Archive for maio, 2011

Capítulo 30

quinta-feira, maio 5th, 2011

Nunca me senti tão eu em mim! Acho que os 30 anos é a idade da conscientização feminina! Sou quem quero ser AGORA! Perdoem meus excessos, transbordo por todos os poros! Não me pintes de Santa, quando digo que transbordo; não me refiro só ao amor! Também transbordo raiva, medo, desejo/tesão e claro que sim o amor também! Tenho em mim todos os sentimentos, uma vontade enorme de pular de pára-quedas, de gritar ao mundo que me encontrei! E me encontrar hoje, é saber me perder também. É saber exatamente o peso das minhas lágrimas e dos meus sorrisos. É saber pagar o preço das minhas escolhas e, principalmente, das minhas palavras. Fazer 30 anos, não é ficar velha não! Jamais! Trinta anos é aquele ponto que a fruta amadurece e pula sozinha lá do alto da árvore! Pra mim, fazer trinta anos é encontrar o eixo. É ser seu próprio centro de equilíbrio. Mas nem por isso não deixar-se desequilibrar, claaro!  Fazer 30 anos não é ter a “crise dos 30”, crise a gente tem desde que nasce até o dia que morre; aos 30 anos a gente só toma consciência de que aquilo é uma crise e que logo passa!

As Claves da Gaveta

terça-feira, maio 3rd, 2011

O texto abaixo é um texto arriscado de ser escrito, porque tudo que envolve algum tipo de laço; pode ser contaminado com a parte sentimental e com puxa-saquismo. Mas me arrisco mesmo assim, porque sei que quanto maior o laço eu tenho; acabo sendo muito mais crítica justamente por saber a capacidade do que pode ser feito.

 

… Portanto, sem alfinetadas! Rs

 

Escutei o novo trabalho de Fernando Anitelli. Não, eu sei que “O Teatro Mágico” é de muitas mãos e sons; mas esse é realmente o novo trabalho de Fernando Anitelli. Trata-se do primeiro CD solo de um cara acostumado a subir no palco com mais de 15 pessoas dividindo o mesmo. Agora todos se voltam para um homem sem pinturas, fantasias, e que agora compartilha o palco com apenas mais dois integrantes; um baixista e um baterista.

 

O nome escolhido para o primeiro CD foi “As Claves da Gaveta”. Essa idéia de titulo nasceu por se tratar de músicas guardadas na gaveta há tempos e agora foram mexidas, atualizadas e ganharam um CD feito com todo o carinho musical merecido. São músicas para serem degustadas acorde por acorde, como goles de vinho.

 

O Cd começa com “Menina do Balaio” de um arranjo com certo balanço que dá vontade chamar um par e dançar junto e agitadinho pelo salão. Ela tem uma ginga gostosa que a versão demo não tinha. A bateria é marcante e gostosa, ela que dá essa coisa dançante na música. A voz está ótima. Tudo está bem harmonioso.

 

Em seguida vem a música “Cuida de Mim” que perdeu o tom triste que tinha na versão antiga. Ela tem um piano (?) e o ritmo é gostoso e relaxante. Dá vontade de sentar no chão da sala e ouvir quietinha batucando levemente a mão em algum apoio, no mesmo ritmo da bateria. O instrumental está gostoso e mesmo não gostando do tom agudo do Fernando, nessa música ficou bom. Liberta um pouco as agonias, é uma música de desabafo, de pedido de socorro… É uma carência que se assume.

 

Eu não gosto da música “Soprano”. Não tente me entender, é uma música qual eu não gosto do arranjo, harmonia, sei lá como se diz. Essa nova versão tem trechos muito bacanas, gostoso, com um ritmo contagiante e tudo mais. Mas tem trechos confusos, sem harmonia, que tira todo o clima. Além disso, nessa música eu já não gosto tanto do agudo dele. Exagerou e foi muito alto. Mas assim, no geral a música tá ótima e os músicos sensacionais. Mas, pra mim, podia ser não necessariamente melhor; mas diferente.

