Archive for junho, 2009

Escarro #3

segunda-feira, junho 29th, 2009

Hoje eu estou com uma super vontade de escrever carta de amor. Mas não consigo. É uma sensação tão doida de que eu não moro em mim. Não consigo fazer coisas que, seriam óbvias de mim. E ao mesmo tempo, não passa em branco. É como se eu tivesse entre o antes e o depois. Com a vontade, mas sem ter o sentido.

Acho que desaprendi a amar. Não vejo mais coisas lindas assim. Não sinto mais o belo do amor, nem o sufocar da paixão. É tudo tão morno, tão sem gosto.

Em contra partida, nada dói. É tudo paz, suavidade, silêncio. É uma sensação terrivelmente maravilhosa. Sou sacudida sem sair do prumo. Estou firme, sem nem saber onde.

Ao mesmo tempo, sinto um vulcão adormecido dentro de mim. Um amor existente. Um amor calado e parado. Um sentimento intacto. Onde a certeza e a dúvida caminham juntas, como se isso fosse realmente possível.

Queria vomitar palavras aos quatro cantos. Declarações de amor. Queria que os olhos brilhassem, que a saudade acelerasse o coração. Mas sinto como se não devesse. Sinto como se tudo que fosse sentido não valesse a pena, não tivesse sentido. Como se nada fosse merecido. Palavras soltas, levadas pelo vento e guardadas no fundo da gaveta.

Não sei ao certo o que procuro. Não sei a hora exata. Nem a palavra certa. Nem mesmo a atitude mais correta. Nem sei se eu realmente procuro alguma coisa dessa. Me sinto sempre em busca de algo que me satisfaça. Algo que preencha um vazio imenso que carrego dentro do peito.

Falei tanto, e não falei o que eu gostaria. Eu te amo, mas desaprendi a te amar.

Mulher Invisível

terça-feira, junho 23rd, 2009

Finalmente assisti Mulher Invisível. Um filme que já estava na minha lista antes mesmo de estrear.

Quando optei inicialmente por ver o filme, me bastava a questão de ter Selton Mello como protagonista da história. O resto já nem me importava tanto assim. Só que, devido à ansiedade, passei a ler um pouco sobre o filme e assistir reportagens onde os atores faziam a divulgação.

Na mosca. Todas as expectativas feitas com base nos comentários, reportagens e leituras, foram certeiras. O filme é exatamente aquilo que eu queria que ele fosse.

É uma comédia romântica que trata de alguns assuntos delicados como a traição, a decepção, a ilusão, problemas psíquicos e um que eu não sabia; a amizade.

O Selton Mello é de fato um dos meus atores favoritos (e isso não tem nada ver dele ser idêntico ao amor da minha vida), ele dá um show de interpretação indo da comédia ao drama com a maior facilidade do mundo.

Sem dúvidas as partes mais marcantes pra mim são três:

1. Todas as vezes que ele passa a escrever sobre seus sentimentos, pra ver se exteriorizando ele consegue tirar de dentro dele toda aquela sensação. Me identifiquei muito.

2. A cena da banheira que praticamente desenha qual é o papel de Luana Piovani no filme.

3. A cena em que ele descobre que o amigo está saindo com Laura e a Luana Piovani coloca lenha na fogueira dizendo que nunca gostou desse amigo dele. Me identifiquei muito, na questão da intuição em várias situações da minha vida.

A trilha sonora é repleta de rock and roll, como músicas de Janis Joplin, Ramones e Lobão. E na seleção de músicas, há uma predominância de composições internacionais, mas eu já tinha lido que o autor fez isso propositalmente para que a música não repetisse o texto dos atores, poderia rolar uma redundância, um ruído.

Minha nota é 9.5 e pronto!!!!

X-Men Origens: Wolverine

terça-feira, junho 23rd, 2009

Esperei tempo suficiente para ver se rolava de assistir o filme novamente, mas acabou que a oportunidade não apareceu e eu nunca mais apareci aqui pra escrever minhas impressões.

Nunca assisti X-Men e nunca gostei muito desse tipo de história. Na verdade, eu nunca parei pra conferir se ia gostar ou não. Assistia o desenho só de passagem, sabia que tinha a tal da Tempestade, mas mesmo assim não compreendia muito bem qual era a história do desenho.

