Archive for novembro, 2005

Sou Mulher…

quarta-feira, novembro 30th, 2005

A gente sempre quer aquilo que não temos. E eu sempre quis. Eu sempre quis me tornar mulher como todas as outras. Tenho orgulho de ter estampado na minha certidão de nascimento “sexo feminino” e eu sempre quis poder honrar isso. Por mais que neguem, todas as meninas querem se tornar mulher, é comum querer se ver desabrochando como uma rosa. É a transformação da borboleta. É lindo. Apesar de dolorido muitas vezes, é lindo e não se pode negar.
Eu não tô falando de sexo/transa obviamente, não é segredo pra ninguém a minha virgindade absoluta. Lembra que sou verdade dos pés a cabeça? Pois então. Mas o que eu digo mesmo é algo comum entre as mulheres, não tenho vergonha de abordar o assunto Menstruação, é isso que eu me refiro.
Então, por milhares de motivos eu demorei pra me tornar mulher. Isso acontece com várias meninas, umas são adiantadas e outras atrasadas, mas no meu caso a preocupação era bem maior. Mas ela veio aos 18 anos. Tarde pra caramba mas na hora certa. Desde então tudo mudou, desde a forma de pensar até o corpo, as vontades, o jeito. É uma renovação.
Mas eu não vim aqui descrever o óbvio, eu hoje acordei as 7h30 com cólicas fenomenais, chorei de dor, suei, tomei remédio ruim e continuo aqui, 14h56, me retorcendo de cólica. A única diferença é que como tudo que se conquista com uma dificuldade maior que o comum, a gente valoriza. E, mesmo sabendo que esse sacrificio todo não resultará em nada (filho) eu tenho consciência de que apesar dos pesares eu sou uma mulher como outra qualquer (ta vai, melhor! hahaha), que ama, que chora, que gosta de rosa, músicas bonitas, vaidosa, que sente cólica, ansia de vomito, que menstrua mas que sabe o verdadeiro valor de ser quem e como é.

Eu tô tentando…

quarta-feira, novembro 30th, 2005

Eu passei essa terça-feira me acostumando novamente com a vida de vagal. Porque se tem algo que eu me acostumo fácil é com a vida ativa, e realmente o tédio é uma caracteristica dos taurinos que eu não herdei.
Gosto da sensação de não sentir o dia passar, o cansaço no corpo e a mente com tanta adrenalina que não consegue nem pensar direito. Coisas comum pra muita gente que trabalha, estuda, faz cursos extras e tudo mais. Pessoas que não valorizam a felicidade que é poder ter uma vida assim.
Eu queria trabalhar a tarde, estudar a noite e fazer alguma lingua de manhã. Terças e Quintas inglês, e Segundas e Quartas francês. Nas Sextas eu faria aula de música e, como nesse meu ideal eu não tenho dificuldades motoras (não sou deficiente), eu gostaria de prender a tocar gaita e baixo, ainda gostaria de estudar a história/teoria da música (isso ainda vou estudar de verdade!). Mas como sou fisicamente dependente dos meus pais, não há possibilidades de ocupar o meu tempo assim, 100%, pois quando eu estou atoa significa que meus pais estão ocupados com as coisas deles (cozinhando, banho, descansando, banco, médico, etc…). O jeito é ir com calma e deixar como está. Saber dividir o tempo em três, já que eu (que não ando) dependo da minha mãe (que enxerga muito pouco) que depende do meu pai (que já ta velho) que ajuda as duas mas também se cansa.
Mas, se tudo continuar como estou hoje em dia, em 2007 vou dedicar aos cursos paralelos como linguas, música e cursinhos de produção de eventos e tudo mais. Já em 2008, dependendo do desenvolvimento de 2007, eu vou fazer pós-graduação em Cultura Brasileira ou prestar outra faculdade, que pode ser Radio & TV, Letras ou Relações Públicas.
Tudo isso não são planos, afinal de contas a vida muda a cada dia que acordamos e eu realmente não sei do meu amanhã. Mas são metas, porque para viver e ir a luta precisamos traçar algumas metas, ter grandes sonhos mesmo que eles mudem no meio do caminho, o importante é que eles nunca deixem de existir! E eu reencntrei minhas metas, e agora tô empolgadona para conquistá-las!!

