Archive for fevereiro, 2011

DR com o Coração

domingo, fevereiro 27th, 2011

 

I – Oi?

C – oi…

I – sabe o que é…?

C – Sem dramas Izabela, eu nasci pra amar sempre e em todos os sentidos… não é atoa que sou símbolo do amor!

I –  Mas sabe o que é… eu ando cansada de entender certas coisas. Se fosse pra ir a luta e batalhar como todo mundo, eu juro que eu não ligaria! Mas sabe, Coração, eu já cansei de começar uma guerra já perdida!

C – eu sei das tuas dores, nessa guerra quem sangra sou eu! Sei do que fala, mas entenda que é assim! Tem gente pior, acredite! E a gente, eu e você, já deveríamos aprender a lidar com isso… além do mais, a culpa mesmo é SUA!

I – Sabia que a culpa seria jogada pra mim! O que eu fiz demais? Fiz o que faço sempre, com tantas outras pessoas!

C – Naquelas né? Você sabia que ali tinha o melado que vc gostava!

I – Eu sei, mas sabe… a vida me jogou…

C – Antes eu era culpado, agora é a Vida? Sei! E outra, isso nem é de hoje… porque agora deu pra fazer drama?!

I – Não, mas agora que tá mais tchan entende? Agora que cai na real…

C – Mais ou menos, né? Você sabia onde ia dar essa estrada!

I – GRRRRRRRRRRR!! Pelo menos me ajuda a não sofrer?

C – seja controlada e reze pro Sr. Equilibrio não te abandonar! Hahaha

I – E você ainda zoa, Coração? Isso dói! Tô comendo horrores por causa disso!!! To até com um machucado novo nas costas, por causa dessa tensão!!

C – Então não fique tensa! Colha o que for melhor disso tudo… e a gente vai se sair dessa!

I – Vou rezar pra ele sempre estar por perto, assim fica menos dolorido!

C – E vá em um psicólogo pra não vir mais nenhuma neurose! Hahaha

I – Ahhh para de me chamar de louca, Coração!! Você me mete nessa e depois ri! Eu me preocupo com VOCÊ, viu? Você!!!

C – eu sei, vai lá rezar e vamos torcer pra ele não me machucar e a gente não sentir dor! Acho que se eu sangrar de novo, não resisto!

I – Disso que tô falando… mas  enfim! Sou louca! Tchau…

C- Tchau!

Parte Coração

sexta-feira, fevereiro 25th, 2011

Pedro Luís & A Parede


Parte Coração
Aprende que tua missão nessa vida é sofrer
Pobre coração
Dói no fundo do peito
Dizendo que existe
Mostrando que insiste em sofrer, em sofrer

Chore e bate mais forte
e as vezes mais manso
que eu mesmo não canso
de me apaixonar

bata e se dê o direito de gostar de alguém
que eu dou um jeito de gostar também
sou teu companheiro até no sofrer
mas vê se de vez em quando, em vez de chorar
você ri um pouco que é pra compensar
toda essa tristeza que é de nós dois

Parte Coração
Aprende que tua missão nessa vida é sofrer
Pobre coração
Dói no fundo do peito
Dizendo que existe
Mostrando que insiste em sofrer, em sofrer

Chore e bate mais forte
e as vezes mais manso
que eu mesmo não canso
de me apaixonar

bata e se dê o direito de gostar de alguém
que eu dou um jeito de gostar também
sou teu companheiro até no sofrer
mas vê se de vez em quando, em vez de chorar
você ri um pouco que é pra compensar
toda essa tristeza que é de nós dois

bata e se dê o direito de gostar de alguém
que eu dou um jeito de gostar também
sou teu companheiro até no sofrer
mas vê se de vez em quando, em vez de chorar
você ri um pouco que é pra compensar
toda essa tristeza que é de nós dois.

Rosa vermelha-intensa

segunda-feira, fevereiro 21st, 2011

No meu jardim havia um caule cheio de espinhos, todo verde

Um caule espinhoso no meio de um jardim de cores.

Olhava-te de longe, nunca ousei tocá-lo

Tinha medo da força daqueles espinhos pontiagudos

Um uma bela noite de forte sereno, tornou-se flor

Flor vermelha intensa, forte e vibrante

Diante de tamanha majestade, ousei dedilhar tais pétalas encharcadas de sereno

Senti na ponta dos dedos a suavidade de sua textura

Eram saias, muitas delas, em círculos

No centro, quase escondido, havia um coração

Coração que vertia mel; pra poucos

Abelhas e zangões bebericavam seu suave mel

Dera eu ser borboleta pra dançar-te o balé mais bonito que já se viu

És rosa vermelha-intensa no meu jardim de cores

Rego-te de carinho meu

Contra adição.

quarta-feira, fevereiro 16th, 2011

Tenho a sina de cuspir pro alto e sempre ver cair na minha testa. Isso é tão constante e tão difícil pra mim que tenho (ou tinha, porque ando podando) um orgulho do tamanho do mundo. E tudo que eu jogo no lixo, é o meu tesouro do dia seguinte. Tudo aquilo que guardo, apodrece com o tempo. Sou uma contradição ambulante! Mas aprendi a ser assim, e daí?