Fui assistir Wolverine com uns amigos, só pra acompanhar mesmo e pra matar algumas saudades. Fui de coração aberto em todos os sentidos, inclusive para o tal do filme.

No inicio do filme já senti firmeza e achei que a coisa ia funcionar melhor do que o esperado, porque já me vi entretida logo nas primeiras cenas. Engano meu, dormi praticamente em uma das partes principais da história e só acordei quando Wolverine já estava na banheira levando aqueles choques e prestes a perder a memória, quando ele de repente levanta com tudo.

Foi uma pena ter perdido a contextualização da história, mas com algumas informações que o filme mesmo dá e com a ajuda dos amigos, eu consegui seguir em frente. Não achei o filme nada extraordinário e pelo que ouvi dizer ele está sim um pouco fora da história do desenho e do quadrinho.

Pra mim particularmente valeu pelas cenas bizarras e pela ira do Wolverine, sonho meu ter aquelas garras de aço. Há quem diga que ele seja gato e gostoso, essa parte eu passo.

Trilha, fotografia, cena, nada me chamou atenção especificamente. Talvez por ter perdido boa parte ou até por pura distração.

Minha nota é 6.0 e foda-se a opinião alheia.

Eu (não) tenho Bulimia

terça-feira, junho 23rd, 2009

Em um post do dia 19 de dezembro de 2006, eu falo sobre a Bulimia. E no caso do post, a bulimia abordada é a bulimia de palavras e sentimentos. A bulimia de disfunção alimentar, eu não tenho.

O que me chocou, foi que esse post é o mais comentado do meu blog até hoje. Meninas de várias idades acabam encontrando esse blog pelo título “Eu tenho bulimia”. Não sei nem se chegam a ler, mas logo despejam seus comentários-desabafos, e isso me preocupou bastante.

E depois de ter visto tanta procura com esse tema no meu blog, venho dias e dias pensando em algo interessante pra escrever por aqui e pra essas pessoas que passam por aqui em busca de conforto e de alguma informação interessante sobre esse assunto.

Não tenho muito conhecimento sobre Bulimia, Anorexia e outras disfunções alimentares. Procurei ler um pouco na internet, pois fico bastante intrigada com essas coisas do comportamento humano. Acho muito interessante tentar entender que as vezes a preocupação por um “corpo belo” ou por insegurança de ser aceita na sociedade possa acabar acarretando certos distúrbios como esses. Infelizmente li poucas novidades sobre Bulimia, e no geral do que vi nos sites; não foge muito do que já foi abordado na televisão como em Páginas da Vida e agora na Malhação. Não tem muito como fugir da idéia de buscar um psicólogo e tentar tratar do caso com acompanhamento médico e remédio.

Só posso desejar então, que tenham força de vontade pra procurar ajuda e que um dia possam voltar aqui no meu blog e comentar sobre a vitória de vocês. Quem sabe um dia não conversamos e juntas não faremos um post?!

Para saber mais de: ”Bulimia”

No Wikipedia

Para saber mais do ”Post de 2006”

Aqui mesmo

2 em 1

sábado, junho 20th, 2009

E só porque deu preguiça, vão duas coisas por aqui.

Outro dia, sem mais nem porque, minha mãe disse que talvez eu goste dele de verdade. Assim, com palavras jogadas, ela disse aquilo que eu sempre me neguei.

… Mas é, talvez eu goste dele mesmo. De verdade.

(…)

Teu abraço é minha fuga
Teu sorriso é meu paraiso
Teus olhos, meu mundo
Tua voz é minha música

(…)

Eu já…? Pois é.

Gosto de…

sábado, junho 6th, 2009

Gosto de ver teu sorriso assim,
Em direção a mim
De me sentir perto de ti,
Mesmo sabendo que esse perto
Não é tão perto assim

Gosto de ouvir tuas palavras soltas
De sentir teus gestos fáceis
De ver teus olhos olhando os meus

Gosto desse teu jeito assim desajeitado
Tuas verdades duras
Tuas palavras inteiras

Gosto quando assim em um dia qualquer,
Você transforma meu dia;
Arranca o peso da minha alma
E me faz sorrir involuntariamente

quinta-feira, junho 4th, 2009

Ando em um silêncio destruidor. Diferente de pouco tempo atrás, que o silêncio me trazia paz e uma sensação profunda de bem-estar, esse silêncio me estraçalha por dentro e sinto como uma louça quebrada em vários pedacinhos por dentro. Esses pedaços me cortam e os cortes são inúmeros, e todos sangram e doem ao mesmo tempo.

