Archive for outubro, 2009

Touro com ascendente em cancer = merda

segunda-feira, outubro 26th, 2009

Tenho mania de não acreditar no instinto. Coisa de menina travessa, teimosa! Sabe quando uma voz assopra no teu ouvido, quase como a voz da sua mãe falando pra não ir porque vai cair um temporal? Eu estava sentindo isso e mesmo assim fui com toda aquela força do touro bravo. Dito e feito! Caí sentada na lama, com aquela cara de “e agora?”.

Falei palavras indevidas na hora, do jeito, e pra pessoa errada. E a vida é assim mesmo, segue em frente sem que você consiga voltar rapidinho naquela cena que era muda e você falou! Cadê a porra do diretor desse filme pra gritar “CORTA!!!!”. Acho que ele até gritou, mas quem disse que eu parei, né?!

Agora estou aqui, pequenininha com medo de perder o brinquedo mais esperado, o tesouro mais desejado, e de sair de cena desse filme que eu tomei tanto cuidado pra não pegar o personagem errado. Estou chorando internamente, e chocada sem saber que atitude tomar.

Um lado meu lembra daquele de uma frase; Don’t panic! E diz que tudo vai dar certo no fim das contas, e o importante é manter a serenidade não me perder do azul.

O outro lado meu, nublou todo. Cai uma chuva tímida e angustiante. É um medo, o medo de ter cometido um erro estúpido e ter perdido uma grande conquista.

No fim das contas, eu continuo aquela garota errada. Que nega o que quer afirmar, cala o que tem pra dizer, diz o que tem pra calar, duvida do que existe e acredita no que não existe!

Maldito lado canceriano!

Coração tirou férias

quinta-feira, outubro 22nd, 2009

E de repente eu fui me descobrindo diferente. O sorriso fácil, e aquele azul infinito me tomava por inteira, mesmo quandos os dias insistiam no cinza. A chuva caia lá for a e aqui dentro um azul infinito trazia a paz e a calma necessária.

Demorei a entender que o meu coração estava vazio. De repente olhei pra dentro e vi um salão enorme, sem mobilia , sem nada!!! Um espaço vazio, com muitas janelas abertas e uma brisa suave ventando pra lá e pra cá. Foi isso! Era a tal da “herança” deixada ali.

Quando a gente ama, há um negócio na gargantuan, uma coisa enorme que dá vontade de gritar, de falar aos quatro cantos o tamanho e toda a beleza daquele sentimento. É como se as palavras fossem intermináveis, como se nada conseguisse traduzir aquilo dentro do peito!! E não dá mesmo! O amor, a paixão, são sentimentos que não existe palavra ou gesto que traduza!

Mas sabe, estar com o coração vazio é algo maravilhoso também! Uma sensação de leveza, tranquilidade e contentamento constante. Não que amar seja ruim, é lindo!! Mas estar de coração vazio é amar mais a gente, é olhar pra outros cantos, é estar aberto pro mundo. É ouvir música e absorver a verdadeira beleza dela, é ler poesia pelo que está escrito e não porque dizem respeito ao que você gostaria de dizer!

Estar de coração vazio é ter o bichinho (monstrinho) mais calmo, é ter mais liberdade, mais graça, menos nóia!!! Estar de coração livre é não se preocupar em agradar ninguém, é não querer causar boa impressão! Estar de coração livre tem muito mais coisas boas do que se imagina!!

Eu digo e repito; só me apaixono por pessoas MARAVILHOSAS. São as pessoas mais especiais do mundo!

Mesmo assim, não é fácil amar. Amar as vezes dói um pouco, as vezes te dá uma sensação de insatifação constante! E o pior; não é culpa de ninguém! As pessoas não sentem, pensam, agem da mesma maneira. E isso em determinadas situações podem se tornar mais complicado do que normalmente deveria ser.

Melhor assim, pelo menos por um bom tempo! Coração tirou férias e descansa em paz! A sensação de uma liberdade imensa e de estar em meio a um parque de diversões!

Quero – Carlos Drummond de Andrade

quarta-feira, outubro 21st, 2009

Quero que todos os dias do ano
todos os dias da vida
de meia em meia hora
de 5 em 5 minutos
me digas: Eu te amo.

Ouvindo-te dizer: Eu te amo,
creio, no momento, que sou amado.
No momento anterior
e no seguinte,
como sabê-lo?

