Archive for dezembro, 2010

Balanceamento ANAL de 2010

sexta-feira, dezembro 31st, 2010

OS + MARCANTES DO ANO…

MELHOR MOMENTO: Foram muitos, mas devo destacar os shows The Swell Season e Dave Matthews Band.

MOMENTO TRISTE: A perda da Talita.

MÚSICA: Tudo a ver – Luiza Possi.

PESSOA: Natália

AMIGO: Todos os meus

PESSOA QUE MORA LONGE: Diogo.

3 MELHORES DIAS: 1- Show The Swell Season; 2- Show Dave Matthews Band; 3- Disney.

PALAVRAS: Conquistas

FRASE: No meu sorriso ninguém mexe!!! Não ouse tirá-lo de mim.

CHUVA: Não teve uma marcante.

SOM: das vozes das pessoas que amo.

PROGRAMA DE TV: Viver a Vida

CANTOR(A): Dave Matthews

BANDA: The Swell Season

ATOR(ATRIZ): Mateus Solano

DIA DA SEMANA: Sábado

MÊS: Outubro

HORÁRIO: 18h em diante.

MANHÃ: as da Disney.

TARDE: na praia com a Fe.

NOITE: todas com shows.

FIM DE TARDE: Algumas em boa companhia.

PASSEIO: Todos.

CHORO: Foram poucos!

SAUDADE: Vó Nair, vô Orlando, Diogo.

PAQUERA: Na lojinha da Disney! rs

SITE: Facebook e meu blog

APELIDO: Belinha / Jaquinha / Jacuda!

FESTA: Nenhuma marcante

LUGAR: Rio de Janeiro.

SONHO: Os que relizaram

ARREPENDIMENTO: As atitudes impensadas, como sair do inglês.

PROFESSOR: Cecilia

SHOW: The Swell Season e Dave Matthews Band

VIAGEM: p/ Disney

MICO: A Fernanda dizer  “Pergunta se ele tá a venda!” e ter caido da cadeira no camarim do Teatro Mágico.

DECEPÇÃO: Cada vez menos.
PEÇA: Nenhuma relevante.

ANIMAL: Polly!

MUSO: Fernando Anitelli (repetitiva eu?)

TRECHO DE MÚSICA: “Quem só condiz, disfarça “ (Fernando Anitelli)

CLIPE: Imogen Heap – Goodnight And Go

PARENTE: Natália

CARTA: Nenhuma  :(

REAPROXIMAÇÃO: Pessoal de Vitória/ES

FOTO: a do show de The Swell Season e a do Natal!

RISADA: Foram tantas, pô!

CONQUISTA: ter sido mais paciente.

SOL: O de um dia ai na praia…

PAISAGEM: Rio de Janeiro!

TRILHA SONORA DO ANO

* Tudo a ver – Luiza Possi
* Vinte e Nove– Legião Urbana
* Inquietude – Éponge
* Se puder sem medo – Oswaldo Montenegro
* Dona Cila– Maria Gadu
* Adeus – Moveis Coloniais de Acaju
* Pratododia – O Teatro Mágico
* Falando Sério – Roberto Carlos
* cha cha slide – DJ Casper
* Falling Slowly – The Swell Season

Gostaria que as pessoas tivessem cada vez mais consciência e que entendam a importância das atitudes, dos gestos e das palavras.
Que possamos ter mais gente disposta à melhorar o mundo que vivemos, a cuidar da nossa natureza e fazer algo pra coisa realmente mudar.
Quero um 2011 com gente de ação, com música boa e muitas oportunidades para todos.

“E não tem vacilo, nem engano
Que estrague nosso plano…”

PING-PONG de 2010

sexta-feira, dezembro 31st, 2010

Como é de costume, Rodrigo e eu fazemos um ping-pong todo último dia do ano. Um jeito prático e divertido de fazermos nossa retrospectiva!

Colei apenas as minhas respostas, por questões de respeito mesmo. As respostas dele, ele mesmo faz o que bem entender.

Um momento que virá a cabeça quando te falarem “ano de 2010”

Os shows que assisti esse ano. Foram bastante e de ótima qualidade.

Uma cor para 2010

Pode duas? Castanho e Azul

Música que mais ouviu no ano

Não sei! Foi um ano de músicas variadas! Mas vai, vou botar Vinte e Nove do Legião Urbana… porque o Fernando cantou pra mim no telefone! E essa música me caiu bem.

Um aprendizado em 2010

Aprendi abrir portas e janelas!!! Aprendi a me jogar mais ainda nas coisas, sem me preocupar como será. Tendo a liberdade e a consciencia de que posso ir e vir quando quiser. Eu vou, eu me jogo, se não gostar é só levantar e sair!

Uma personalidade de 2010

Natália.

Um desapego em 2010

O Fabio Machado foi meu maior desapego esse ano.