Quero, não parecer forte, mas sim SER forte diante do tudo que me acontece. Não quero dramas, nem pena e nem me fazer de coitada. Mas de fato a coisa aqui por dentro dói tanto, que passa a doer por fora: minha gastrite me detona e meus machucados pioraram todos ao mesmo tempo e inexplicavelmente.

Inexplicavelmente o escambau!!! A menina que quer ser uma mulher forte, tem um emocional filho da puta que acaba com a imunidade e tudo começa a pipocar!!!!

Pior de tudo, é no fim das contas sair chutando o mundo e atacando faíscas de fúrias em pessoas que não tem nada ver. É querer que o mundo se exploda e que todas as pessoas voem pelos ares!!!! O pior é acabar sempre com a velha e idiota mania de descontar nas pessoas erradas, e por uma covardia retardada não fazer o que deve ser feito.

Mais grave ainda é não curtir os dias maravilhosos que tem feito lá fora, e não estar degustando como deveria das coisas lindas que vem acontecendo paralelamente à essa rajada de sentimentos doloridos.

ás vezes um erro é só um erro. como quando você cozinha e erra a mão no sal. um erro passa a ser um tormento quando afeta a sua vida e/ou a de outra pessoa por tempo demais. um erro passa quase despercibo e pode até ser esquecido quando um simples pedido de desculpas resolve. um erro vira uma maldição quando nada mais pode ser feito, quando as marcas que esse erro deixou são tão profundas que não podem ser escondidas.

as lágrimas derramadas não voltam, as noites em claro já foram perdidas. e o erro já não é mais só um erro.

as promessas foram feitas, mas já não as quero. e foi preciso passar muito tempo pra entender isso.

Maely Freitas

.

Em pouco tempo, a coisa se resolve. E os dias lindos que tem feito lá fora terão mais sentido.

E agora o que me resta

terça-feira, junho 2nd, 2009

Eu odeio flechas errantes
Eu odeio as mesmas novas ilusões
Eu odeio querer viver de sonhos
Quando o real é um mal crucial

Eu odeio esperar pelo nada
E ver o calendário se preenchendo de brancos
Eu odeio cair em si
É tão incrível gostar de alguém
É tão terrível gostar de alguém
E tentar ver além
Quando não se pode fazer nada

Eu não sei o que fazer, não
Odeio me sentir preso
Em meus ridículos pensamentos

Por: Jedroma

segunda-feira, junho 1st, 2009

“Hoje eu saí de casa tão feliz, que nem me lembrei que em algumas horas a tristeza bate, me sacode e me faz sentir dores que eu não imaginava que continuavam ali…”

Caio. F.

Elas Postam Roberto

segunda-feira, junho 1st, 2009

Clichezão, mas sem falsa modéstia essa música realmente diz muito pra mim.

Quando eu estou aqui
Eu vivo esse momento lindo
Olhando pra você
E as mesmas emoções
Sentindo…

São tantas já vividas
São momentos
Que eu não me esqueci
Detalhes de uma vida
Histórias que eu contei aqui…

Amigos eu ganhei
Saudades eu senti partindo
E às vezes eu deixei
Você me ver chorar sorrindo…

Sei tudo que o amor
É capaz de me dar
Eu sei já sofri
Mas não deixo de amar
Se chorei ou se sorri
O importante
É que emoções eu vivi…

São tantas já vividas
São momentos
Que eu não me esqueci
Detalhes de uma vida
Histórias que eu contei aqui…

Mas eu estou aqui
Vivendo esse momento lindo
De frente pra você
E as emoções se repetindo
Em paz com a vida
E o que ela me trás
Na fé que me faz
Otimista demais
Se chorei ou se sorri
O importante
É que emoções eu vivi…

Se chorei ou se sorri
O importante
É que emoções eu vivi