Archive for julho, 2007

Quem tiver dúvida levanta a mão: o/

segunda-feira, julho 30th, 2007

Hoje eu acordei com vontade de te ver de qualquer jeito. Eu preciso por pelo menos um minuto olhar bem fundo de teus olhos e tentar ver se acho tudo aquilo que se perdeu. Quero encontrar a cumplicidade, o carinho, os sorrisos e toda verdade. A sua verdade. A minha está aqui, escancarada na testa, mesmo nos momentos em que preciso esconder pra continuar em frente. Eu preciso, urgentemente de uma explicação.

Tinta de impressora.

quinta-feira, julho 26th, 2007

A pior coisa do mundo é quando alguém te interompe. Seja o que for, a raiva é suficiente pra ter a vontade de dar um soco na cara do desgraçado.

Vai dizer que não dá um ódio danado quando você está prestes a espirrar e vem alguém e atrapalha? E quando está finalmente rolando aquele clima com a pessoa que você tá afim faz um tempo e vem alguém e corta o clima de vocês sem dó. Tudo. O cocô parado na metade, o arroto, a conversa, o sonho, um programa de tv, tudo que for interrompido é motivo pra bastante irritação.

Depois de meses sem ter uma inspiração, eis que surge uma frase seguida de várias outras na minha mente. Era o momento de vomitar todo aquele zum zum zum que tem me deixado absorta grande parte do tempo. Minha necessidade de escrever é quase que vital, e quando as coisas começam a ter contexto, surge o papai falando de tinta de impressora!

Vai ver que foi um aviso pra manter interno todos esses pensamentos soltos.” Melhor pensar assim, do que mandar o papai enfiar as tintas da impressora no meio do cú dele.

No dia do amigo quem ganha sou eu

sexta-feira, julho 20th, 2007

Seria clichê dizer que eu tenho os amigos mais perfeitos do mundo?

Então conheça a FERNANDA ROCHA e veja o jeito espontâneo dela, o bom coração que essa mulher com jeito de moleca tem quando ela chora vendo um paciente mais desfavorecido, a capacidade dela de ajudar de um jeito que nem parece estar ajudando. Veja também o brilho dos olhos dela e tente não se contagiar, impossível.
Se ser amigo é ajudar, é fazer bagunça contigo naquele dia que tudo parece um lixo, é ficar amigo dos teus amigos e inimigo daqueles que mal te querem, posso dizer que essa daí passou de ano com louvor; 10 em tudo. A Fernanda é assim, amiga há dez anos e capaz de iluminar os meus dias mais chuvosos.

Se quiser, pode conhecer também a VIVIANE CESCHIM e verás alguém que entra na sua vida pra te colocar no eixo. Pra te dar bronca igual mãe quando você não vai ao dentista, pra te negar cola na escola e dizer que você tem que estudar, pra te dar comida na boca e te fazer sentir protegido. Mas essa daí também é carente e morre de ciúmes se você não dá atenção, e ao mesmo tempo que é mãe, a Vivi também é filha e requer todo o carinho do mundo.
Se ser amigo é te tirar das enrascadas, é estar com você em qualquer lugar a qualquer hora, e te impedir de fazer cagadas, essa daí é fera; pode confiar!

Agora, se você gosta de desabafar e ouvir os melhores conselhos do mundo, então conheça o RODRIGO VETORAZZO. Ele é capaz de conversar contigo durante cinco horas direto sobre qual for o assunto, mesmo que você esteja mal e fique chorando as pitangas sobre o mesmo assunto durante um tempo interminável. E olha, ele nem sequer demonstra insatisfação, paciência é o forte desse aí.
Quando o assunto é conversa, conselhos e psicologia; ele é sem dúvidas o mais indicado.