Quero que me repitas até a exaustão
que me amas que me amas que me amas.
Do contrário evapora-se a amação
pois ao não dizer: Eu te amo,
desmentes
apagas
teu amor por mim.

Exijo de ti o perene comunicado.
Não exijo senão isto,
isto sempre, isto cada vez mais.
Quero ser amado por e em tua palavra
nem sei de outra maneira a não ser esta
de reconhecer o dom amoroso,
a perfeita maneira de saber-se amado:
amor na raiz da palavra
e na sua emissão,
amor
saltando da língua nacional,
amor
feito som
vibração espacial.
No momento em que não me dizes:
Eu te amo,
inexoravelmente sei
que deixaste de amar-me,
que nunca me amastes antes.

Se não me disseres urgente repetido
Eu te amoamoamoamoamo,
verdade fulminante que acabas de desentranhar,
eu me precipito no caos,
essa coleção de objetos de não-amor.

Esse poema de Carlos Drummond de Andrade quem falou um trecho dele foi o Willam Bonner no GNT, e a parte final ficou ecoando na minha cabeça, estava ali naquele texto; o meu pior defeito (ou um dos piores) e lendo o poema inteiro, vi o quão eu posso me identificar com essa insegurança toda!

Vou adiante – Luiza Possi

sexta-feira, outubro 16th, 2009

Hoje vejo as coisas diferente do que vi
Meu ritmo conheço e ando mais sem medo
Duvidei de mim tanto e quase me perdi
Me escondi do amor, mas ele já estava aqui como a luz
E sua luz acende uma chama sem fim que jamais ninguém entende oh oh oh

Vou adiante…
Pois a voz que me chama é a canção do canto de quem ama
Vou adiante…
O amanhã chega agora
Vem com as asas da paixão num vento tão bom oh oh oh

Me levo
Já é tempo
Me levo
Já é tempo

Já sei dos lugares onde não quero ir
Ouvi os alarmes que disparavam em mim
Ciladas de ontem não me deixavam ouvir
A voz que ouvi no sonho e me trouxe até aqui

A Verdade Nua e Crua

terça-feira, outubro 13th, 2009

Não ando indo muito em cinema, mas sempre que rola uma oportunidade eu procuro ir pra não perder o hábito. Aliás, aviso aos navegantes; eu tenho dormido menos nos filmes! Juro! J

Assisti o filme “A verdade Nua e Crua”. Típico filme de mulherzinha que está afim de sair com as amigas, comer petit gateau e depois assistir um filme que fale de romance mas a deixe sair do cinema se sentindo uma grande mulher. A verdade nua e crua não faz exatamente isso, mas no final das contas o resultado é o mesmo.

No filme, Gerard James Butler faz um apresentador machão que fala todas as verdades sobre a visão do homem em um relacionamento ou sobre o comportamento das mulheres. E Katherine Heigl faz uma Produtora de TV que fica perplexa e revoltada com o programa do Mike Chadway (Gerard James Butler ).

Como já é previsível, eles acabam tendo que trabalhar juntos e rola aquela insatisfação até que Mike combina com a Abby (Katherine Heigl) que se ele conseguir através das dicas fazer com que ela conquiste o médico que ela está afim, ele pediria demissão da emissora e sumiria da vida dela. Trato feito e começa o filme.

Mike dá dicas valiosas sobre a opinião dos homens em um relacionamento e vai dando dicas de como a mulher deve se comportar para deixar o cara correndo atras. Entre as dicas, está a de não transar na primeira noite, o estilo de roupa a usar, o jeito de se comportar e a dica de deixar o cabelo grande para que o homem possa fantasiar o sexo com puxões de cabelo e tudo mais.

Muitas dicas são bem óbvias, mas é uma típica comédia romantica que deixa a mulher mais segura e no fim das contas mostra que não existe uma receita exata pra um relacionamento dar certo. As dicas funcionam, mas Mike se apaixona por Abby mesmo sabendo exatamente como ela é e todas as suas inseguranças, e Abby conquista o médico mas acaba se apaixonando pelo Mike e decide ficar com ele; mesmo que as turras.

Eu sou assídua de comédia romantica, mesmo não sendo nada romantica e não querendo nem acreditando e principes encatados e amores mágicos. Mas eu gosto de ir ao cinema pra abstrair, não pensar em nada e sair de lá em clima de diversão. E, “A Verdade Nua e Crua” oferece exatamente isso.

E morram, mas eu não assisti por causa do Gerard James Butler e nem acho o cara tão bonito assim, óbvio.

