Archive for abril, 2006

Feriado pouco é bobagem!

terça-feira, abril 25th, 2006

Eu já tinha feito outro post, mas resolvi que não deveria posta-lo e então resolvi agora fazer um com mais calma, menos mal-estar e mais contente pra postar.
As coisas estão indo muito bem, e inclusive notei que não consigo, nem que eu queira, voltar a fazer aqueles textos tristes e doloridos como antes. Acho mesmo que tudo que vivia sufocado já foi dito, e hoje não passo horas do meu dia “ensaiando” conversas que eu gostaria de ter, nem mesmo escrevendo textos na minha mente com coisas que transbordavam de mim.
Sinto que hoje é tudo novo, um recomeço, como se fosse uma segunda chance pra fazer as coisas certas, e eu acredito de verdade que dessa vez eu tomei jeito e estou sabendo exatamente como devo seguir. Hoje tudo que ouvi faz um sentido muito foda, hoje sim eu compreendo as coisas melhor.
Enfim… Eu sempre com essas análises de inicio, mas é bacana pra caramba você olhar e ver que tudo na vida não foi em vão, houve um aprendizado e um crescimento com o que foi vivido.
Mas então, mais um feriado e assim a gente vai se acostumando com as farras e acaba que de maio em diante as coisas começam apertar de vez. A saudade vai crescer sem previsão de uma nova visita, a faculdade começa fechar o cerco e aquele frio na barriga começa ficar cada vez mais sufocante.
Apesar do stress do trabalho de rádio, do meu Orientador de TCC que não dá as caras e dessas coisas tristes que tem acontecido no meu dia-dia como machucados piorando, remédio ruim pra ser tomado e causando além de uma dor de estomago fudida, ainda uma leve baixa na auto-estima. E mesmo assim eu digo que meus feriados têm sido sensacionais!
Na quinta-feira eu abandonei tudo e fui com a Mah no shopping, nós passeamos, comemos, conversamos um bucado e ainda assistimos um desenho (“Selvagens”). Depois ela dormiu aqui e nós ficamos entre net e conversa.
Daí na sexta-feira tava tudo já meio esquematizado pra vir umas 5 ou 6 pessoas aqui conversar, beber e fazer surpresa pra Mayra, já que estava pertinho do aniversário dela. Mas enquanto o povo não chegava e eu e a Fê ficávamos engabelando ela, nós ficamos no quarto ouvindo Jammil e fuçando na internet.
Logo o povo chegou, nós fizemos a famosa Kriptonita (Vodka+Suco de carambola+Suco de morango+soda) e acabamos com uma garrafa de vodka inteira. Bom, eu não gosto muito de bebida e dói meu estomago e sou toda chata mesmo, mas até que dei uns golinhos só pra ficar alegrinha mesmo.
Aí que a Fê já tava dando showzinho dela pra caralho, quando do nada a Mah começa a chorar e a abraçar todo mundo e dizer que ama e tudo mais. Ela me agarrou e chorava igual louca dizendo que me amava, pra eu não ir embora e não abandona-la. Foi cômico e assustador, pois nunca eu vi a Mah nesse estado. Teve até uma hora que ela falou na frente do Cauê que não o amava, pois nunca conversava com ele direito.
Pra mim o foda foi ela entregando a amiga pro namorado (da amiga) e eu juro que essa hora agradeci por não estar correndo risco, já que não tinha nenhum rabo preso meu na “festa”. Foi engraçadão ela dizendo pro menino não magoar a amiga e que a amiga tava muito apaixonada por ele.
Sei que toda essa farra foi como um flash, pois meia noite, depois da bebedeira geral caiu no sono, menos a sóbria aqui, que acabou ficando na internet lendo alguns textos.
No sábado nem rolou nada durante o dia a não ser uma preguicinha, uma mãe muito carinhosa e a ressaca braba da galera. E a noite fui até o aniversário da namorada do meu tio, lá fiquei vendo DVD, e voltei pra casa e logo dormi. Apesar de mortinho, o sábado foi bom pra um descanso, e recarregar as energias!
Domingo foi uma delícia, às 14h30 a Fé Lobato, a Marcela, a Tia Dair e o Juan vieram pra cá. Ficamos conversando bastante, colocamos papos em dia, fizemos planos, e aí fomos Fê Lobato, Marcela, Juan, Cauê e eu pra casa da Fabi visitar a Luarinha linda.
Lá foi uma delicia, eu estava com pessoas muito especiais, a Fê e a Marcela são primas que amo muito, e meu irmão e a Luara nem se fala né?! Sei que brincamos, rimos, a Luara andou na minha cadeira, dançou, sorriu, beijou, fez de tudo e mais um pouco.
Depois de lá nós demos uma carona pra minhas primas e voltamos pra casa. Quando cheguei tava Fê (SR), Bronx e Bila me esperando. Muito bom!!! Nós conversamos, rimos, brincamos, escutamos música e umas 22h eles foram embora =/ …
Daí foi que eu comecei a me sentir meio indisposta e fui dormir logo. E então acordei cedo pra estudar pra três provas que eu tinha, mas sabe Deus como, pois passei bastante mal, ainda pra ajudar eu tomei o antiinflamatório que puta que pariu, muito ruim mesmo!!
Passei o dia meio xôxa e sem dar muita trela pra ninguém, e até as pessoinhas especiais que ainda consegui dialogar um pouco, eu tava sei lá, me sentindo sem papo, sem assunto, chata e véia pra cacete!
E mesmo com tudo isso, fiz as três provas da faculdade (quase vomitando), e depois fui na Mah, já que foi niver dela nesse dia 24 de abril.
Lá foi muito bom, comi muito salgadinho, pãozinho, coca-cola e voltei bem melhor do que eu estava. Pelo menos o humor eu sei que melhorou muito.