 

“Na Varanda” está praticamente igual. É óbvio que milhões de vezes melhor, e tocada delicadamente. As partes instrumentais são deliciosas. Mas eu tiraria a voz feminina. Eu sempre ouvi essa música com voz feminina e o Fernando quase como segunda voz. Mas nessa versão que ele canta uma estrofe sozinho, deixa nítido que ele podia ter cantado a música inteira sozinho! Ia ficar linda!! Mas eu adorei a parte da música que eles só cantam “ahh…” ficou gostoso e foi o que deu uma mudada.

 

Eu amo o número 5 e esse número me segue desde que nasci :). Então achei que ia dar sorte da 5ª música ser a minha preferida. E não foi. Mas foi uma que eu também gosto demais; “Saudade de Chumbo”.

 

Essa música não mudou muito, a não ser pela introdução e pelo solinho no final. Lógico que em uma versão muito melhorada, mas essa é uma música que não vai surpreender tanto. E, eu preciso falar que achei fofo a parte do “carinho guardado”… ficou doce, delicado. Essa música me lembra sempre minha sobrinha de 6 anos.

 

A música número 6 eu não deveria falar!  Ela é muito especial pra mim. Tenho ela tatuada!! É av“Dos dias depois de amanhã”, conhecida como “Menina”. Mas vamos lá, tenho que ser fria e crítica. Ela está simples, com um outro balanço também. Não é necessariamente lenta, na verdade ela está bem jazz… E tem agudo! E quantos! rs! Mas não ficaram ruins! Juro! Ao mesmo tempo em que mudou bastante o ritmo, a música não perdeu a identidade.

 

A música “Durma medo meu”, ao contrário de “Na Varanda”, causou certa estranheza ver o Fernando cantando sozinho. Mas foi uma sensação inicial, aquela coisa do novo. Depois que ouve mais de uma vez fica até simpático isso. Essa é uma música que ficou bem diferente ela toda. Acredito que está entre uma das que mais vai surpreender. No final tem um efeitinho bacana e um som gostoso, diferente. Me veio som havaiano na cabeça, nada ver né?

 

“Perto de você” também está no repertório e está com uma leve mudança. Não é nada muito gritante, mas são mudanças significativas. Daquelas mudanças que só aprimoram, não muda completamente o rumo das coisas. Uma delícia ouvir o trecho da música que o Fernando canta “estou tão certo de você…” às 04h 21, no fone de ouvido.

A primeira que ouvi foi a “Realejo” e devo confessar, viciei total. A música ficou deliciosa, sem perder a as características que já tinha. Mas ao mesmo tempo, mudou tanto. A voz e a maneira do Fernando cantar; ficaram muito, muito, muito boa!!! Pra mim, é outra das melhores do CD. Eu faria dessa, carro chefe.

 

Sempre gostei da mensagem, mas nunca gostei muito da melodia da “Primeira Semana”.  Essa é a terceira versão que ouço e mesmo assim não ornou com meus ouvidos. Não sei muito bem explicar essas coisas, mas é uma pena quando gosto da música, letra, mas algo do conjunto não bate. No CD ela está bacana, com alguns artifícios interessantes. Mas não é aquela preferida.

 

“Samba de ir embora só” é com certeza a música mais esperada do CD. E pra mim ficou ótima! Eu tenho um gosto por músicas mais pesadinha, com uma guitarrinha forte e eu achei que ela ficou ótima. Muito diferente da versão tocada no Teatro Mágico, o que pode causar certo estranhamento e até rejeição. Pra mim, tá aprovadissima!

 

No geral, o CD é uma nova porta que irá se abrir na vida de Fernando Anitelli. Expectativas à parte, é um CD que eu acredito que terá muita crítica dizendo ser “mais do mesmo” e até que Fernando anda se contradizendo em relação a ser “Cover de si mesmo”.

 

As Claves da Gaveta é um CD para ser apreciado com certo gosto e conhecimento musical. Não é tietagem, dança, pulo, bagunça, é o momento inicial para Fernando Anitelli ser visto e criticado como músico e não mais como idealizador.

 

Eu aprovei e já estou ansiosa para o próximo!