Archive for novembro, 2009

?¹°°

sábado, novembro 28th, 2009

Sinceramente? Não sei de fato o que está acontecendo, nem sei como posso explicar tudo isso. As coisas andam dando tão certo, mas tão errado. Talvez, o pouco que que está dando “errado” é muito mais relevante que o “certo” que está rolando.

Sei, talvez eu esteja sendo tão injusta! Mas sabe, é mais forte que eu, que a razão, que toda essa minha consciência de tudo que rola no meu redor. Acaba que uma dor incontrolável invade meu peito, me joga em um vão e eu não crio forças pra levantar. Eu sei, não precisa dar sermão! Eu tô assim, e não gosto de estar!!!!

No fim das contas, uma migalha de atitude, de sentimento, de seja lá o que for, é capaz de transformar um todo. As coisas estão ficando cinza, por mais que eu amanheça e abra todas as portas e janelas em busca do azul, é o cinza que tenho visto.

O que está havendo? Onde foi que o vento fez a curva? Como a gente faz pra todo aquele céu azul voltar?! É só isso que me pergunto da hora que acordo até a hora que pego no sono!

Porque importa tanto?
Porque depende tanto?
Porque não vem?
Porque não flui?
Porque a coisa empaca e não desata esse nó?

Ai meu Deus, seja lá quem você for; dá um jeito nisso vai!!!! Tira esse nó do peito, ou faz a coisa acontecer, hein?!

Quase azul…

terça-feira, novembro 24th, 2009

Data inesquecível, 16 de julho de 2009. Foi a data em que realmente o céu começou a mostrar o seu azul, o meu azul infinito. Foi nessa data tão marcante que, o primeiro raio de sol entrou pela fresta da janela e a porta entreaberta.

De repente fui tomada por uma luz intensa, toda aquela escuridão infinita foi clareada pouco a pouco com os raios do sol. Aos pouco aquele breu cheio de entulho se transformou em um salão enorme, vazio, todo branco, cheio de luz e ventos! Haviam ventos, não mais brisa, não mais aquela brisa de antes.

E o tempo foi passando, e ali passou a fazer sol mesmo em dias de chuva, tudo permanecia claro mesmo nos dias mais escuros. Um grande salão claro, espaçoso, onde eu me peguei várias vezes dançando cheia de cores e sons.

Tinha gente que entrava e saia, gente que dançava e outras que só assistia. Um espaço meu, onde eu dominava cada pedaço, cada cantinho. Sem breu, sem entulho, sem nada que pesasse, sem pesares!

Em dias de chuva, fugia pra lá e me escondia do escuro, protegia aquele lugar do breu que poderia vir. O sol brilhava, tudo era azul, o meu azul infinito e lindo.

De repente, sem saber porque, sinto uma nuvem passando em frente ao sol. Vejo meu azul ameaçando encobrir de nuvem cinza, pesada e cheia de chuva. Eu andei chovendo, eu andei distraidamente colecionando entulhos. E, sem mais nem menos, senti o peso de entulho nos meus braços, relembrei de todos os velhos entulhos que por ali, já foram guardados.

Preciso espantar essas nuvens cinzas e chatas que insistem em encobrir meu sol e descolorir o meu azul. Preciso, eu sei, me livrar desses entulhos, limpar esse espaço vazio, e voltar a dançar com leveza e iluminada pelos raios de sol.

Mas todo dia que levanto, meus braços pesam, e eu me sento no meio do salão quase vazio, quase azul, quase claro, e começo a chover.

O som que banda toca

sábado, novembro 21st, 2009

Basta me conhecer um pouco, que está estampado (literalmente) o quanto eu gosto de música. Talvez, se eu tivesse possibilidades físicas eu até estudaria algum instrumento. Ou não, talvez eu seria com mais facilidade o que eu almejo hoje; ser produtora de eventos musicais.

Mas o fato é que vivo muito disso, adoro assuntos que se referem a esse tema, adoro ouvir as teorias de gente que vive dessa arte, adoro quem sonha com isso, adoro conhecer tudo que envolva a música.

Sou fascinada nos meus amigos que são músicos, sempre acabo sendo atraida pelos assuntos musicais deles. Gosto de perder (pra mim, seria ganhar) tempo com os papos sobre bandas, músicas, projetos, etc. E sempre que conheço alguém, uma das coisas que logo tento absorver das pessoas, é o gosto musical. Tem coisa melhor que trocar figurinha sonora?!