Mas se você é do tipo dramático e precisa de alguém que te abra os olhos e faça você ser mais prático e positivo, ir a luta; esse alguém se chama LEANDRO DALARTE. Ele te dá bronca e não te dá molezinha não e nem passa a mão na tua cabeça.
Se o negócio de ser amigo é fazer você andar com as próprias pernas e ir a luta; o Dalarte já é artilheiro nisso!

Tem também a CLÁUDIA BUSTO, que é um pouco da mistura de todos que já escrevi. Ela gosta de ajudar e ñ pede nada por isso, só carinho, ela te manda ir no médico, dormir cedo e comer direitinho, é ciumenta também, te ouve mesmo que seja as lamentações mais chatas do mundo e dá conselhos ótimos, mas sabe bem a hora certa de mandar você deixar de frescura e ir a luta.
Se ser amigo é deixar sempre nítido a importância da amizade, e é saber que apesar de qualquer discussão, o que tem por dentro é o que realmente interessa; então a Srta. Peito ta com tudo.

Daí vem o CALLEBE GARCIA, que é do tipo amigo ausente (desse tipo tenho vários), mas o diferencial desse aí é que quando reaparece é uma companhia insubstituível. Sabe a frase do Teatro Mágico “nem me lembro que foi diferente” ? Essa cabe com ele. Se vc é amigo do Caco já deve saber que pode ficar quanto tempo for sem ver o Caco, que nunca se perde a certeza da amizade dele.
Ser amigo é também ser parecido, é demonstrar carinho, é virar na sua frente e dizer o quanto vc é especial; nesse quesito o Caco bate um bolão.

Se você for aquele tipo baladeiro de plantão e que só pensa em sair e dar muita risada, então precisa conhecer urgentemente a NARA ASSUNÇÃO. Com ela você não passa nenhum aperto, ela é daquelas que topa qualquer programação, dorme em qualquer lugar (até no quintal ou sentada), e conversa sobre qualquer assunto.
Se ser amigo é te jogar pra cima e ter 1001 utilidades; a Naruska é a garota bombril!

Pra aqueles de coração mole e suuper românticos o que precisa é conhecer a ERIKA VASCONCELLOS. A garota é a pessoa mais moderada de todas. Ela te ensina como ter mais orgulho próprio, como não deixar a cabeça cheia de caraminholas e te faz endurecer até demais!
Se ser amigo é te ensinar e te fazer amadurecer; indiscutivelmente a Erikitcha é mestre nisso!

Tem aqueles amigos que pelos simples fato da companhia já são o suficiente pra te trazer segurança, paz e diversão. Se você procura alguma pessoa assim, suave, sutil, irônica e que dá carinho na medida certa, então encontre um tal de FÁBIO MACHADO. Assim você terá alguém pra enriquecer os emoticons do seu MSN, alguém de frases concisas e funcionais, um sujeito ocultamente transparente e nerd pradaná!
Se ser amigo é ter maturidade o suficiente pra conversar sobre todo e qualquer assunto; o Nevitz taí pra isso.

Tem também a Carlota, Vivz, Daia, Celly, Anne, Daniela, Juliane, Bianca, Fe Lobato, enfim… Uma lista que graças a Deus é muito extensa pra eu ficar aqui falando…

No dia do amigo, quem ganha mesmo sou eu.

Roupa Suja se lava em casa

terça-feira, julho 17th, 2007

Confesso que não sou uma pessoa ligada a política, e que a verdade seja dita; eu sou uma pessoa bastante ausente nesse assunto. Sou muito mais interessada em viver o oba-oba do que me importar com os direitos de cidadã, e admito que detesto levantar bandeiras e abraçar causas. Tenho preguiça de tudo isso e sou egoísta o suficiente para deixar que alguém mais disposto que eu, o faça.

Nas eleições costumo geralmente seguir a minha intuição, que ultimamente tem sido o voto nulo para me sentir com a consciência menos pesada em colocar mais um merda no poder. Além do mais, ando bastante descrente das pessoas e tenho preguiça enorme de assistir horário político, aliás, tenho preguiça ultimamente até de saber as notícias do país.