Espaço físico do ano

HSBC Brasil

Abraço de 2010

Do Fernando no último show que fui em 2010. Da Luara no Natal. Do Fabio dia 30/12/2010.

Paisagem de 2010

O Rio de Janeiro.

Um anjo da guarda de 2010

Vó Nair e Natália

Uma coisa que quer que fique em 2010

As picuinhas!

O que vai junto pra 2011?

A paciência, a consciência, serenidade e perseverança conquistadas.

PseudSurto

segunda-feira, dezembro 27th, 2010

E esporadicamente ela é dominada por uma revolta sem tamanho, e uma vontade enorme de ter um surto de sinceridade. Ela fica tão revoltada com todas aquelas frases faladas repetidamente em vários tons de voz. E o que mais a incomoda, é quando algumas dessas vozes invadem sua vida sem nem mesmo pedir licença e vão logo derramando palavras que muitas vezes ela não quer ouvir. Vozes essas que se calam quando a voz dela resolve balbuciar alguma coisa. E ela gostaria de um diazinho só, colocar merda no ventilador e jogar um monte de verdades na cara de algumas pessoas que andam precisando ouvir. Mas ela aquieta-se e assiste tudo aquilo com certo desespero interno. Ela sabe que também comete erros, e que está longe de ser superior a qualquer outra pessoa. Ela sabe que muita coisa ali ela já fez ou falou, e muito do que ela tanto odeia ver, é na verdade espelho que refletem seus maiores monstros. Ela então assiste de camarote todo aquele burburinho de gente falando enlouquecidamente e espera até sua paciência voltar.

Cantando a saudade

terça-feira, dezembro 21st, 2010

Eu tenho um amigo que pegou o rumo e foi viver ainda mais longe de mim do que já vivia. E eu sinto tanta falta de tê-lo nos meus aniversários e das minhas vontades súbita de fugir pra Minas Gerais.

Ele sabe que sou tagarela mesmo, e que sempre que transbordo eu grito ao mundo a importancia que ele tem pra mim. Porque eu nunca fui muito lá com que os outros pensam e esperam de mim, mas ele é uma das poucas pessoas nessa vida; que eu busco dar orgulho. Sempre que você me vem a cabeça, eu respiro profundo e tento ser o melhor que eu posso.

E toda vez que ouço essa música, é como se eu sentisse aqui pertinho seu cafuné e sua massagem nos pés.

Não consegui incorporar. CLICA AQUI!

Manhosa

sexta-feira, dezembro 17th, 2010

Quando eu era (mais) pequena, tínhamos o hábito de cantar para tudo. Era música para os passeios de carro, para o banho, para dançar no ar-condicionado…

E tinha uma música que o meu pai sempre cantava pra mim e minha mãe acompanhava. Eles diziam que eu era assim mesmo, manhosa demais e que essa letra era todinha eu. Isso ainda pequena, mas eu desconfio que eu tenha muito dessa manha até hoje.

Não consegui incorporar CLICA AQUI!

Porque não gostar do Jô Soares?

segunda-feira, dezembro 13th, 2010

Algumas pessoas já sabem que tenho certa birra com o Jô. Daí tem gente que não entende, e muitas pessoas me perguntam se isso é gratuitamente ou se houve alguma coisa. Na verdade; os dois, e eu vou explicar.

A principio nunca gostei da parte comediante do Jô, sempre achei meio bobo e um pouco pejorativo. Sempre preferi o Chico Anysio e na verdade acho que nem tem comparações, mas soube que houve um desconforto entre os dois, que eu não sei detalhadamente mas sei que algo competitivo de humor e coisa e tal.  E isso só me fez gostar menos do Jô.

Depois eu vi o Jô Soares como apresentador, lá no SBT ainda, e já passei a não gostar. Eu não gosto de gente que se mete a ser o mais entendido do assunto. Gente que fala mais do que o entrevistado e pega sempre um gancho da entrevista para falar de si próprio. Sei lá, o Jô segue todas as regras do Jornalismo; ao contrário. Ainda por cima treme como uma vara, quando a entrevista foge da pauta! Coisa de gente desinformada! Faça-me um favor!

Além disso, não gosto do Jô sendo entrevistado em eventos, não gosto do modo que se comporta, como fala, como se veste e como dirige sua carreira! E essa parte é por gosto mesmo, eu não gosto e fim de papo!

Achando que já tinha motivos suficientes pra não gostar do cara, soube que ele tem um filho deficiente internado em uma clínica e que ele tem dificuldade de aceitação. Não sei até onde isso é realmente verdade ou boatos que se ouve por aí. Eu mesma nunca vi o Rafael, esse é o nome, e nem nunca vi uma matéria falando sobre a aceitação ou não-aceitação. Mas pra um cara tão vivido, estudado como o Jô gosta de demonstrar que é, acho muito ruim ter esse tipo de preconceito.