A cerveja que eu tanto amaldiçoei aos prantos e também aos berros, é a mesma gelada que tomo de canudo no bar, na companhia dos amigos. Todas as frutas, verduras e legumes que tanto cuspi quando era criança, se transformou no vício de não saber mais almoçar se não tiver uma saladinha pra acompanhar. As pessoas que nunca dei trela são as que ficaram, e das que batalhei pra ter; poucas restaram.

Eu nunca quis na vida viajar assim para o exterior, e nunca gostei nem tive curiosidade de conhecer a Disney. No entanto já fui três vezes e sempre foi as melhores viagens da minha vida!

Eu que sempre detestei conversar, falar e responder qualquer pessoa; me formei em comunicação, adoro fazer seminário e sonho ser um dia Ministra da Cultura no Brasil.

O cara chatinho, sem graça, que parecia um retardado querendo ser legal com umas piadinhas infames e que me fazia sentir vergonha alheia em milhões de ocasiões; foi o cara que apareceu pra ser simplesmente o amor da minha vida. E todas as vezes que eu fugi do abraço, do carinho e dos olhares fixos, foram sempre os momentos que tudo que eu mais queria era abraçar, acarinhar e buscar o olhar.

E eu escrevo pra mais uma vez repetir a história de que a pessoa que eu tanto prorroguei, tanto evitei, tanto mantive fora da minha vida; é a mesma que hoje eu tenho tanto medo de perder, de não aproveitar tudo e que eu passo momentos pensando o quanto a gente já podia ter se conhecido e a infinidade de momentos que perdi longe dessa pessoa.

Acho que no fundo, tenho mesmo é uma repulsa à tudo que um dia posso querer pra sempre! Como se o intimo avisasse que aquele “produto” pode causar dependência! Mas no auge da minha “crise dos 30” ando aprendendo, não de hoje, a prestar mais atenção nos presentes que a vida oferece. Ando jogando lixo pra fora com mais rapidez e zelando melhor os meus tesouros.

5 a Seco

segunda-feira, fevereiro 14th, 2011

A primeira indicação foi aqui no meu blog. Alguém, que não me recordo quem, me indicou 5 a Seco nos comentários de algum post de música que eu fiz. Depois disso, mais gente comentou comigo, mas sempre muito por alto. Eu, que não sou besta, já tinha escutado desde a primeira indicação há tempos; no meu blog.

Mas eu sou preguiçosa, ai como sou! Gosto de coisas meio que mastigadas e só assim acabo indo atrás. Tenho um amigo que muitas vezes me indicou coisas boas, mas ele sempre debateu comigo as indicações; sempre deu aquela introdução histórica daquilo que tava me indicando. Depois dele, outras pessoas já fizeram e fazem o mesmo! Eu gosto é disso; do debate musical, e não daquela coisa jogada como comida servida em bandejão!

Infelizmente, 5 a Seco não teve aquela introdução toda e por isso eu acabei digerindo em doses homeopáticas, só quando me dava paciência de ler ou ficar horas no youtube fuçando. Mas acabei gostando muito e deixei ali quietinho, porque nunca havia aparecido uma oportunidade de conferir um show dos caras!

De repente fiquei sabendo que 5 a Seco vinha pra Santos, sugeri aos amigos e surpreendentemente todos toparam ir. Pagamos deliciosos 3,00 no SESC e fomos felizes e contentes!

O show da banda não tem nada de extraordinário, mas tem os principais ingredientes para, em minha opinião, ser um show excelente! Além de um cenário simples e criativo; bons músicos, bons instrumentos, simpatia, presença de palco e boa música (mesmo que não sejam TODAS). Os cinco rapazes dividem o palco, os instrumentos e os microfones! Vou explicar…

O palco ascende e vemos cinco rapazes e cada qual com um instrumento e um microfone. No cenário; uma bateria no lado esquerdo, um computador no chão, um teclado, e os violões pendurados em uma espécie de trapézio. Os músicos revezam de instrumentos entre si e na troca acontecia uma espécie de sincronia no palco. É divertido e interessante.