Não considero que sou uma jornalista de merda, apesar de saber que não sou lá um bom exemplo. Mas realmente não sou uma pessoa interessada em buscar mais sarnas pra me coçar, como eu já disse; deixo nas mãos de quem tem mais espírito de luta do que eu.

Só que o post é pra chamar atenção pra uma opinião que tenho: roupa suja se lava em casa! A nossa situação não é das melhores, eu entendo isso muito bem. Temos uma política suja, temos violência, fome, injustiça e tudo mais. Mas eu acho, particularmente, que isso é um problema NOSSO.

Sou aquele tipo que eu posso ficar brava, criticar, mas não vem ninguém de fora venha falar mal que eu já emputeço. E é justamente por isso que eu fiquei indignada com o que fizeram com o nosso Presidente na abertura do Pan.

Nossos problemas devem ser resolvidos na hora certa, temos 365 dias para ir pra Brasília, pra fazer milhares de greves, passeatas, reivindicações. Mas daí passar a vergonha de vaiar o Presidente na frente do mundo ao ponto dele ser o único a não abrir o Pan? Desculpe, mas eu não concordo.

Ele pode não ser o cara mais honesto do mundo e ter várias outras milhões de críticas a fazerem do nosso Presidente. Mas pisar no cara porque ele não sabe falar, não ser nenhum diplomata, sinto muito, mas isso aí já é preconceito. E humilhar o Presidente do país em público assim só mostra que o nosso câncer já virou metástase, porque o problema não é só lá em cima (no poder) e sim em todos os cidadãos.

A galera sabe muito bem dar uma de sabichão e tacar críticas e análises sobre a abertura do pan, criticar a política, o Presidente e dizer que tudo isso é hipocrisia, que o Brasil esconde a podridão debaixo do tapete, mas não tem competência o suficiente para fazer alguma coisa melhor. Como gostam esse povo de menosprezar o que há de bom no próprio país.

Se não sabe reivindicar, então é melhor fechar a boca e se restringir a própria insignificância, do que pagar caro para ir pra festinha de abertura do Pan e ficar humilhando alguém assim. Fácil é apontar o dedo, difícil é a gente tomar uma atitude melhor do que o cara que está lá na frente, em evidencia pra tomar chumbo e ser vaiado.

Identificação

terça-feira, julho 10th, 2007

Eu tenho alguns ataques de revoltas, dos quais eu não me orgulho nem um pouco, que eu explodo e saio chutando tudo que vier pela frente sem pensar nas consequências e muitas vezes sendo completamente injusta. Eu sei das minhas falhas, elas doem em mim, e é por isso que venho tentando melhorar. Confesso que é difícil, mas acho que já posso considerar que estou evoluindo na medida do possível.

Enfim, mas ouvindo um pouco de Ana Carolina pra liberar um tanto de alguma coisa sofocante de dentro de mim; eu relembrei de uma das músicas que mais me aliviam e descarrega minha alma. Foi ouvindo direito que vi o quanto ela me descreve…

As coisas mudam
E eu espero que nada aconteça
Mas sempre acontece
Toda vez que eu perco a cabeça
Eu digo frases que parecem
Ter saído de uma novela
E de repente lá se vai a tv
Pela janela
Eu nunca te amei idiota
Eu nunca te amei
Cinzeiros voando livros rasgados
Discos quebrados no chão
Desta vez é pra sempre
Até… alguém implorar por perdão
Eu escondi seu retrato
Embaixo do meu travesseiro
Vá embora, quebre a cara
Eu queimei seu dinheiro
Eu nunca te amei idiota
Eu nunca te amei

E vale lembrar que “IDIOTA” no meu caso, nem sempre se trata de um carinha qualquer. Pode ser minha mãe, uma dona de loja, um irmão, um pai…Quem tiver o azar de cruzar meu caminho no momento do “BUM!”.

