Archive for maio, 2008

Poder da mente.

sábado, maio 31st, 2008

Tem gente que ainda não acredita na força do pensamento?

Pois olhe, foi só eu pensar com toda a força do meu coração que pimba! Não é que aconteceu?
Eu tive a prova que a mente tem poder. Pense negativo e veja o que acontece. Faça o mesmo, positivamente.

Eu é que já tô ligada!

Diálogos internos #1

quinta-feira, maio 29th, 2008

– Peraí orgulho, deixa eu falar!
– Acho melhor não, o silêncio é o melhor tesouro.
– Nunca foi o meu. E agora deixa eu falar!
– Vai lá, mete bronca. Mas depois não vá se arrepender.
– Quem me faz arrepender é só você! Culpa sua neguei aquele abraço que já estava sendo dado.
– Ah, mas aquele dia eu exagerei. Desculpa :(
– Não! Estou cansada de você aparecer sempre na hora errada, valeu? Dá licença pra eu ser mais humana?
– Tá, calma.
– Deixa eu chorar, Orgulho. Deixa eu ser mais frágil quando posso ser, deixa eu mergulhar fundo, deixa eu assumir minhas fraquezas e deixa eu dizer às pessoas o que eu sinto.
– Ah, mas você já é tão transparente! Até demais, convenhamos.
– Posso até ser! Mas poxa, apareça na hora certa. Não me atrapalhe mais.
– Às vezes não me controlo. Mas tentarei.
– Acho bom mesmo! Agora posso fazer uma confissão?
– Olha lá o que vai dizer.
– Não é nada demais, seu teimoso! Que mal tem eu dizer que esperei que ele viesse? E que eu fiquei ansiosa. O que há de errado achar alguém especial mesmo não se tendo convivencia diária? Qual o mal de assumir que sim… Sim, Orgulho, eu fiquei bem triste por ele não ter vindo. É errado, me diz?
– Sei lá, eu não acho necessário certas sinceridades. Você sabia que ele não viria.
– Eu não sabia! Eu queria muito, Orgulho, queria tanto que nem você imagina! Mas você, foi você junto com a Sra Razão que me diziam que não, e que me fizeram acreditar que ele não viria.
– E não veio, ué. E graças a nós você não se surpreendeu.
– Mentira. Eu dizia que sabia. Mas na verdade, eu, a Emoção, a Esperança e o Amor sempre acreditamos que ele viria.
– Eu já disse, eles são más companhias. Comigo você não se machuca, já com eles.
– Pára! Não fale deles, são meus maiores aliados! E quer saber? Você me rasga por dentro.
– Eu? Magina.
– Você … Mas isso não vem ao caso. Agora é só isso que eu queria desabafar. Eu queria mesmo que ele tivesse vindo, eu esperei mesmo que isso acontecesse e eu cago e ando pra quem ele seja; a verdade é que eu acho ele especial e queria mesmo ter oportunidade de tê-lo mais perto. Assim como eu adoro o abraço do outro lá, eu amo a cafuné dele e os olhinhos pequenos. E aquele outro, ah eu queria tanto…
– Chega! Se eu não te cortar você perde o rumo. Preciso conversar com a Razão, ela anda tão displicente….
– Tá bom, tá bom. Agora já desabafei.
– Então sossega.
– Chega! Vou sair daqui, pra não brigar contigo! Tchau!
– …

Acho que me perdi numa excurssão que fiz na tua…

segunda-feira, maio 26th, 2008

Não sei o que sinto
Não sei o que dá
Te ver estampado ali me assusta
Me dá um arrepio e o coração vem à boca
Estou suando, tá vendo?

Escrevo-te feito louca
A ansiedade me transborda
Faço bobagens
Não consigo esconder o encantamento
Tento chamar tua atenção

Porque esse silêncio?
Eu sei, tens os motivos do mundo
Mas entenda, tenho trauma.
Tenho trauma de silêncio

Hoje eu precisava de um sorriso teu
Das tuas palavras doces.

Uma sensação.

sexta-feira, maio 23rd, 2008

Pense em um céu azul.

.
.
.

Sem nenhuma nuvem.

.
.
.

Pense em um mar onde você vê o horizonte.

.
.
.

Um limpo e azul.

.
.
.

Pense em um calçadão com um jardim.

.
.
.

Igual de Santos.

.
.
.

Nesse calçadão pense em uma árvore.

.
.
.

Pense na sensação de sentar-se debaixo dessa árvore.

.
.
.

Pense em um som suave.

.
.
.

Sem fone, sem mp3.

.
.
.

Uma música vinda dos céus.

.
.
.

Como mágica.

.
.
.

Pense em uma brisa suave.

.
.
.

Que dança no ritimo da música.

.
.
.

Pense nesse som e nessa brisa passando sob você.

.
.
.

Sinta toda essa sensação.

.
.
.

Pensou?

.
.
.

Sentiu?

.
.
.

Pois é.

.
.
.

É isso que sinto por você.

.
.
.

E toda vez que estou perto de você.