Stress de Mãe é Phoda!

terça-feira, novembro 29th, 2005

Mas é realmente incrível como stress de mãe é phoda!!! Stress de mulher é osso em geral, mas de mãe é o caos absoluto, o fim dos tempos! E o pior é quando além dela estar com stress, é quando tudo ainda coopera para que ela se torne aos poucos em uma bomba atomica.
Hoje foi assim. Minha mãe acordou com o saco cheio. O copo transbordando. E no decorrer do dia as coisas foram acontecendo para que esse humor fosse só piorando. E coitada de mim que vivo 99% do meu dia junto com ela. Primeiro minha dor na perna, o almoço atrasado, a matéria chata que tinha que estudar pra prova (ela estuda comigo pq ñ consigo segurar as xerox), o sono, o atraso, enfim…Coisas corriqueiras que no dia do stress acaba tornando baita problemão.
Mas realmente hoje foi foda. A professora de politica acabou conosco, tirou o meu respeito (sou brava, mas respeito muito os professores, nunca briguei) por ela, me fez brigar!! Imagine então a minha mãe. Brigou com a professora até o fim, porque a maldita deu uma prova com a matéria do semestre todo em uma prova subistitutiva (deveria ser só a matéria que perdi), mas a mulher não arredou e eu ainda fui reclamar na diretoria…Como diria a Bila, “é um abuso!”. Esse assunto ainda não desceu, mas deixa!
Depois rolou uns stress com o assunto da formatura, tudo porque o lugar que foi o churrascão não dava pra ir minha cadeira. Sim, detalhes, mas detalhes que já mostram que vai ser foda!! Daí minha mãe pavil curto já brigou, falou várias pra defender a cria e agora eu já to novamente com aquele des-tesão de me formar com esse pessoal. Mas ah! Nem quero pensar sabe?!
Resumindo, meu dia foi o inferno por causa desse stress todo da minha mãe, mas tudo está bem quando tudo acaba bem. E bastou ela desabafar a raiva dela na professora e numa rapariga da comissão de formatura que pronto, está tudo tranquilo novamente. Espero que assim prosiga!!!

Faculdade?

* Assessoria 9.0
* Politica 7.0
* Rádio 7.5

É, nem estão tão boas, mas eu não vou gastar o tempo dizendo que foi injusto, pra ninguém acreditar!!! Mas Politica foi, o povo da faculdade bem sabe!!! Mas foda-se, num vou ser jornalista de Politica mesmo, foda-se²!!!

Post toooosco !

Verdade da cabeça aos pés…

segunda-feira, novembro 28th, 2005

Eu sou assim mesmo, verdade da cabeça aos pés, e não tenho porque me envergonar de mim ou de qualquer verdade minha. Eu já senti vergonha sim, poucas vezes e com pouca maturidade, em algum lugar do passado qual não faço questão de procurar.
Não que eu tenha orgulho de errar, mas tenho o maior orgulho de dizer que eu erro como qualquer mortal. Errei tentando acertar e já errei tentando errar mesmo, e dai?! Eu sou verdade e um dia errar era uma verdade minha que nao é a mesma de hoje. Minha verdade está no meu olho, no nick, nos textos, na fala, na alma, dos pés a cabeça.
E apesar de saber o quanto isso é perigoso eu não abro mão da minha verdade por nada desse mundo. Eu não gosto da sombra, do escuro, do silêncio. Se a música cala eu canto, se não canto, grito. Preciso me sentir preenchida e minha verdade me preenche.
Minha verdade é tudo que sinto intensamente (ou não), é minha família, meus amigos (que hoje eu sei quem são), meus sentimentos e meu amor. Meu muito amor, meu imenso amor por cada tudo; gente, olhos, palavras, vozes, gírias, sotaques, bichos, músicas, coisas, cheiros, gostos, sensações…
Eu tenho uma certeza muito grande de cada coisa que sinto, se amo é porque eu realmente amo muito. Se gosto não está nem perto de amar, eu gosto e pronto. Se adoro é um quase amor. Se não gosto eu não nego, não escondo. Se odeio (sim, eu tbm sinto ódio e daí?), meus olhos dizem por si só.
Baseada em minhas verdades, minhas certezas, eu não vou economizar declarações de amor, eu não vou evitar o clichê, o que se diz ridiculo para alguns, nem mesmo secar o mel que escorre das minhas palavras. Eu não disperdiço sentimentos e palavras, se digo é porque é, é porque sinto, porque é verdadeiro. Quem disperdiça é talvez quem ouça mas aí eu já nem ligo, cada um sabe bem da sua verdade e eu tô nessa vida pra ser minha verdade completa, sem economia. Se economiza sobra e se sobra disperdiça. Prefiro errar no exagero que na falta, sempre fui assim, erro pelo sim e quase nunca pelo não.
Hoje, segunda-feira (28), faltando pouco mais de um mês para o final do ano eu acordei querendo dizer EU TE AMO bem alto e bem grandão. Eu te amo no fundo da minha alma, por toda a eternidade, com toda a minha verdade. Eu te amo assim, seja como for, onde for, por qual motivo for. Eu te amo e sinto orgulho disso. Eu te amo e hoje isso me faz muito bem. Me acalma. Meu amor me faz companhia quando estou sozinha de pessoas visíveis. Eu te amo mas isso não é só pra vc meu caro.