Joss Stone – Tell Me What We’re Gonna Do Now (Tradução)

segunda-feira, julho 9th, 2007

Você nao tem que tomar uma decisão
Quero ir devagar com você
Se está tudo certo
(está tudo certo, está tudo certo)
Oh, desculpe se eu fico tão tímida
Mas talvez você seja o motivo
Estou sentindo borboletas
Há algo na aparência dos seus olhos
Oh, que me faz tão bem

Quando minha mente está vazia
Você é minha alegria

Maskavo – Um Dia Mais Perfeito

sábado, julho 7th, 2007

Quanto tempo ainda, tenho que esperar
Pra te ver, pra sonhar.

E você que a tanto tempo
Não vem me visitar.
Guardo fotos suas
Na sala de estar
Pra te ver pra sonhar.

Se o Meu Ponto G Falasse – 30-06-2007

sexta-feira, julho 6th, 2007

Durante uma semana teve um festival de teatro aqui em Santos, bem pertinho da minha casa, no Teatro Municipal, o FESCETE.

Eu acabei acompanhando algumas coisas porque o pessoal que eu costumo sair estava envolvido com o festival, inclusive a Cláudia e a Letícia participaram da competição com a cena “Se meu ponto G falasse”.

Tratava-se de duas mulheres solteiras com mais ou menos uns 30 anos, que conversavam sobre sexualidades, fantasias e frustrações sexuais. Coisas que toda mulher pensa e fala, assim como os homens, mas que ainda é meio tabu e tal. Bastante interessante o texto.

Ana [Cláudia] era uma empresária bem sucedida que não tinha sorte no amor, inclusive perdeu o noivo no dia do casamento, enquanto transavam… rsrsrs…. Adorei as cenas de Ana. Muito mais picantes e complicadas, principalmente para a Cláudia que estava estreando nos palcos como atriz. Não deve ser fácil encenar uma cena contando detalhes sobre uma transa, fazendo movimentos eróticos, e nem mesmo se insinuar passando o telefone pelo corpo.

Já a Bia (Letícia) era uma dona de casa, também com suas fantasias e frustrações, porém aparentemente mais contida. Ela mostrou gostar muito de ouvir as histórias de Ana, mas sobre ela mesmo foi pouco falado. Confesso que na minha opinião, isso ficou um pouco a desejar porque seria muito interessante ouvir um pouco mais da Bia, a sexualidade dela, principalmente porque é mais difícil ouvir esse tipo de coisa de uma dona de casa, que quase sempre se assemelha a nossa mãe.

Quanto a cena no geral, eu gostei muito de tudo e acho que teve uma boa resposta do público, com muitas palmas e bastante gente dando risada. Aliás, isso é outra coisa difícil de fazer e acredito que elas conseguiram fazer bem, que é o humor.

Depois que elas me contaram as críticas dos jurados, e vc pensando e analisando mais profundamente, até dá mesmo para concordar com eles e pensar que a peça não estava muito pra estar na disputa do prêmio. Teve muita coisa ruim, na minha opinião, e inclusive vencedores que não mereciam nem de longe ganhar algum prêmio. Mas também tinha muita coisa boa e até mais interessante.

É complicado expressar a minha opinião depois de ter escutado as opiniões dos jurados e tal. Mas concordo com o despreparo de um cenário bacana e principalmente a luz e tal. Até a trilha eu vou confessar que não achei das melhores, não marcou e não envolveu. Mas acho que tudo isso é aceitável levando em consideração que é amador, principalmente pra quem conhece um pouco como é a rotina do Grupo DNA.

Minha nota de 0 a 100 seria de + 19.

No mais; parabéns pra minha amiga, que merece e muito!