Meu avô adorava música, meu tio era baixista de uma banda que já tocou com paralamas do sucesso, e já ganhou o top 10 nas radios varias vezes na frente de nomes importantes. Se fosse vivo, talvez hoje seria um cara fomoso dessas bandas importantes. Quando eu era pequena, tudo era na base das cantigas infantis, o sono, o banho, a diversão.

Por ser assim, tudo na minha vida funciona muito com música. As minhas recordações são atraves dos sons, dos tons das vozes, das músicas. Qualquer lembrança tem uma trilha sonora. E isso é tão forte, que não posso ouvir Lenine; devido a uma má recordação, não pude ouvir Bethania por um bom tempo, e ainda não consigo ouvir “vou deixar” do Skank. É forte mesmo, uma coisa quase incontrolável.

Do mesmo jeito que isso pode ser ruim, pode ser bom também. A minha vida muda e toda a trilha também muda. Não que todo o resto seja apagado, nunca, mas os novos ares costumam vir de novos sons. E algumas músicas ficam eternizadas. Não tem como não dar um sorriso involuntário ouvindo Rama do Tianastácia, não tem como não ficar bem ouvindo Toquinho, Balão Mágico, entre outras… Volta toda a memória do momento, é incrível.

E agora, nesse momento que eu nem explicar ao certo como é que é; ando ouvindo um bucado de coisa eu diria “diferente”?! Não sei se podemos classificar assim exatamente.

A melhor coisa que posso fazer é dar um breve resumo de algumas das coisas que tenho escutado. Lembrando que; há uma infinidade de músicas que pertencem a meu setlist. Isso é só pra dar uma atualizada.

Quero muito começar com Wado que é um cara lá de Maceió, e tem uma música meio “sambinha”, mas também com um jeito meio peculiar. Eu acabei me apegando as músicas dele e não deixo de ouvir! As letras são muitas vezes simples e curtas, mas passam uma vibração boa; é uma coisa leve que, seja lá o que esteja cantando, é bem alto astral.

MPB (Música pra Baixar)

MPS (Música pra Seguir)

Por indicação de uma puta amiga minha, Yoko, passei a ouvir também o Emicida. O nome do CD que minha amiga passou é “Pra quem já mordeu um cachorro por comida, até que eu já fui longe”. O cara pode ser classificado em um genero meio hip hop.

MPO (Música pra Ouvir)

MPS (Música pra Seguir)

As músicas são quase sempre de reivindicação ou então valorizando a força e a coragem que se tem e que é preciso pra se viver em um País como o nosso. Eu indico, porque confesso que comecei a ouvir com certo receio e acabei gostando da coisa!

Tem pessoas que já me conhecem e nós já temox costume de mandar logo o link da música um pro outro, sem contextualizar nada. Depois as opiniões são debatidas e a coisa fica boa!

Nessa brincadeira, recebi um link do youtube de uma música da banda Umphrey’s McGee. Na mesma hora adorei e já lancei meu comentário “essa banda é uma mistura de Dave Matthews Band com John Mayer “ e incrivelmente a pessoa digitava algo muito semelhante a mim! E daí por diante o papo rendeu, e eu obviamente fui dar a minha “puxadinha”. Ouço direto.

Fica a divida do MPB e o MPS do Umphrey’s McGee.

Um amigo que me conhece, e sabe disso, em um dia que lhe pedi coisas novas; me ofereceu Alice In Chains, o album “Black Gives Way to Blue”. Confiei no taco do rapaz e me dei bem! O album é bacana pra caramba, uma coisa linda de se ouvir! Não me canso!

Fico devendo também MPB e o MPS do Alice In Chains.

Ouço também uma banda chamada Nuvens, que é uma banda do Paraná e que foi indicada por outra amiga. A banda tem um meio Folk, umas letras sensíveis demais, e é um trabalho bastante interessante e gostoso de se ouvir.

MPB (Música pra Baixar)

MPS (Música pra Seguir)

Outra dica deliciosa é a Imogen Heap. É uma cantora e compositora Inglesa, o som dela é com predominancia na voz, porque é realmente muito boa de se ouvir. Além de cantar, a moça sabe tocar diversos instrumentos e é compositora desde os seus 11 anos.

Vou dever o MPB e o MPS, porque não sei ao certo se ela tem MPS, e o MPB dela eu encontrei nesses sites de downloads mesmo. Então, busque aí!!!

Eu tava louca pra ouvir um Jazz, aliás ainda estou morrendo de vontade de ir em um barzinho de jazz! Mas então, continuando, eu saí pedindo pro povo alguma dica de música e acabei recebendo Lizz Wright. O som da moça é uma delícia, é uma misturinha de Jazz e Blues.