Eu te amo mãe
Eu te amo pai
Eu te amo Nat
Eu te amo Cauê
Eu te amo Luara
Eu te amo Cindy
Eu te amo vó Nair
Eu te amo vó Maria
Eu te amo vô Orlando
Eu te amo vô Tino
Eu te amo madrinha
Eu te amo Mayra
Eu te amo Fê
Eu te amo Vivi
Eu te amo Daniela
Eu te amo Juliane
Eu te amo Anne
Eu te amo Daia
Eu te amo Rodrigo
Eu te amo Celly
Eu te amo Dalarte
Eu te amo Fabi
Eu te amo Caco
Eu te amo Cláudinha
Eu te amo Erikitcha
Eu te amo Carlota
Eu te amo Diogo

E eu amo muito mais gente que não escrevi por preguiça. E amo VOCÊ que não citei nome por comodidade sua, porque eu te amo muito, de todas as maneiras, e foda-se!!!!

Todo mundo espera alguma coisa de um sábado a noite…

domingo, novembro 27th, 2005

Algumas vezes escuto essa música do Lulu Santos e fico puta da vida, porque se ouço, geralmente é no computador ou no mp3 e isso significa que estou em casa em pleno sábado a noite. Eu pouco chiliquenta já choro e faço aquela novelinha mexicana bem básica. Deixo claro que isso é algumas vezes, pois ultimamente tenho me resolvido melhor, nem que seja obrigando meus pais a me levarem pra comer um Açaí à moda.
Mas depois de uma semana exaustiva na faculdade, onde eu merecia ganhar 10 em tudo só por milagrosamente me dedicar de corpo e alma a todas as matérias, eu me obriguei a ter um sábado um tanto quanto comemorativo. Aproveitei que o Dassler estava comemorando o aniversário no Pier do Chopp e juntei-me com a Fê e a Mah pra curtir essa baladinha sem regras, sem hora e sem nada na cabeça. Antes de sair deixei toda a minha responsabilidade no fundo de uma gaveta e sai só com o meu coração e minha alma.
Porém, como eu sempre faço questão de frisar, eu tenho amigos lindos e a Fê veio pra minha casa 16h e ficamos zuando até umas 20h30, quando finalmente começamos a tomar banho e se arrumar pra ir no Pier. Saimos por volta das 23h e ainda buscamos a Mah na casa dela e enfim fomos p/ baladinha, por volta das 23h30/0h.
Acabei com a Lei Seca e me deixei envolver por um copo de vinho com morango delicioso. Tomei sem culpa, sem pensar se depois doeria o estomago ou fosse o que fosse. Eu queria relaxar e dar umas boas risadas. Foi exatamente isso que aconteceu, tomei o suficiente pra relaxar, rir e não deixar a melancolia entrar no coração.
Pra mim não existe coisa melhor que estar com as pessoas que eu amo tanto e ainda por cima ouvindo música ao vivo. Puta merda, tenho um tesao por banda tocando, ainda mais quando é um repertório perfeito (Ana Carolina, Skank, Jota Quest, Lulu Santos, O Rappa, Paralamas, Ultraje, entre muitos outros…). Eu exijo, pra se um dia por encanto dos Deuses surgir um pretendente pra mim, que trate de ser completamente envolvido com música, senão já é 50% de chance a menos, entendido?! Música lava minha alma e renova minhas energias.
O Dassler (o aniversariante) foi um fofo, fez questão de colocar a gente em um lugar legal lá perto de onde estava a galera dele, ajudou a gente atravessar a multidão pra chegar no outro extremo do bagulho, vinha direto perguntar se tava tudo certinho e tal. Realmente foi muito gostoso prestigiar esse doido. E graças a Deus eu nem precisei esbarrar com pessoas indesejadas.
A Fê e a Mah eu nem teria palavras pra descrever. Porque realmente sair comigo de balada é um tanto quanto uma prova de amizade, já que não posso ir pra pista dançar, nem fico peranbulando a balada toda e ainda preciso de ajuda pra beber, comer, deitar, sentar…Então realmente sair comigo pra essas baladinhas não é a coisa mais legal do mundo. Mas eu tbm sei que quando se tem amor, amizade, o que importa é o prazer da companhia, de estar tudo junto trocando energia e muito amor!
Ainda pra completar encontrei a Bianca, uma amiga que conheço há mais ou menos 14 anos, e estava há uns 5 ou 6 anos sem vê-la. Eu jamais esperaria encontrar com ela…Tava toda destraida rindo, quando vem alguem logo me dando um abraço forte, quando vi era ela uma fofissima, minha bonequinha de sempre. Mas pela música alta, foi o suficiente pra trocar telefone, saber que ela ta fazendo farmácia, contei de mim no Jornalismo e sabermos das nossas familias, aí ela logo foi lá dançar. Animadissima como ela sempre foi. A primeira vista, ela não mudou nada, continua aquela de sempre, mais evoluida obvio…
Enfim, meu sábado foi perfeitissimo. Tudo que eu realmente estava precisando após uma semana meio stress…E eu me identifiquei demais com a música “Na Moral”, incrivel como descreve exatamente como estou vivendo, entre a folia e o caos…

