Archive for abril, 2008

Esbarrei por aí….

quarta-feira, abril 30th, 2008

“… Todas as vezes que te vi, nesses últimos quatro ou cinco anos, eu sempre me apaixonei por você. Eu sempre estive pronta pra começar algo, pra tomar um café de verdade, pra passear de mãos dadas no claro, pra poder te apresentar ao sol sem receber mensagens de gente louca ou olhares curiosos, pra escutar uma piada nova. E você sempre ignorou esse fato, seguindo seu caminho…”

Tati Bernardi

Pra você.

terça-feira, abril 29th, 2008

Um cuidado que transborda
Um olhar que revela
O medo!
Tu me sossegas
Me segura forte ou eu fujo!
É um amor que invade
Uma vida dividida, somada
Nunca subtraída!
Larga de chatice!
E eu prometo; largo das minhas!
Broncas recompensadas com abraços
O choro idiota nos faz rir
És da alma
Se é pra ler meu pensamento, pega essa!
Invada e descubra o quanto de ti tenho aqui
Te amo mais e ponto final.
E se discutir, eu dou piti!
Tchau!

Especial.

segunda-feira, abril 28th, 2008

Já parou pra pensar que ser especial quase sempre não é bom?

– Vem cá, se eu não for especial o que acontece?

Dance 2Night – Madonna

sábado, abril 26th, 2008

Madonna:

You don’t have to be beautiful
To be understood
You don’t have to be rich and famous
To be good

Concordo plenamente, Madonna.

A dor pede um abraço.

sexta-feira, abril 25th, 2008

A dor física transborda
Que chega doer por dentro
Forço o choro que já não sai mais
A cabeça então dói
Estou cansada
Cansei de brincar de sentir dor

E então, penso no abraço
No teu único abraço
Nos vários dele
Nos diversos daquele
E peço os delas
Tão verdadeiros
Tão cheio de carinho
Que me satisfaço
Mas o corpo pede baixinho:
_ É dele que eu quero um abraço

Maria Bethânia e Omara Portuondo

sábado, abril 12th, 2008

Do mesmo modo que agi quando fui convidada para assistir o show de Maria Bethânia e Omara Portuondo, foi como segui até o Via Funchal em São Paulo para assistir o show. Sabia eu que era algo que não se deve perder a oportunidade de assistir, mas confesso que Maria Bethânia nunca foi meu forte e, a Omara menos ainda. Mas vamos lá, o show não seria ruim e mesmo que fosse as companhias (Cláudia e Nara) já fariam valer a minha sexta-feira.

Sabendo que na platéia havia pessoas como Nando Reis e o jornalista que muito admiro Chico Pinheiro, já sabia que a coisa poderia ser realmente melhor do que eu poderia apostar.

O show começou pontualmente (estou dando sorte com isso ultimamente) às 21h30, talvez tenha atrasado alguns poucos minutos mas nada que pudesse causar uma má impressão para a platéia. E, quando as luzes do Via Funchal são apagadas, Maria Bethânia entrou em cena mostrando logo a que veio e o que havia trazido de presente para seu público; uma banda genial e uma convidada espetacular.

Quando Bethânia entrou parecendo Iemanjá com seus longos cabelos e a roupa toda branca, e cantando maravilhosamente, confesso que fiquei tão enfeitiçada que nem me lembro qual é afinal a música de abertura. Dali por diante foi tanto encantamento que eu mal poderia ver o mundo ao redor, as pessoas, as coisas, as lembranças. Eu só conseguia olhar para o palco e sentir toda aquela voz e todo aquele som penetrando minha alma de uma forma inexplicável.

A banda era tão bacana, que enquanto Bethânia e Omara se recompunham e trocavam o figurino, ficamos nós com a companhia da banda. Quem produziu o show soube exatamente o que estava fazendo, pois em momento nenhum a platéia sentiu-se entediada sem as duas cantoras no palco; e, ao mesmo tempo, quando elas voltam já trocadas a sensação foi ótima!

Pra mim, um show é bom quando você não sente o tempo passar, mas quando acaba você sente que o artista em questão cumpriu o objetivo: nenhuma música a mais e nem a menos. E Bethânia e Omora me causaram essa impressão.

Em uma escala de 0 a 100 eu daria 79,8.

A recompensa.

sexta-feira, abril 11th, 2008

E eu subitamente fui recompensada
Tuas palavras ascenderam meu dia
Renasci assim
Em plena quinta-feira

Súbito

quarta-feira, abril 9th, 2008

Cometi um ato impulsivo lá pelas tantas
Embriagada de sono e de amor
Te escrevi
Subitamente enviei
Agora mordo a língua
Em um cacoete nervoso
Espero ser bem recompensada.
Ou perdoada

Traduzida.

terça-feira, abril 8th, 2008

” Não dormiu bem, sonhou com uma nuvem de palavras que fugiam e se dispersavem enquanto ele as ia perseguindo com uma rede de caçar borboletas e lhes rogava Detenham-se, por favor, não se mexam, esperem aí por mim. Então, de repente, as palavras pararam e juntaram-se, amontoaram-se umas sobre as outras como um enxame de abelhas à espera de uma colmeia onde se deixassem cair, e ele, com uma exclamação de alegria, lançou a rede. (…)”

José Saramago – Ensaio sobre a lucidez

PS: Tô assim mas breve postarei muito. Se é que isso interessa.

sexta-feira, abril 4th, 2008

No meio de tanta bossa nova
você veio Heavy metal
Com uns acordes novos,
sem batera fez o show
Iluminação que nada,
no escuro mesmo a galera pirou
E de lá de cima do palco vejo:
você me chamou
Não sei se fico grouppie cá embaixo
ou se cantar contigo eu vou.

Abridor de Latas