No mais, o filme merece 7,0.

A velha novidade…

segunda-feira, outubro 5th, 2009

Tem coisas nessa vida que não tem mesmo uma explicação. Não dá simplesmente para você descrever motivos, fazer uma análise completa sobre assunto. Dizem que o amor é uma delas. Não dá pra dizer por que, nem como, nem onde. É e ponto final. E eu não vim falar do amor, pode relxar que não vai escorrer mel e poesia nessa página.

As pessoas não cansam de se surpreender e me perguntar “Mas Sãopaulina porque, oras?!”, e eu já sou São Paulina faz tanto tempo! E não tem um porque! Na verdade, nem sei muito de futebol, não sei bem dos jogadores, e luto pra acompanhar as tabelas de classificação. Mas gosto do São Paulo, de graça, assim sem explicação nenhuma!!

Eu nasci e vivo até hoje a poucas quadras da Vila Belmiro, me criei vendo aquela luz na esquina clarear o bairro em noites de futebol. Meu irmão é Santos, minha mãe, meu avô materno, meu padrinho, meu tio, primos, e meu pai é o único Corinthiano simpatizante do Santos que eu já vi! Mas eu nunca me apeguei ao time, sei lá… O coração não vai na boca, não vem um – “Vai, faz um gol porra!”, não rola, não ligo, não tem jeito!!

Meu pai é corinthiano, meus amigos, meu avô paterno, minha prima, boa parte da família e muita gente que eu amo muito é do Corinthians! Mas eu não sou! Eu já fui, confesso. Mas não deu! Como torcer pra um time se você torce contra? Não dá, não tem jeito! Tenho um carinho afetivo pelo time, devido a todos que eu gosto e que sofrem torcendo pra esse time. Mas tive que deixar a torcida ainda quando jovem, pra assumir minha paixão!

Eu sempre namorei o São Paulo de longe. Gostava, me interessava e torcia mesmo sem saber que aquela sensação era a de torcedora. Quando o time tava em campo eu parava pra ver o placar, me interessava saber se tava ganhando. Mas menina retardada e desligada em futebol, quase nunca ligou pra isso. Seguia a vida em frente e deixava o time do coração pra lá.

Até que fui crescendo e entendendo que futebol é como música! Você gosta daquela que te chama atenção, que te toca, te inspira, interessa, que te move! E eu vi que, eu podia assumir meu amor platonico pelo São Paulo sem receio, sem vergonha nenhuma! É meu time, é por ele que eu paro pra ver um jogo (quando paro) e é ele quem me faz sentir alguma sensação diferente!

– Oi! Sou São Paulina, e você?

E assim se deu a coisa. Já faz muito tempo que eu sou tricolor, e não entendo realmente o choque de uma galerê aí… rs! Não torço por causa de ninguém, apesar de conhecer muita gente amada que torce pro São Paulo. Não vou e nem quero enumerar motivos e fazer declarações mil pra te provar que e porque o São Paulo é o melhor time!! Ele prova por si só, sem precisar de mim para defendê-lo!

Sou tricolor com muito orgulho sim!!!! Se tiver alguma dúvida, por favor fique a vontade.

Tentando manter contato…

quinta-feira, outubro 1st, 2009

Estava eu, como em todas as noites, tentando mais uma vez completar a minha reza. Os pensamentos voam como as folhas em dia de ventania. Faço força, tento a todo custo me concentrar nos agradecimentos, na oração, nos pedidos. Quero que Deus, ou seja lá quem for essa força divina que acreditamos, saiba que não é por descaso ou coisa parecida; meus pensamentos voam por conta própria e eu perco as rédeas.

Ontem tentei rezar tantas vezes, quis agradecer o dia lindo e as pessoas ao meu redor. Mas o pensamento voava em milhares de direções. Queria de todo jeito lembrar da saudade, pensar nesse post e tocar músicas. Meus pensamentos me impedem de rezar e isso assusta; há um sentimento de culpa sobre minha possível ingratidão involuntária, mas Deus sabe que não sou ingrata. Tenho em mim todos os agradecimentos do mundo e desculpe, mas os pedidos também. Deus ou sabe-se lá quem, há de ler meu coração; pra saber de tudo isso.

Confiando nisso e me tornando a cada dia mais liberta de tudo, deixo os pensamentos voarem livres como as folhas de outono e no final de tudo isso, adormeço suavemente desligando-me dos paradigmas humanos.