E sobre o MPB e MPS, fica a mesma coisa da Imogen, procurem em sites de downloads!!!

Escutei também MariaGadú. E olha, ou eu não entendi ou realmente rola uma rebordose por nada! A mina canta bonitinho, com uma voz grave e tals, mas nada extraordinário! Ela não sai do diferente do que já vimos como; Cassia Eller, Ana Carolina e alguma outra dessas. Tá lá no meu playlist, mas não faz muita diferença não, viu?

MPS (Música pra Seguir)

Além disso, tem o novo CD do John Mayer que eu achei bom, mas já ouvi Cds melhores. O cara é fodão, e é por isso que fica justamente a idéia de que poderia ser melhor!!!

MPS (Música pra Seguir)

Por hoje é isso, mas eu encerro o post com um pedido e/ou uma proposta: Se você for comentar, dê uma dica de música, adoro conhecer coisas. Às vezes esbarramos sem querer com coisas geniais, assim em um simples bate-papo.

Puxão de orelha n’eu!

domingo, novembro 15th, 2009

Nunca mais eu postei sobre filmes e shows por aqui, e isso é uma coisa que realmente tem me deixado um tanto angustiada. Primeiro, porque isso mostra que minhas atividades culturais andam em baixa, tenho visto poucos filmes e já até esqueci qual foi o último show que assisti. Segundo, porque o pouco do que vejo tem me dado uma preguiça enorme de escrever minha opinião detalhada sobre.

Sem querer me fazer de coitada, até porque isso é apenas parte do problema, mas é foda você não andar e depender dos outros para fazer as coisas que você faria sozinha sem nenhuma nóia; contanto que tivesse possibilidades físicas pra isso. No SESC de Santos rolaram vários shows bacanas, de jazz, samba, e até do Zeca Baleiro que eu nem gosto tanto. Não fui em nenhum, e o Sesc nem é absurdamente caro, e eu também não fiz nada que fosse infinitamente melhor que os shows. Mas de fato, não tenho como ir sozinha e obrigar papai e mamãe a ir comigo em programinha Cult é realmente difícil, só em casos extraordinários. Sendo assim, sigo o fluxo, sendo quem sou muitas vezes, e outras tantas me deixando em casa e indo só com a casca e o sorriso falso.

Por um motivo ou por outro o fato é que acho que tem faltado um pouco de cultura aqui nesse blog. São tantas coisas de dentro, tantas verdades profundas, que anda em falta de um conteúdo mais útil pra quem acessa esse meu canto.

Mas nesse post fica o meu puxão de orelha, em mim mesma, pra tomar coragem na cara e escrever sobre filmes que andei vendo, sobre Ballet que assisti e sobre músicas que tenho escutado. Shows? Não lembro quando e nem qual foi o último não…

Não, O Teatro Mágico não vale. Pra mim não é show mais, é encontro.

Carta aberta

quarta-feira, novembro 11th, 2009

Oi…

Estou escrevendo, porque eu preciso te falar umas coisas. Eu sempre preciso, não é mesmo?! Minhas palavras são intermináveis e os meus pensamentos são intensos, e os sentimentos inconstantes. Cansei de te cansar. Cansei de te entupir de palavras minhas, que a mim dizem tanto (e tem sempre um tanto a dizer) e pra ti, nem sei. Dessa vez resolvi fazer uma carta aberta, e parar também com essa coisa de escrever e apagar ou passar a noite pensando em coisas que eu gostaria de te falar.

Eu já me conheço bem, e por isso tenho tanto medo das coisas (principalmente as boas) que acontecem conosco. Eu te evitei o máximo, tentei até te tirar da minha vida. Na verdade, quase nem deixei você entrar. Mas você parece que insistiu, correu até meu encontro. Ou então eu estou louca, e me convenci de que você insistia. Veio tão forte, com uma vontade tão própria, me disse coisas que me dava medo! É, eu cheguei a chorar baixinho de tanto pavor que eu sentia das tuas doces palavras.

Você veio e tudo acabou mudando de uma forma tão diferente. Teu jeito, tuas formas de ser e de estar são tão peculiares, tão fascinantes que inebriam meus sentidos todos. Eu que tenho tanto medo, perdi. Soltei os nós, abri as portas e deixei que tudo viesse como tivesse de ser. Deixei rolar, como se dizem por aí.