Nação Zumbi – 08-06-2007

quarta-feira, julho 4th, 2007

Assim, de sopetão, eu fui chamada pelo pessoal pra ir ao show do Nação Zumbi no Sesc aqui em Santos mesmo. Topei de primeira porque a companhia era muito boa, e eu já tinha certa curiosidade de assistir esse show, já que por curiosidade eu escuto as músicas deles há um tempinho já.

Bom, fora a canseira de ter chego no Sesc umas 20h e o show só ter começado umas 22h passadas, ainda rolou a parada de que os shows de abertura era praticamente uma tortura. E olha que nós somos animadas e nos divertimos até nas piores situações, mas dessa vez realmente não foi possível, o tempo não passava!!

Chegando finalmente o show do Nação Zumbi, eu vou dizer que gostei e muito, mas dificilmente assistiria o show mais de uma vez. É bacana pra curtir, é legal, mas não é aquela coisa pra se viciar e ir a todos.

O Jorge Du Peixe não é um cara lá muito carismático e pra piorar não tem muita presença de palco e parece nem se preocupar muito com isso. Ele simplesmente entra com uma cara de poucos amigos, solta o gogó e pronto. Sem frescura, o que até não é pecado, mas confesso que nesse caso não ficou muito bom não. Eu pelo menos saí com a sensação de que faltava alguma coisa.

Mas o show em um conjunto é realmente muito bom. O som é maneirissimo, bem diferente. Eu não sou muito boa em técnica de som, mas eu gostei um bucado do que ouvi e daquela diversidade enorme de “barulhos”. Bem bom mesmo.

Mas o que realmente chamou a minha atenção foi a platéia. Eu me distrai varias vezes do palco pra prestar atenção no comportamento inigualável da platéia. A galera era diferente, vários estilos e tal. Só que o engraçado era que ao mesmo tempo que parecia que estavam todos unidos, parecia também que a galera estava dentro do próprio quarto. Cada um dançando, fazendo caras, movimentos e bocas sem se preocupar com quem pudesse estar olhando… E nem precisava mesmo porque o pessoal lá não tinha mesmo dessa!

Achei o show curto, poderia ter mais uns 30 minutos de show, principalmente depois de tanta espera. Mas eu nem vou julgar porque não sei se é curto mesmo ou se foi algum problema interno ou coisas do Sesc.

Em uma escala de 0 a 100 eu daria 15 pro show.

Sandy & Junior – Acústico MTV – 05-06-2007

terça-feira, julho 3rd, 2007

Dia 05 de Junho estive em São Paulo para assistir o último projeto da Sandy e do Junior ainda como uma dupla: O Acústico MTV.

Bom, eu tinha uma puta curiosidade quanto a gravação de acústico, afinal de contas se trata de duas coisas que muito me interessa; TV e Show. E foi mesmo bastante interessante, porém não muito distante do que eu poderia imaginar, e até agora ainda não sei ao certo dizer se foi bom ou ruim essa experiência.

Gostei bastante do cenário. Uma coisa simples, bonita, unisex e bastante intimista. Eu não gosto nada de muitas invenções, de coisas futurísticas e muito escalafobéticas. Tava bonito, principalmente colocar os irmãos dessa vez não lado a lado, mas frente a frente. E esse posicionamento sugeriu um olho no olho, uma troca muito bacana e que ficará deveras interessante se os câmeras forem bons.

O interessante com toda certeza é a qualidade de som, e é aí que sem dúvidas podemos destacar o verdadeiro valor dos caras que estão ali no palco, porém sem tanto destaque quanto os “donos” da parada, que no caso, “donos” eu me refiro a Sandy e Junior e “os caras” a banda, óbvio. E essas horas, a majestade fica muito por conta da banda, da backing vocal, que mostram a que vieram. Quanto a isso eu adorei e muito. Escutar com detalhes cada “barulhinho” e ver o quanto um pequeno errinho ou um acerto podem fazer total diferença a ponto de repetir duas, três ou até quatro vezes a mesma música.