No mundo sempre existirão pessoas que vão me amar pelo que sou, outras que vão me odiar pelo que sou…Sabendo disso, vivo livre. Falo o que penso…faço o que tenho vontade…O importante é agradar a mim!Eu tenho de estar feliz comigo e para isso não posso fazer nada pensando em agradar outra pessoa senão eu mesma……”

Preguiça de tudo, menos de ser feliz!

segunda-feira, abril 17th, 2006

Eu tenho escutado frases diferentes ultimamente. No meio de tanta coisa repetitiva, eu reparei em duas expressões que, por uma ignorância minha talvez, nunca tinha escutado aí gostei.
Uma delas é a expressão “estou com preguiça”, sei que vão dizer que isso é velho, mas da forma que foi colocado me interessou, principalmente por descrever meu estado atual, como eu descrevi no post de titulo “As minhas últimas atuais”. O “estou com preguiça” pode ser completado com muitas coisas além da frase comumente usada, que logo você imagina a pessoa jogadona na cama com aquela preguiça de levantar e tudo mais.

Nesse caso, eu estou com preguiça de algumas coisas:

• Me preocupar com o que não tem solução
• Pensar além do hoje
• De sentir saudades
• Provar alguma coisa
• Pessoas chatas
• Ser politicamente correta

Enfim, e muitas outras coisas que nem valeria ficar enumerando. O fato é que eu estou com preguiça de ficar pensando no que os outros acham ou deixam de achar das coisas. Preguiça de engolir sapo pra ser educada ou pra estar politicamente correta. Ah! Eu to em uma busca insana da minha felicidade diária, e da mesma forma que não pretendo pisotear ninguém, eu não estou mais pra servir de tapete. Quero estar com quem me faz realmente bem, sem pensar se isso é certo ou errado, quero perto de mim quem ta no mesmo clima que eu, quem segue o mesmo caminho e na mesma marcha. Se bobear fica pra trás e eu sigo em frente. A verdade é que cansei de ficar no ponto esperando tartaruga e de beber vodka com qualquer fruta pra ajudar engolir os sapos.
Agora eu estou no comando, quem tiver sorriso fácil, coragem, saúde, sorte e amor no coração, pode vir que sempre cabe mais um na garupa.
Baseada em toda essa minha nova forma de ver a vida e nas coisas chatas que vem acontecendo, que eu realmente estou com preguiça de me stressar e de ficar triste, resolvi correr atrás das coisas, ir onde está o movimento, o sorriso, a boa companhia, enfim…
Sabendo que o feriado seria longo (e se eu permitisse difícil e triste), já tratei de fazer meus contatos, bater o pé e ir à luta de um bom programa, ou algum programa que fosse. Na quinta-feira fui curtir com a Fê e o Bronx o filme “A Era do Gelo 2”, achei legal, dei boas risadas apesar do primeiro sempre ser melhor, e curti muito a companhia do casal. Só de estar perto, de olhar nos olhos, de dar risada junto, já foi pra mim o suficiente.
