deixar que entendam.

Beijos para todos e até um dia.

1 Ano de SoulFunk

segunda-feira, outubro 17th, 2005

Bom, faz um tempo que eu estava querendo ir ao Na Mata, mas as coisas iam acontecendo como trabalhos na faculdade, problemas em casa, enfim… E aí mamãe prometeu que eu iria então no aniversário de um ano da SoulFunk, que seria na quinta-feira (13/10) e não quarta-feira, como de costume.

Daí como de uns tempos pra cá voltei a falar mais com o Rubens, que era da minha classe no colégio, amigo do Cauê e de tabela meu também, porque apesar de andar com a Fê, Vivi, etc, eu sempre me diverti mais com as bagunças dos meninos e com eles eu ria muito, até hoje né… Então, eu dizendo que, como voltei ter contato com o Rubens Leandro, ele quis ir no Na Mata também, porque ele é músico e queria curtir o som e tal, daí dei um toque nele um dia antes e ele topou ir.

Coincidentemente no dia seguinte o Cauê acordou pra ir à praia e deixou recado que ele queria ir no Na Mata comigo. Não entendi nada, mas curti a idéia de irmos os seis (meus pais, Rubens, Cauê e eu), afinal meus pais eu fazia questão, já que eu queria curtir o show no colo!!

Bom, chegamos lá 22h30 e até nem tava tão lotado, mas pelo que estava, já imaginei que a balada ia bombar mesmo. Deu pra falar com o Milton e com Guilherme (vocal e guitarra respectivamente) e depois começou a lotar de gente, de fotógrafos, jornalistas, que não consegui ter contato com mais ninguém da banda.

Na hora que começou o show, umas 23h30 ou 00h, o segurança me pôs na boca do palco e eu pude assistir ao show todo, sem interrupções e sentindo o som entrar goela abaixo. Fui no colo da mamãe varias vezes, cantei, ri, e renovei as energias. Fora que tudo isso protegida por um segurança (tem que ter o dom!).

Gosto muito do repertório que a banda toca, só música de gente fera, e músicas que não deprimem nem fazem pensar em saudades, amores, nada disso. Não sei se sou eu, se as músicas são mesmo alto astrais, ou se o sorriso do Milton (vocal) e as palhaçadas do Erik Escobar (teclado) realmente contagiam. Só sei que me faz bem, e o show inteiro não penso, não associo nenhuma música, não lembro de ninguém.

De convidados tocou um percursionista que não lembro o nome, o cara do Papas na Língua, Andréas Kisser (Sepultura), Davi Moraes, Allen Lima e Amon-Rá Lima (da Família Lima, dããã…), Luciana Mello e Jair de Oliveira (isso pra mim é louco, eu ouvia Balão Mágico e o Jair de Oliveira era o Jairzinho, “o mais no novo do Balão” – [trecho de Amigos do Peito] – ). Dos convidados, a Luciana Mello e o Amon-Rá Lima foram os que me viram e deram oizinho do palco, muito fofos. O Guilherme Fonseca (guitarrista da SoulFunk) sorria sempre pra mim do palco, e o Milton Guedes cantou “É Preciso Saber Viver” olhando pra mim, muito lindo.

O Junior realmente foi um caso sério, o achei um tanto quanto diferente, e ao contrário do que se imagina, não achei ele verdadeiramente feliz não. Não digo que estava triste, isso também não achei, mas tava diferente. Ausente, exibido, louco, não sei como descrever, mas não pareceu o Junior que eu costumo ver. Confesso que eu tava na frente da bateria dele e ele nem me viu, mas isso eu sei que não rola porque pessoa na batera viaja animal, nem dele ter tropeçado na cadeira e não me ver. Não falar com ele ainda mais nesse dia e tudo, me deixa triste é lógico (mas nada que me tire o êxtase), mas independente de tudo, de estar lotado de fãs, jornalistas e fotógrafos atrás dele, ele tava diferente, juro.

Quando acabou o show, umas 03h e pouquinho, ficamos ainda um pouco mais lá conversando e rindo com as brincadeiras do Rubens, conversando com o Amon-Rá do Família Lima, com Mathews do Br´oz, conheci o irmão do Milton Guedes, e só fomos embora lá pelas 4h e pouco. Ainda paramos no posto pra pegar grana pro pedágio e o Cauê e o Rubens aproveitaram pra comer alguma coisa.