PUTA QUE PARIU, isso me irrita!

sexta-feira, novembro 25th, 2005

Descobri uma novidade, eu fico rouca quando estou muito nervosa. A voz sai completamente desafinada, começo a suar e se eu continuar acabo sem voz e com uma dor de garganta daquelas. É incrível a situação que eu fico, e foi meu pai quem reparou e, sempre que ele está por perto é o primeiro a me mandar abaixar a voz e conversar com calma, respirando direito, isso da respiração também é foda quando me exalto.
E se tem algo na vida que me faz virar bicho é o rancor misturado com covardia e teimosia. Aquelas pessoas que se ferem com as pequenas coisas e, ao invés de ir e resolver o assunto face a face, prefere calar. E me perdoe, 89% das pessoas que optam por calar são aquelas que possuem rancor, que ficam remoendo o assunto, pensando milhões de coisas, transformando algo que poderia ser facilmente resolvido com uma conversa adulta, em uma bola de neve maior que sei lá o que.
Antes eu me irritava mais, já sofri, já chorei, já me stressei demais por pessoas que preferem ficar em silencio e tirando suas próprias conclusões (muitas vezes erradas) e ainda fazer com que o outro lado também acabe pensando o que bem entende. Mas hoje eu não ligo mais pra isso, prefiro pensar que essas pessoas estão fazendo mal pra ela mesma, porque por mais que se diga que não está nem aí, o assunto quando não é esclarecido ele pode demorar semanas, meses e anos para ser digerido. O que pra mim é uma dó, várias relações, situações que são acabadas por essa tal covardia de conversar.
Pior de tudo ainda pra mim, é aquelas pessoas que só conseguem conversar com outra que não esteja envolvida. Bem assim, pega uma pessoa que na cabeça dela tem certeza que depois vai lá fofocar, e começa a desabafar contando tudo que pensa sobre a outra. Fala tudo que quer e que não quer, crente que o recado será dado imediatamente. E o mais triste é que isso é mais comum que peidar na água pra fazer bolinha. Como me irrita Deus do céu!!!
Eu já vi isso em diversas situações, já comentaram coisas de mim pra pessoas pessoas ligadas a mim, pra ver se chegava em mim de alguma forma, uma espécie de recado indireto sabe?! E já tentaram me usar de aviãozinho diversas vezes, já deve ter até funcionado na época que eu era novinha…Mas hoje meu bem, eu não repasso nada que ouço, pode morrer mico. E antes de conversar com pessoas ligadas a mim, pra me dizer algo, pense duas ou três vezes antes.
Hoje em dia eu adquiri uma filosofia de vida, que ninguém pode ser forte o bastante por tirar minha felicidade por 5 minutos no máximo. O tempo de eu chorar, tentar resolver e então apertar o foda-se. Se alguém fizer algo que me incomode, pode ter certeza que vai ouvir da minha boca. Detesto mandar recado por “pombos-correios”, vou e falo na lata. Só assim pra ser ouvida, ouvir (se possivel) e então resolver o que tiver que ser. Do mesmo modo sou para as coisas boas também, se eu tiver vontade de chegar nacara de uma amiga e dizer de verdade, que eu amo, eu vou falar sim. Falo pra minhas estrelinhas, algumas da faculdade, entre outros (pros amigos machos também!), da mesma forma que sempre declarei minhas paixões, e tudo mais.
Não adianta, eu não consigo compreender o porque de tanta dificuldade de se sentar e conversar algum assunto. Seja este assunto bom ou ruim. Afinal seja lá Deus ou quem for que nos criou, nos fez capazes de se comunicar (ainda mais no BR com um vocabulario tão grande) pra uns preferirem calar, outros falarem por tras e assim por diante.
Tá decretada aqui a minha revolta com tudo isso. Com todas essas pessoas adeptas do silencio, do monossilabismo (nuss isso nem existe!) e o povo que prefere cozinhar o ódio em banho-maria!!!
Só uma coisinha básica e com ar de ironia…Não precisa ser tão escrache como eu sou algumas vezes (eu tbm sei ser calma e sutil), mas eu ainda prefiro até aqueles que falam baixinho, com segurança, mas falam.