Trazendo isso pra mais perto, eu mesma já fui no Jô Soares uma vez e a forma como ele olhou pra mim foi realmente desconfortável. O cara arregalou os olhos como se eu fosse uma coisa de outro mundo, uma outra espécie do “Et Bilu”, o “ET Belinha”. Olha, eu sei que nem todo mundo é igual e nem todo mundo lida com os problemas da mesma forma. Mas sabe, o cara é apresentador de programa de televisão, é viajado, é “Cult”, tem um filho autista, e não sabe lidar com o “diferente”?! Acho isso meio contraditório.

Além disso acho muito desrespeitoso o fato dele nunca, ou quase nunca, estar presente nas apresentações musicais do programa! Porra, faz a gravação do programa de forma que ele assista os musicais. Acho que fica feia a edição e feio pra ele mesmo. Parece que tá cagando pra apresentação da pessoa.

Sobre as humilhações que rolam com alguns entrevistados, e que o ele parece adorar caçoar da cara desses entrevistados, eu nem preciso desenvolver um parágrafo, né? Todo mundo sabe, todo mundo vê, todo mundo se irrita e todo mundo odeia.

Na contramão de si, só.

terça-feira, dezembro 7th, 2010

Quero ser ouvida

Mas não quero falar!

Dá pra adivinhar o que penso?

Já não dou mais sinais!

Quero um conforto

Um sinal desses qualquer!

Preciso de ajuda

Mas tô me virando bem!

O choro me sufoca

E eu só consigo sorrir

Acho que estou amando!

É só uma de minhas bobagens!

Tenho novidades!

Nada de tão importante!

Tô morrendo de saudade!

Qualquer dia a gente se esbarra!

Ouça o que vou dizer

Vamos falar de você?

O que foi que você disse?

Desculpa, é que hoje não quero falar!

Vamos embora!

Amanhã a gente pode marcar

De ser ao triplo o que sou em um simples vôo

quinta-feira, dezembro 2nd, 2010

Ao contrário de qualquer taurino, odeio mesmice. Gosto de ter um porto seguro onde eu possa confiar e fixar meus pés durante um período, mas logo aquilo me entedia e eu sinto necessidade de voar pra outros horizontes.

Me disseram uma vez, que a borboleta depois de deixar de ser lagarta, ela voa vários lugares e então volta pra morrer onde deixou o seu casulo. Achei tão bonito, me identifiquei com a história.

Mas voltando a minha dificuldade com a rotina, eu me canso de muitas coisas. Outras não, devo confessar, mas a maioria. Me Canso de amigos que vejo com muuuuuuita freqüência, me canso dos mesmos lugares, me canso de algumas cores, me canso de certas roupas, certos assuntos, certas situações. Eu me canso das fotos dos meus murais, da comida que eu mais amo, e principalmente de músicas.

Eu me canso também do meu nome, queria me chamar Fernanda de todo jeito! Mas acho Izabela lindo, não sei como faria sem ele! Me canso demais  do meu nickname, que nunca notou? Mudo toda hora!!  Chega um dia que mudo tudo! Troco meus nomes, faço novos emails, me deleto do Orkut, troco todas as minhas fotos dos murais do meu quarto e dos meus avatares virtuais.

Tenho três personagens dos quais costumo circular nas minhas mudanças repentinas; A Jaca, a Belinha e a Iza Freitas.

A Jaca

A Jaca é meio doida e meio estranha. Ela coloca peruca louca, faz almofada personalizada, se confunde com os sentimentos. A Jaca fala merda, briga, berra, brinca e dá risada. A Jaca é uma JACA mesmo! A pomba pousa na cabeça da Jaca, a cerveja cai em cima da Jaca, o sal voa pra cima da Jaca e a camisinha em bola de gás estoura e vai parar na mão da Jaca! A Jaca nunca vê o buraco no chão, nem a escada ao lado. Se a Jaca andasse, viveria caindo por aí! A Jaca é aquele ser estrainho que vaga por aí com total imprevisto.

A Belinha

A Belinha é uma menina doce e delicada. A Belinha é canceriana, e qualquer insulto ou falta de atenção vira mágoa. Ela gosta de abraços demorados, de música calma e de cores leves. A Belinha é uma princesa. É aquela bonequinha que vive por aí suspirando as palavras doces que ouve pela vida.

A Iza Freitas

A Iza Freitas tem quase 30 anos, é forte e responsável. A Iza Freitas assina documento, escreve textos e procura emprego. Ela gosta de marrom ou rosa bem forte. É irônica, brincalhona, e amiga. Sabe da onde veio, o que aprendeu e onde quer chegar! A Iza Freitas é taurina, torce pro São Paulo, sonha em morar no Rio de Janeiro e gostaria de um dia ser Ministra da Cultura.