Mas eu tenho tantas dúvidas, são tantos pensamentos, e eu os engulo com medo de parecer sabe-se lá o que. Luto contra minha intensidade diariamente, tantas vezes ganho e outras tantas eu perco. É que eu não sei ser metade. Eu sou inteira, completa, focada entende?! Tenho dificuldade de lidar com a distancia, e você é e está tão longe. É que eu tenho dificuldade de lidar com a perda, e eu te ganho e te perco com tanta frequencia. E eu não costumo permitir que as pessoas entrem no meu mundo, e você invadiu de tal forma que agora não vejo mais você fora dele.

Mas o que devo eu fazer se na verdade você dificilmente faz/fez/fará parte do meu mundo, aí de tão longe?! É dificil pra mim lidar com essa sua capacidade de estar tão perto e tão longe ao mesmo tempo.

Te vejo ali, quero lhe tomar por inteiro. Mas nunca sei. Um momento tão cheio de carinho, outros tão cheio de vazio. Não quero atrapalhar sua vida, não quero lhe mostrar da saudade, não quero causar má impressão. Mas quero você, quero te saber, te cuidar, te aprender.

Quando te vejo é tudo tão bom, você faz tudo ficar tão bom e tão verdadeiro. Teu olhar me convence, me conforta, confirma tudo. Teus abraços, teus toques, teu riso. É tudo tão verdadeiro que me assusta. Me assusta pensar em não ter , me assusta pensar em não poder ter isso quando eu mais preciso.

Queria te dizer tantas coisas. Queria ser bem interpretada, queria mesmo é te ter mais perto.

Um homem.

segunda-feira, novembro 9th, 2009

Eu quero um homem cheio de planos
Eu quero um homem cheio de atitudes
Eu quero um homem cheio argumentos fundados

Eu quero um homem cheio de arte
Eu quero um homem cheio de brilho nos olhos
Eu quero um homem cheio de cores

Eu quero um homem cheio de carinho
Eu quero um homem cheio de abraço
Eu quero um homem cheio de compreenção

Eu quero um homem cheio de cuidados
Eu quero um homem cheio de necessidades
Eu quero um homem cheio de sexualidade

Eu quero um homem cheio de idéias
Eu quero um homem cheio de sorrisos
Eu quero um homem cheio de vontades

Eu quero um homem cheio de sinceridade
Eu quero um homem cheio de felicidade
Eu quero um homem cheio de praticidade

Eu quero um homem cheio de amor
Eu quero um homem cheio de Tom
Eu quero um homem cheio de besteira

Eu quero um homem cheio de defeitos
Eu quero um homem cheio de qualidades
Eu quero um homem cheio de peculiaridades

Eu quero um homem…
Eu não quero um menino…

Dando espaço…

quinta-feira, novembro 5th, 2009

Ando em momento de silêncio. Nada na minha cabeça se concretiza e tudo parece mais um turbilhão. Nenhuma novidade até então, só resolvi calar e deixar passar.

Enquanto isso, pra não deixar água para, e pra ver se me inspiro, faço desse post um mural. Empresto meu canto pra outro desabafo. O “meu menino” agora quer falar:


Até que ponto sabemos o limite da sinceridade? Vale a pena ser sincero 24 horas? Vale a pena ter momentos de sinceridade, com hora marcada? Eu acredito piamente que a sinceridade tem a ver com momentos, com educação.

Eu não acredito muito nas pessoas que são sinceras o dia todo. Será que essas pessoas que se dizem sinceras, estão sendo realmente sinceras com a sinceridade em si? Ou estão criando um personagem dizendo que são o que não são, só porque a grande parte das pessoas dizem que gostam desse tipo de pessoa, mas na verdade não gostam. Porque todo mundo gosta de ser elogiado naquilo que faz e talvez no máximo, ganhar uma crítica construtiva. Eu, simplesmente, não posso ser neutro? Se eu não sou sincero o tempo todo, logo eu sou falso meio período? E se eu resolver me calar? Não criticar, nem elogiar? Eu vou ficar em cima do muro?

Acho que sempre ou boa parte do tempo, deveríamos expor o que achamos. Falar dos nossos pensamentos, das nossas conquistas e perdas, seria egocentrismo?

Ao mesmo tempo que me vem um sentimento de ódio pelo ser humano, por “n” defeitos que eu vejo nas outras pessoas e que eu sei que tenho igual, me vem também um sentimento muito bom de saber que o ser humano não é só coisa ruim, não. Ele também cresce, se desenvolve, colabora. Isso é incrível.

Leandro Dalarte (Vulgo “Meu Menino”)