Momento revolta pra ver se escrevendo aqui, consigo acalmar os animos!

Implicante!

quinta-feira, novembro 24th, 2005

Nem todos os dias somos obrigados a acordar descansados, com um sorriso no rosto e a paciência do tamanho do mundo.
Hoje eu acordei com sono, eu tô chata e achando as pessoas que mais amo um bando de gente chata. Hoje eu não quero responder perguntas, não quero aturar tudo aquilo que acho bobagem e mesmo assim tento tratar com respeito geralmente. Estou levando tudo por mal, achando tudo errado e me incomodando com quem fala muito e achando idiota quem fala de menos.
Não adianta, hoje qualquer atitude ou falta dela irá me irritar. Estou irritada, estou com sono e tô cansada de tudo. Cansada de gente mesquinha, gente rancorosa, preguiçosa e daquelas que querem abraçar o mundo. Cansei da falta de assunto, dos assuntos banais e hoje pra mim tudo está muito banal.
E nem venha me perguntar o que eu gostaria pra me acalmar. Eu quero exatamente isso. Eu gostaria que algo pudesse me acalmar. Xingar, bater, correr, dormir e mandar um tomar no cú bem grande!!
Que culpa tenho eu de ser mulher?! Se eu não tenho culpa, hoje pra mim todo mundo é culpado. Culpado pela minha dor de cabeça, dor na perna, na barriga, nos olhos e no coração. Hoje eu tô pronta pra briga, pra vomitar e pra dizer boas verdades a quem quiser ouvir!

Tchau!

Os 10+!

quarta-feira, novembro 23rd, 2005

Em uma dessas conversas inuteis com meu amigo inutil, como de costume, entramos no assunto dos famosos. Temos aquelas pessoas da TV que se encaixam perfeitamente em nosso sonho de consumo.
Por essas e outras que resolvi fazer esse post meio inútil mas até divertido de certa forma, e expor aqui os meus dez mais. Frisando minha preferencia nos homens brasileiros.

1º – John Stamos – Único da lista que não reside no mesmo país que eu, mas é sem dúvida o meu preferido. Olhar, sorriso, boca, moreno e principalmente não estar envolvido constantemente nas fofocas da mídia. John é muito sexy na minha opinião, além de tudo atacou como cantor em Full House, com músicas lindas. Quem dera eu namorar o Tio Jesse.

2º – Daniel de Oliveira – Sempre escolho pelos mesmos motivos. Olhos, sorriso e boca. No caso do Dani podemos considerar sua naturalidade Belo Horizontina e seu cabelo cacheado que dá muita vontade de passar a mão. Além disso, como se não bastasse, ele montou uma banda (Pedras pra Moer) o que o faz merecer o segundo lugar da lista com gostinho de 1º!

3º – Marcus Menna – Simplesmente por ser um cara que dizia tudo que eu gostava de ouvir. Podia ser nas músicas, no palco ou em uma conversa informal no camarim. Homem perfeito. Homenageou a mulher, a filha e reconhecia com muito amor o carinho dos fãs. Adoro cara assim, com conteúdo.