Sexta-feira a galera (Fê, Vivi, Mah e Bronx) veio pra cá assistir DVD, “Guerra dos Mundos”, mas eles assistiram tudo e eu dormi o tempo inteiro, não posso nem dizer o que se trata, mas sei que tem o Tom Cruise, só. Depois mamãe fez bolinha de queijo e nós ficamos lá comendo bolinha e bebendo coca-cola, no meu caso e da Vivi bebemos suco de caju =P. Nesse dia a Mah dormiu aqui e tivemos uma longa e sincera conversa; bom demais.
Ainda não parando, no sábado eu recebi a Gabi, o Daniel, Maya, Gilbert, Tio Sid, Tia Marga e Tia Beth. Foi uma delicia; uma bagunça que só. Eu tava realmente com saudades do Daniel, que eu não via nem lembro desde quando.
Depois de todo mundo ir embora fui ao Santa Aldeia, uma balada no Guarujá, com Vivi, Mah, Ju e o Dassler. Fomos na faixa (grátis) já que era show do Jeito Moleque e a Fê (PL) colocou meu nome e do pessoal na lista. Muito bom o lugar, sem escada, sem nada que eu não pudesse andar, a não ser a multidão. E o show e tratamento dos meninos, da “Família JM” foi realmente muito perfeito, ser mimada assim às vezes é bom pra caramba. Ainda encontrei duas gatas que adoro demais, a Brunilda, e a Dani Matsuda…Delícia total!!!
Eu não sou uma freqüentadora assídua de balada, caio nessas por acidente quando tem algum show que realmente me interessa, então no caso aproveito pra curtir o lugar, o agito e dar aquela liberada nos ânimos. Contudo, não posso deixar de reparar e me surpreender com certas coisas que vejo nesses lugares, acho que minha convivência com amigos críticos e leitura extensa em blogs têm aflorado ainda mais o meu senso critico quanto ao que vejo por ai. Me deprime de verdade o quanto de “crianças” estão freqüentando baladas, bebendo, fumando e se amassando, com a idade que eu me divertia com minhas amigas e primas brincando de boneca. A vulgaridade feminina é realmente algo que me deixa bem triste. E se eu for fazer uma critica geral do que vi e não achei nada bacana, eu faria um post extenso (mais ainda que já está) e passaria a imagem de chata e mal-humorada, que eu não sou, são só pensamentos, opiniões. Mas ah, como eu já disse antes, estou com preguiça de achar e opinar qualquer coisa.
No domingo de Páscoa foi bem gostoso, veio toda a galera da família pra cá (ao todo 16 pessoas contando comigo e com a Cindy) e fizemos um churrasco adaptado lá na frente, já que a chuva resolveu cair com vontade o dia inteiro (e continua caindo). Foi muito bom, e eu realmente adoro dias assim com a família todinha reunida; só faltou a minha irmã, que acabou passando o feriado por lá mesmo.