Norah Jones – What Am I To You?

quinta-feira, maio 22nd, 2008

Tell me darlin’ true
Me diga querido a verdade
To me you are the sea
Para mim você é o mar
Vast as you can be
Tão vasto quanto pode ser
And deep the shade of blue
E tão profundo

When you’re feelin’ low
Quando você está se sentindo triste
To whom else do you go?
A quem mais você procura?
I’d cry if you hurt
Veja que eu choraria se você se machucasse
I’d give you my last shirt
Eu te daria a minha última camisa
Because I love you so
Por que eu te amo tanto

Now if my sky should fall
Agora, se meu céu caísse,
Would you even call?
iria você ao menos se importar?
I’ve opened up my heart
Eu abri meu coração
I never want to part
Eu nunca quis a separação
I’m givin’ you the ball
Eu estou te passando a bola

When I look in your eyes
Quando eu olho em seus olhos
I can feel the butterflies
Eu posso sentir as borboletas
I’ll love you when you’re blue
Eu te amarei mesmo quando você estiver azul (triste)
But tell me darlin’ true
Mas me diga querido a verdade
What am I to you?
O que eu sou para você?

when you don’t come.

quarta-feira, maio 21st, 2008

é um amor que completa
o brilho do teu olhar cativou meu sorriso
coloca minha paciência à prova
fico puta, te xingo, que raiva
mas largo o mundo por ti
sou tua fã, a número 1
arrancas de mim até a alma
mas só fazes o que bem queres
e me ama.
e eu sei disso
também amo
e sei que sabes.
de um amor em conflitos
de um carinho único.
quando vieres, me abrace.
sinto falta do cheiro doce do seu cabelo
do teu olhar de estrelas
e do teu desapego tão apegado.

you’re my angel, but i hate when you do this. :(

Da leitura.

segunda-feira, maio 19th, 2008

Confesso. Sou preguiçosa. Tenho lá uma puta curiosidade das coisas, principalmente se tratando de cultura. Mas ah, dá pra mastigar pra mim, por favor? Obrigada, eu agradeço.

Por esse motivo, tem algumas pessoas que me instigam a conhecer coisas. Leopoldo Rezende, Lucas Busto, Jordânia Nayara, Fabio Henrique, Diogo Freire e outros que no momento não me vem à memória. O último, o Diogo, talvez por me conhecer um bucado já vem com tudo desenhadinho pra mim, senta e conta tudo e só de final ele diz “busca isso que é bacana”. E eu busco. E quase sempre gosto. Os outros nem facilitam tanto, costumam dar a deixa e eu por instinto vou atrás. A não ser a Jordânia que facilita um bucado também.

Com livros essa minha dificuldade aumenta. Primeiro por não ter sido criada muito com o gosto pela leitura. Segundo por ter demorado pra ter com facilidade o acesso à livros em PDF para que eu pudesse ler sem depender de ninguém. Basta o computador, olho na tela e alguns cliques no mouse e pronto. Foi assim que bem lentamente resgatei a atividade literária que havia sido abandonada durante um bom período.

Já li alguns livros interessantes. Alguns eu mesma fui atrás como, por exemplo, “um amor pra recordar” e alguns muitos de poesia. Li também um livro homossexual interessantíssimo indicado por um amigo. Nesses eu me envolvi na história. Depois me especializei em Nelson Motta que depois de um e-mail meu, e em um gesto bacana foi me mandando vários livros de sua autoria em formato word pra que eu pudesse ler. Inclusive um que nem publicado havia sido ainda.

Daí então um dia Diogo me falou de um tal de O Guia do Mochileiro das Galáxias, os olhinhos dele brilhavam tanto na mesa de um bar em BH que quando cheguei fiz correr atrás do livro. Comecei a ler. De inicio não era dos livros mais interessantes do mundo pra mim. O próprio Diogo disse que talvez eu não gostasse tanto. Mas eu sou teimosa poxa, vambora ver ondé que isso vai chegar. Eu tentei, juro.

Mas aí esse mesmo mineiro veio até minha casa. E quando estávamos, ele, Nay e eu, sentados no quintal de casa, batendo um daqueles papos gostosos sem nenhum compromisso; ele levantou foi até a mala e voltou com um livro nas mãos. De forma tão bacana ele sentou como quem conta causos e contou detalhes e passagens desse tal livro que só de ter “musicais” no nome já mereceu toda a minha atenção.

Não deu outra, os deixei (ele e a Nay, que também veio da amada Minas Gerais) na rodoviária domingo e quando voltei já corri atrás do tal livro. Não achei. Mas logo na segunda, com ajuda da Nay eu consegui o livro e logo comecei a devorar. Simplesmente achei ótimo. Estou amando e concordando com muito do que é dito, além de ter visto uma porrada de curiosidades sensacionais.

Uma dica? Leia Alucinações Musicais, é no mínimo intrigante.

you can come anytime you want

domingo, maio 18th, 2008

Belinha…: ah…. e, li oq vc escreveu….
Belinha…: amei viu?
Belinha…: bem melhor que o do FERNANDINHO….kkkkk
Bl: lógico.
Bl: 😛
Belinha…: hauhauhauha
Bl: aliás…se eu soubesse que podia tocar no vídeo, eu teria tocado This Heart of Mine…mas fica pra próxima
Belinha…: jura que teria tocado?
Bl: bom…eu dei uma tirada aqui…não sei se ia sair inteira na hora do video
Bl: mas eu teria sim.

Como diria Adam Levine;
“My heart is full and my door is always open, you can come anytime you want”

E o vendaval virou brisa suave…

sexta-feira, maio 16th, 2008

E o vendaval passou
Ventou tudo aqui dentro
Muita coisa foi para o lugar
Agora o que resta por aqui é aquela calmaria
E uma brisa suave
Aquela brisa suave que tanto gosto

O teu melhor abraço.

sexta-feira, maio 9th, 2008

Tem um abraço chegando
Tem um abraço que não foi dado
Tem tantos abraços desajeitados
Tem tantos que estão por vir.
Mas o teu abraço é o melhor,
Que já me foi dado.
É encaixe perfeito das almas.
E agora,
O que será de mim
Quando eu PRECISAR do teu abraço?