4º – Marcelo Faria – Esse é um amor muito antigo. Talvez o meu primeiro amor no meio artistico. Gosto dele sem muitas explicações. Um cara meio jogadão, lindo e que não acho muito hipocrita. Trata as pessoas de igual pra igual.

5º – Milton Guedes – Por tudo! É um cara ligado a tudo que mais amo nesse mundo; Música, Sorrisos, Rio de Janeiro e o bem! Não dá pra explicar a situação que fico quando esse cara tá no palco….Deu pra sacar né?

6º – Gabriel O Pensador – É o tipo de homem que me conquista pela inteligencia. Ele é bem lindo e corresponde todo o meu critério de beleza física (olhos, sorriso, cabelo e barba). Mas eu gosto muito de cara que tenha assunto pra conversar, que saiba debater. E o Gabriel é com certeza um dos melhores neste quisito.

7º – Junior Lima – Acho ele lindo sem muitas explicações. Tenho consciencia que o cara é horrível. Mas rola uma especie de tesão mesmo sabe?! Atração fatal. Além de tudo é um cara musical e com bastante senso de humor, o que conta bastante pra mim.

8º – Henri Casteli – Talvez pela semelhança física com o Marcus Menna. Mas acho ele uma versão mais perfeito. É realmente de todos da minha lista, o cara que podemos considerar bonito. Pena que ao invés de casar com a Izabela Freitas ele vai casar com a Isabelle Fontana….

9º – Nando Reis – Apesar da idade avançada é um cara que me atrai. A beleza física não é assim de se jogar fora, mas o que me agrada é o conjunto da obra. Um cara interessante de se estar por perto.

10º – Cristiano Cocrahne – Um cara interessante. Aparenta ser muito inteligente e saber compreender as mulheres, um verdadeiro metrosexual. Além de tudo, casando com ele teria uma sogra-professora fantástica!

O interessante dessa história, é que eu conheço pessoalmente o 3º, 4º, 5º, 6º, 7º e o 9º …Então posso dizer que a margem de erro dessa lista é minima!! hauhauha…
Pois é, o cúmulo da perda de tempo. Mas em meio essa semana cheia de emoções, é bom descontrair em um momento vago!!

Entããão

quarta-feira, novembro 23rd, 2005

Nem sempre somos o que parecemos ser, e isso não está necessariamente ligado a falsidade. Somos adaptados ao mundo e as pessoas, e só somos nós mesmos quando deitamos a cabeça no travesseiro e ficamos pensando até a hora do sono chegar. Nesse momento sorrimos baixinho, choramos e não temos vergonha nem medo de ser e pensar o que realmente queremos. Eu sou assim, e a diferença, é que escrevo, confesso essa minha dupla personalidade.
Tenho vários tipos de amigos, os intelectuais (prefiro chamar de nerd), os loucos, os depravados, os santos, vários tipos deles. E preciso estar sempre me encaixando a cada um, sem perder o meu verdadeiro eu, afinal de contas cada um deles tem uma partizinha de mim, uma coisa em comum, senão nem seriamos amigos. Mas quando chego em casa, sou eu. Eu e meu travesseiro, eu e meus medos preconceitos, amores, certezas, dúvidas, tristezas e alegrias.
Temos todos um segredo maior, que nem o nosso ursinho de estimação sabe. Algo secreto que temos até medo de pensar, desse pensamento sair muito alto e alguém acabar escutando. E isso é muito legal, interessante até, se parar pra analisar.
Mas tudo isso que digo, vem por um propósito maior que um simples análise. O fato é que tenho medo. Eu tenho muitos medos. Mais medos ainda do que as vezes aparento ter. E um deles é de ser feliz. E eu estou com uma felicidade assustadora, qual eu não sentia a muito tempo.
Não venho ser melancólica querendo insinuar que sou uma pessoa triste, mas durante algum tempo minha felicidade precisava de motivos, de motivações e na maioria das vezes essa felicidade dependia unica e exclusivamente de uma pessoa. É triste isso, mas os pequenos gestos (muitas vezes involuntarios) dessa pessoa era capaz de transformar meu dia pra muito bom, ou muito ruim.
Hoje esta pessoa ainda é de muita importancia pra mim, e pequenas atitudes podem realmente me agradar facilmente (isso de certa forma é ruim, I know!). Mas hoje eu posso dizer que estou feliz por nada, apesar de muitas coisas acontecendo ao meu redor, eu comemoro o tempão que não faço textinhos melancólicos nem sequer romanticos.
Tudo bem, poderiamos dizer que isso é resultado da correria da faculdade. Pense como quiser! Eu sei que não, eu tenho contabilizado este estado de espirito tanto quanto um drogado calcula o tempo sem usar drogas. Dia por dia, hora por hora. E só eu sei o quanto isso representa pra mim.
Sou assim mesmo, demonstro no olhar, na voz, nos textos, o que se passa em meu coração, e hoje eu digo: Ele tá bem, muito obrigada!