Passamos o pedágio, ainda brincamos que estava muito caro o preço e tudo mais. Continuamos nosso caminho, tranqüilos e não vendo a hora de chegar em casa pra despencar na cama. De repente o carro começa a dar uns piripaques, a falhar e até que parou, sem gasolina. Foi inacreditável, e a primeira reação foi dar bronca no meu pai por não ter se ligado nisso nem quando paramos no posto. Depois meu pai foi naqueles telefones da estrada pra chamar um guincho, enquanto isso o Cauê vomitava no mato, o Rubens cochilava e eu e minha mãe ligávamos pra Nat, porque já era aniversário dela.

Meu pai volta do telefone, com uma “surpresa”. O meu tio Sérgio, aqui de Santos, estava passando de carro na estrada e viu meu pai no telefone. Achou estranho, parou e confirmou a grande coincidência! Meu tio estava voltando pra Santos porque tinha indo levar um cliente no aeroporto (meu tio é taxista). Os dois voltaram lá pra Kombi, rimos muito e tal de toda essa loucura, e o voltou de carona com meu tio, porque o Rubens tem uma banda e a banda ia a um programa de TV. Eu e minha mãe também íamos de carona com meu tio, mas ficamos com medo que meu pai levasse multa por não ter gasolina, e os policiais geralmente não multam quando me vêm, ficam penalizados =p.

O tio Sérgio e o Rubens Leandro foram embora e meus pais, meu irmão e eu ficamos esperando o guincho até 7h20. Nem preciso dizer que durante essas três horas de espera rolou tédio, sono, risos, stress e piadas. E quando o guincho chegou, já carregando outro carro, mamãe já nervosa e ainda ver que já tinha um carro guinchado, achou que o cara não ia nos levar e falou várias para o cara, que também quase brigou com ela, mas entendeu o stress e relevou.

Então fomos finalmente fomos guinchados e levados até o posto de gasolina mais próximo. Mas uma cena engraçada foi a gente tudo dormindo dentro da Kombi guinchada. Hilária a cena. Só acordamos no posto, dá pra imaginar né?! Mas aí colocamos gasolina e graças a Deus fomos pra casa!!

Como chegamos em casa 8h30, acabamos nem dormindo, minha mãe preparou o almoço, nós comemos e então só fomos dormir as 11h. Aliás, mãe, pai, Cauê e eu dormimos das 11h até as 17h.

Foi isso aê…

Hum…

sexta-feira, outubro 14th, 2005

Voltei a escrever e acho que agora retorno com mais frequencia, apesar de estar repensando se realmente e até onde é vantagioso um diário público, e esse foi no fundo o maior motivo do sumiço (entre outros…).
Não é que eu tenha algo pra esconder, minha vida é como buceta de puta que vive arreganhada, mas me pergunto até onde tudo isso é certo. Pessoas lendo sobre a vida alheia (tudo bem que isso pode soar de um modo positivo ou negativo), nesse caso a “vida alheia” é a minha, e com essa abertura permito que as pessoas me vejam como querem, afinal cada um tem sua própria leitura das coisas. Repito, não me importo com apiniao das pessoas, mas não gosto de rótulos e me acho instável demais para merecê-los.
Ao passo que, de outro ângulo vejo que um blog público é de certa forma permitir que os amigos fiquem mais perto de mim, e tenham uma participação ainda maior na minha vida. Porque amizade pra mim é isso, compartilhar vida com quem você escolheu pra chamar de amigo. Isso sem contar que incha um pouquinho o ego ao ver que determinada pessoa reservou um momento do dia, para saber de vc e melhor ainda, deixou palavrinhas conselheiras pra colorir ainda mais seu dia.
Enquanto não decido se continuo como “buceta de puta” ou se mudo de vez para o word (porque de diário não desistirei), vou comentar um pouco aqui sobre o que rolou durante esse tempo.
Do dia 30 ao dia 09 as coisa realmente foram complicadas na minha vida. Acontecimentos que prefiro esquecer invés de passar a vida inteira remoendo águas passadas. O importante de tudo isso é que muita gente aprendeu, eu principalmente. Aliás venho notando meus aprendizados com maior clareza de uns tempos pra cá. Notando coisas por mim mesma, que muitas pessoas “sabidas” não compreendem.
Mas iniciando essa semana as coisas passaram a melhorar, e estou vendo então uma luz no final do tunel (que não é o trem vindo de frente!). Resolvi o probleminha que quase rolou com a Claudia por causa da revista, mas graças a Deus fui e falei, e tudo se resolveu antes mesmo de acontecer. Daí por diante tudo foi dando certinho e meus dias foram melhorando cada vez mais.
Pra começar, a Luarinha vem agora todo dia pra cá. Passa a manhã ou a tarde toda aqui com a gente. E ai, não tem como a gente não ficar super alto astral. Ela faz a maior bagunça, cheia de gracinha e faz um bem danado nem que seja vc ser o batuque dela.
Na quarta-feira foi dia das crianças, e foi super bancana aqui em casa. Como de costume, veio a galera (Luara, Mayra, Mariana, Tia Cristina, Pádua, Tio Sidney, Gaby, Maya, Laís, Tio Cláudio) pra cá e ficamos reunidos conversando, rindo e vendo as nenês Luara e Maya fazendo gracinhas. Foi bem daqueles tipos que eu adoro mesmo, família reunida, amor, risos…
Na quinta-feira fui no Na Mata com meus pais, meu irmão, e o Rubens (um amigo meu e do Cauê). Foi bom demais, super aventura, muitos risos e música pra lavar a alma. Chegamos em casa sexta-feira as 8h30, mas vou fazer um relato detalhado, coisas boas é bom descrever detalhes pra poder sempre reviver ao ler. Depois posto aqui…
No mais é isso aí mesmo, num tenho me empolgado muito em me expor. Não sei se é fase ou passageiro, vamos ver o que decido.