Outro ponto legal é a intimidade que é criada com a platéia e os cantores durante a gravação. Enquanto rola troca de instrumentos, preparação de câmera e tal, é a hora de maior interatividade dos cantores com a platéia; pelo menos foi assim com Sandy e Junior.

Me diverti a beça com os comentários do Junior durante esses intervalos, e a capacidade que ele teve de mostrar que toda aquela história da dupla foi boa pra caralho mas que não faz mais parte do mundo que ele quer viver. Sem contar as piadinhas irônicas que é com certeza algo que eu adoooooro muito!!

A Sandy eu sou muito suspeita a falar; sou defensora assídua do Junior e crítica ao extremo da Sandy. Mas de fato que, as raras vezes que a “bonequinha” não estava arrumando a maquiagem e nem enchendo o cabelo de laquê, as brincadeirinhas eram meio sem graça, bobinhas, bem estilinho água com açúcar Sandy de ser.

Desculpe, mas tipinho “nhé nhé nhé” não me agrada. Prefiro a grosseria besta e irônica, porém sincera, do Junior, do que a falsidade morna e enjoativa da Sandy.

De resto nada muito extraordinário não. Aquela coisa boa de poder ficar pertinho, ouvir bem sem ninguém gritando, nem pulando e nem ficando na sua frente. Mas ao mesmo tempo aquela pressão de televisão que vc ñ pode se mexer, levantar, sair e ainda tem que agüentar quando naquela música mais bacanuda a câmera fica bem na sua frente.

Das participações especiais eu achei meio estranho quem eles convidaram, mas levando em conta ao histórico musical, até que foram bem razoáveis. Apesar disso devo dizer que ñ gostei muito não.

Apesar das boas críticas de Los Hermanos e de gostar muito das letras dos caras e das matérias que são feitas com eles, eu não consigo digerir muito bem o som da banda. E não foi diferente com a participação do Marcelo Camelo no Acústico de Sandy e Junior.

O Marcelo Camelo cantou com a Sandy a música As Quatro Estações, e pra ser sincera ele desanimou completamente a música. Instrumentalmente, musicalmente pode até estar com um arranjo bom, mesmo assim ñ gostei. A música tinha vida e acabou ficando monótona e cansativa.

A Ivete Sangalo não foi nada de extraordinário e ainda deu azar de cantar em uma música que eu, particularmente, não agüento mais. Mas ficou boa, meio soul, de todas as milhares de versões que o Junior fez de Enrosca, essa sem dúvida pra mim foi a melhor, mas aí o gosto musical conta muito na opinião. Confesso que de primeira eu achei estranho, diferente. Mas como a Ivete errou três vezes, eu pude me acostumar bastante e acabei gostando muito da coisa.

Quanto ao Lulu Santos eu não posso julgar muito porque o dia que fui ele não participou da gravação, mas pelas informações que obtive ele não fará nada excepcional. Será apenas uma participação instrumental, e a música ganhou uma nova roupagem e nem ficou nada muito ruim. Quem viu gostou, então resta esperar e ver o DVD.

O Lucas Lima participa da parte do Quarteto de Cordas que é ele e mais alguns profissionais no ramo. Ele em si não ganha um destaque muito especial, mas com certeza dá um toque especial nas músicas. Eu pelo menos gostei bastante.

O repertório tem muita coisa bacana que não poderia mesmo faltar, principalmente algumas músicas antigas que marcou bastante a carreira da dupla. Mas muitas ali foram desnecessárias; como Enrosca e Cai A Chuva, por exemplo, que poderiam ser trocadas por músicas de outros CDs mais antigos ainda, já que uma das finalidades é um review desses anos todos da dupla.

No mais é isso. Eu diria que toda experiência é válida e, levando em conta meu histórico com Sandy & Junior, foi um bom fechamento de ciclo.

De 0 a 100 eu diria que merece nota +47