Só pra constar.

Satisfeita!

terça-feira, novembro 22nd, 2005

Tem sempre aquele ano, aquele mês, aquela semana e aquele dia em que parece que tudo conspira contra nós. A famosa lei de murphy vem com tudo e arrasa tudo que vê pela frente. Essas horas dá aquela vontade de mandar tudo pro alto e viver a vida de vagabundo, pelo menos vc fica na merda sem stressar. Então chega a mamãe com suas suas sábias palavras “Desistir é o mais fácil, e mais prático”, e na hora da raiva, mesmo sabendo que mamãe tem razão, costumo responder “tá bom, eu sou prática e desisto logo!”. Uma cena comum na minha vida, mas é obvio que com a base familiar que tenho acaba tudo dando certo no final. E se não dá, resta partir pra outra e ser feliz do mesmo jeito e seguindo mais uma das palavras da mamãe “nada melhor que dormir sabendo que vc fez a sua parte!”, pode crer!!!
Tudo isso tem me ajudado pra caramba com a faculdade. Tenho um genio meio complicado, gosto de tudo certinho, horas tô nem aí. Do mesmo modo que as vezes sou batalhadora, e horas quero tudo mastigado na minha mão. Por esse motivo tanto stress com o assunto TCC, que no final das contas ñ farei um tema que gosto, mas a ferramenta será TV e isso eu realmente amo muito. Mas ñ é de TCC que eu vim dizer nesse post.
Pra essa segunda-feira tinhamos um debate de Rádio pra fazer ao vivo. Era a prova do bimestre. Tinha que encontrar dois entrevistados de idéias contrarias, um de nós sermos o mediador e fazer um programa de debate no studio de rádio para a professora assistir. Parece fácil, mas é foda encontrar pessoas disponiveis em pleno final de ano, que aceite fazer um debate as 21h por pura boa vontade.
Passamos semanas tentando encontrando pessoas, mudando temas e ontem, o dia da entrega, não tinhamos nada nem ninguém, a não ser a certeza que teriamos 0 de nota e um exame pra fazer em dezembro. Além disso, tinhamos que editar a matéria de TV pra entregar na terça. Resultado de tudo isso foi o stress, inconformação, e a união. A união foi o que salvou realmente o grupo.
De última hora bateu uma idéia, aproveitou-se os professores que tinham acabado de sair da banca de TCC e em 40 minutos produzimos tudo para um debate sobre o diploma de Jornalista. 21h fomos eu e Cláudia editar a matéria de TV, enquanto Carla e Marcelo foram para o studio de rádio fazer o debate. Minha mãe entrou na dança e ficava entre Rádio e Edição ajudando o que fosse necessário.
O debate, segundo Carla, Marcelo e minha mãe, foi um sucesso e a professora não poupou elogios em conseguirmos tudo tão bom em apenas 40 minutos. Sairam todos (inclusive a professora) rindo do studio de rádio. E eu e a Cláudia fomos embora da faculdade por volta das 23h15, com a faculdade toda apagada, mas com a matéria toda editadinha, pronta para ser entregue.
O que no começo era sobrancelhas franzidas, stress, se transformou em sorrisos e brincadeiras. E o melhor de tudo, a sensação de dever cumprindo e aquele tesão pelo jornalismo, que eu não sentia a muito tempo.
Pra completar, a revista sobre o Sindicato dos Ambulantes e Premissionários que fizemos pra nota foi elogiada pelo presidente do sindicato e ao que tudo indica a idéia será comprada!!! Ou seja, a meta foi alcançada.

A semana trash ainda continua, mas posso afirmar que estou com energia renovada o bastante pra não deixar a peteca cair até sexta-feira (25)!! Provas, trabalhos, livros, filmes, me esperam nesse curto espaço de tempo. E eu ainda arranjo tempo pra cagar e depois sentar aqui pra desabafar!!!