Agora vem a segunda-feira, tudo de novo novamente! Ainda bem que só até quinta-feira, e lá vem outro feriado. Eita abril danado de bom!

Minhas últimas atuais!

segunda-feira, abril 10th, 2006

Estou em uma fase da vida muito interessante, não ando inspirada para análises. Falta de paciência para aqueles textos intensos e com tanto sentimento. Se fossem torcidos derramariam sangue ou no mínimo lágrimas.
Hoje não quero complicações nem problemas mal resolvidos. Se tenho que dizer eu digo, e se já disse então ta dito e não precisa ser repetido. Não sou vitrola nem maquina de lavar pra repetir mil vezes a mesma coisa nem pra lavar a mesma roupa suja inúmeras vezes. É o preto no branco, e o que começo eu termino. Se terminei, ta terminado e acabou.
Nem sei quanto tempo essa fase vai demorar e se ainda vou voltar a ter minhas crises, mas enquanto estou assim eu vou vivendo um dia de cada vez e cada minuto, cada hora pra mim é lucro, é um presente, uma vitória. Enquanto rola isso eu vou a luta, vou fazendo acontecer e adiantando o que der pra adiantar na minha vida.
Por isso, sinto muito se você veio atrás de textos bonitos, teorias profundas e juras de amor eterno. Eu continuo amando intensamente, eu penso (quando dá tempo) na minha vida e continuo tenho minhas convicções, minhas teorias. Mas hoje eu realmente não tenho tempo, paciência e nem vontade pra fazer ninguém pensar como eu, nem pra tentar mostrar ao mundo quem eu sou. Eu sou a mesma, e quem eu quero que me conheça já conhece bem, e eu sei por onde fazer isso só para os que me interessam.
Ando realista demais e muito bem focada nas coisas que quero pra mim e nos meus objetivos para o futuro próximo. A dedicação pelos estudos continua intensa e ao mesmo tempo não abro mão da minha diversão. Levando em conta que muitas tarefas de faculdade me remedem uma felicidade gigante, eu tenho conciliado muito bem tudo isso. Mas nada que me faça abrir mão de um Na Mata, uma tarde de Vídeo Game com as pessoas que eu amo, o sorriso e o beijo de língua da Luara, nem mesmo uma peça teatral com Eduardo Moscovis.
Paralelamente a isso, essa minha fase realista e centrada tem me feito muito feliz. Parei de me apegar nas pequenas coisas e passei a objetivar as situações. Não sou mais criança pequena e preciso de uma vez por todas aprender que as coisas nunca são fáceis, as feiras com entrada franca são lotadas, minha mãe tem direito a cervejinha como lazer, as pessoas vão me regular nos lugares, as pessoas não pensam como eu, o meu pai é homem, eu não sei onde tem quem goste de sarau em Santos, A Fabi acabou, alguns lugares do mapa são bem longes de Santos o que consequentemente dificulta a minha ida, e principalmente que nem todo problema tem solução imediata. Mas agradeço porque sempre tenho alguém por perto pra me fazer sorrir, meu sonho está se realizando, minha família é maravilhosa, meus amigos são lindos, o amor, a confiança, a música e o carinho existem.
Enfim, do último post pra cá nem houve grandes novidades apesar dos dias estarem sempre gostosos e empolgantes. Quando as coisas vão bem, tudo fica mais prazeroso mesmo, e as coisas ruins tornam-se no final das contas insignificativas. Mas eu poderia resumir em semanas legais com muitas risadas na faculdade e momentos “bebedeiras”, que na verdade nós bebemos todinho (ou coca-cola), comemos algo e no final parece que o povo bebeu, é um ouvindo errado o outro esquecendo o que disse e a gente não esquece mesmo é de dar risada.