As músicas são quase 100% de autoria própria. Passeiam por MPB, ROCK, Eletro, e até umas com balanço mais nordestino. São cantadas em momentos por todos, em outros momentos por alguns e alguns momentos por um único integrante. Não tem falação, não tem pentelhação, o show inteiro é cantado. Mas isso não faz os integrantes bestas, pois a simpatia do grupo é revelada indiretamente durante as trocas de músicas, e confirmada no término do show. Eu quis dizer, naquela hora dos agradecimentos! Os rapazes são simpáticos, brincalhões e reconhecem a presença do público, da equipe, da cidade e do lugar onde tocam!

Após o show os caras descem, atendem o público e vendem os CDs por um preço justo.

Não foi o melhor show do mundo, tendo em vista que no meu currículo de shows tem Dave Matthews Band, The Swell Season, O Teatro Mágico, Maria Bethania, Ana Carolina, entre outros. Mas sem dúvidas foi um show sensacional e que fica altamente indicado a todos que tiverem oportunidade de assistir. Se 5 a Seco passar por sua cidade, não perca!

Nota: 8.7

Música:

VOU MANDAR PASTAR
Vinicius Calderoni

Tenho estado sempre aflito
por guardar em mim um grito
de rancor irresoluto
incrustado nas idéias.

Fui ficando esquisito
na fatura de conflito
vou vivendo o não dito
e sofrendo as intempéries.

De uma dor que é tão difusa
torna as tardes inconclusas
desencanta os meus sentidos
e desmente o que se você.

E eu, já tão desiludido
apenas não acredito
como ainda tenho gana
de querer falar bonito? (de querer ganhar no grito)

Vou mandar pastar
vou parar de pensar pra viver
pois quem tem muita pressa
não pousa a cabeça em nenhum lugar.

Vou mandar pastar
vou parar de pensar pra viver
pois só quem perde tempo
é que acha que não tem mais tempo a perder.

De Pernas para o Ar

quinta-feira, fevereiro 3rd, 2011

Fazia tempo que eu não aparecia no cinema, tem horas que cansa mesmo e eu dou uma mudada no meu roteiro de vida. Mas me falaram tanto do filme “De Pernas para o Ar”, que eu resolvi assistir e ver se era tudo isso mesmo.

Na verdade, esse foi o único motivo mesmo. Eu acho a Ingrid Guimarães com um humor meio sem gracinha, e acho que ela não tem nada muito genial. Além disso, o filme também nem me chamava muita atenção não. Papinho de sexshop e masturbação é quase piada pronta, vai?! Tinha ainda o clichê sobre essas mulheres bem sucedidas que acabam roubando o papel do homem na casa, e nunca tem tempo pra nada a não ser o trabalho. Já começa a mentira e o preconceito; a mulher consegue trabalhar fora, cuidar dos filhos e transar a noite.

Fui assistir em um sábado a noite, última sessão, e com a minha prima! Super piada pronta também, né? Duas mulheres indo assistir “De pernas pro ar” sozinhas, em pleno sábado a noite. Ah, e daí? Fomos lá as duas com a mesma sensação de que não seria nada muito assim marcante. E não foi, de fato.

O filme é muito melhor do que eu poderia imaginar. Além de não ser lá muito fã da Ingrid Guimarães, eu também acho o Bruno Garcia meio fraco como ator e principalmente na tentativa de ser engraçado, e também não sou admiradora da Maria Paula. Ou seja, o filme tinha todos os ingredientes pra ser uma bosta e não foi! E o filme tem sim lá os seus picos de graça, mesmo não sendo pra mim os mesmos picos que foi pra maioria esmagadora. A tal cena engraçada que foi tão comentada dia desses, em mesa de bar, nem é tão engraçada assim. Eu poderia destacar outras cenas mais engraçadas e interessantes.

No final das contas, todos os atores do filme levemente me surpreenderam. Todos interpretaram um personagem teoricamente comum que, de acordo com as circunstancias, viviam momentos que visto por nós telespectadores; torna-se engraçado. A desgraça alheia, na real mesmo, é de fato uma coisa que nos faz dar risada. Pelo menos eu, ri muito mais nas cenas mais sutis do que nas cenas onde rolaram uma intenção de ser engraçada.  Cenas assim eu acho patética.

No mais, ainda está longe de comparar com “Se eu fosse você” I e II. Aliás, é pecado tentar comparar qualquer filme brasileiro e de comédia com as duas versões de “Se eu fosse você”. Galera tem que ralar muito pra chegar à Tony Ramos e Gloria Pires, tem que estudar muito ainda.

Se fosse pra dar uma nota? Eu daria 7.0 .  Não merece ser reprovado, mas ainda tem filme melhor aí no hall.