Nádegas a Declarar!

sábado, outubro 8th, 2005

Realmente ando sumida daqui, tem acontecido tantas coisas que, eu não deixo de escrever porque me faz bem, mas tenho optado por guardar tais reflexões só pra mim em DOCs de Word. Raro isso de não estar expondo né?! Mas estou agindo sem regras. Tem coisas guardadas, coisas mostradas só pra quem tive vontade e, quem sabe um dia essas coisas não vêm pra cá?! Por enquanto está bem assim.
Estive tão revoltada com as coisas, principalmente com a comunicação no geral. Meus posts anteriores revelam bastante isso, não é mesmo?! Não sei porque as vezes tenho esses meus “ataques”. Algumas vezes pela comunicação, pelo respeito, mas pior mesmo é quando me dá ataque de desconfiança e que estou sendo enganada por todos. Já tive crise de achar que as pessoas eram minhas amigas por pena ou por ser bonito ter um amigo deficiente, pra mostrar que é uma pessoa boa e livre de preconceito.
Tenho consciência que são fases, que todo mundo passa e alguns poucos “aparecidos”, como eu, que cismam em postar descrição detalhada de tais sensações. De certa forma isso é magnifico, pois é assim que existem grandes poetas ou blogs que me fazem perder a noção do tempo quando paro pra ler.
Neste exato instante estou com a alma mais limpa finalmente. Acho que estou mais calma após duas grandes crises: de existencia e de problemas familiares. Tô mais calma e mais concentrada, por ver que passou o tempo de dar showzinho de crise existencial. A vida real me chama e eu preciso tirar as máscaras de meninha cor de rosa, frágil e delicada, pra correr atras das solucões e das coisas. É hora de tentar encarar que tô mais pra Mulher Valente que pra Menininha Indefesa.
Com as coisas que tenho passado, o que me preocupa é que estou me sentindo carente. Mas não carente assim, carente de ficar puxando papo com as pessoas, procurando assunto, correndo atrás, scrapando, ligando, tc no MSN, mandando mail, torpedo…Não sei porque isso exatamente, mas tem ocorrido e acho até que tô vamos dizer, pentelha!!!
Notícias não tenho nenhuma relevante, mas se interessar posso contar que minha bosta tem saido com cheiro estranho (mas continua fedida!), que estou indo razoavelmente bem na faculdade (de 7.0 a 9.0), tô com espinha, não vou mais pro RJ, tenho escutado muita música, conhecido novos sons, desenterrado velhos, aguada pra beber chopp de groselha mas não quero, e por aí vai. Essas são as únicas mais ou menos, o resto é bom mesmo ignorar!!

“Quero ver
Você não chorar
Não olhar pra trás
Nem se arrepender do que faz

Quero ver
O amor nascer
Mas se a a dor crescer
Você resistir e sorrir

Se você
Pode ser assim
Tão enorme assim
Eu vou crer…

…Que no mundo há sempre amor…”