Na última quarta-feira (05/abril) eu fui com a Cláudia no Na Mata curtir SoulFunk e comemorar o aniversário dela. Nem preciso dizer que foi uma delicia! Além de música, a banda que eu curto, ainda tive uma conversa gostosa e fui a primeira a dar parabéns pra ela. Quinta-feira e sexta-feira foram normais, considerando que teve prova e pronto.
Sábado já foi mais corrido, acordei as 7h e quando foi 8h já estava indo rumo ao posto por gasolina e depois fomos buscar o Serginho (que é um cadeirante do 3º ano de Jorn) e a mãe dele, depois pegamos a Cláudia e fomos para a feira do deficiente em São Paulo. Muito boa essa feira, só mostrou o quanto a minha situação é precária e o quanto é necessário lutar pra conseguir comprar algumas coisas de lá. Foi muito bom por causa do conhecimento, o Serginho comprou uma cadeira nova e ainda fiz imagens para talvez usar no TCC.
Ah!!! Lá eu comprei um broche lindo do símbolo de cadeirante e ainda comi algodão doce! Só sei que ficamos lá das 11h até 18h e aí eu dei um piti e nós então fomos embora, eu não agüentava mais tanta gente e tanto trombar com cadeiras ou atropelar cegos. Parece cômico, mas chegou uma hora que stressou.
De lá a gente foi rumo ao Teatro Procópio Ferreira e no teatro mesmo a gente se trocou, se maquiou, comemos e ficamos das 20h (hora que ficamos prontas, porque na verdade chegamos ao Teatro 19h) até às 21h esperando o Eduardo Moscovis chegar. Dai estávamos no Hall e o Eduardo Moscovis chegou, veio falar com a gente rapidinho, conversou um pouco e logo entrou….Dai ele chamou a Cláudia e disse pra escolher o melhor lugar pra eu ficar, fosse onde fosse o lugar seria meu…. Ela escolheu e tal, dai tava eu, minha amiga, o Serginho e a mãe do Serginho e aí o Eduardo Moscovis separou 5 lugares pra nós nos acomodarmos da melhor forma….Aí ele disse pra entrar 10 minutos antes e quando acabasse avisou os caras do teatro para esvaziar a sala o quanto antes, trancar tudo, porque ele queria conversar só com nós quatro.
Dae mal acabou a peça e eu já vi ele olhando se já tava vazio pra ele poder vir sabe? Dai as mulheres expulsaram geral, trancaram tudo e então ele veio… Ficou perguntando se gostei, o que é que eu achei…Começou bater papo sabe. Discutiu do temporal que tava dando… Nossa muito amigo….Aê pedi foto, ele começou a zoar minha cara e tal dizendo que eu já tava abusando sabe…..Dai chegou pra mulher e disse “ascende as luzes aqui por favor, pra tirar foto…”, dai como mágica, o teatro ascendeu todo…Tiramos fotos e tal…Ele deu um beijo na bochecha que caralho!!!
Eu nem era fã sabe…. Fui porque simpatizo com ele, e porque minha amiga AMA ele, AMA muito…todas as senhas dela e tudo tem a ver com ele….Dai como ela fez aniversario, teve essa peça e a gente já tava em SP, fomos lá pra ela tentar conhece-lo. E ele foi mesmo um FOFO que eu até fiquei fã. Virei concorrente…
Teve uma hora que a Cláudia foi me mostrar a foto, mas ela tava tão assim que ela mostrou alto, ai ele “abaixa pra ela ver né?”. Perfeito, saí feliz de lá!!
Foi uma pena que saindo do Teatro, no final de tudo, já tinha dado certo, dei piti… Briguei com meus pais. Eu stressei porque meu pai num me ajudou numa calçada quebrada, dai machuquei a perna. No fundo eu acho que era mesmo é sono e cansaço. Mas logo deu tudo certinho denovo!!! Tudo perfeito!!

Acho que são essas as minhas últimas atuais!