Por partes!

Hoje vamos organizar por tópicos, já que minha cabeça está uma bagunça organizada imensa. Por partes e didaticamente, como está aqui dentro.

Dias de insônia tem revelado uma ansiedade maior do que a costumeira. Fico acordada, com sono e sabendo que deveria estar dormindo, porém com certa “eletricidade” incomum, que impede o relaxamento para a vinda do sono. Durmo pensando em acordar, e acordo pensando e sair logo da cama.
Só não descobri ainda o motivo grande da tal da ansiedade absurda, mas mais cedo ou mais tarde ela se revela, pode deixar!

Essa instabilidade pós-faculdade dura muito mais do que eu imaginava e gostaria. O vazio da quebra da rotina é torturante, 15 anos estudando pra de repente ser arremessada ao mundo cão sem mais nem menos. E é essas horas que vemos que trabalhar pode ser a grande salvação financeira e psicológica de um ser humano.
Mesmo sabendo que eu de certa forma já trabalho, e que mesmo assim também não estou “parada” e nem “esperando cair do céu”, essas incertezas todas, são horríveis.

Ando pensando muito, e me sentindo orgulhosa com a falta de necessidade de expor as coisas. Acho que estou chegando onde eu gostaria e aprendendo a ser como eu queria ser. Fiquei feliz ao surpreender duas pessoas quando contei uma velha novidade. Sinal que aprendi um pouco como ser uma pessoa reservada.
Chega de emoções a flor da pele, de sentimentos transbordando pelos olhos, bocas e dedos. E, principalmente, chega mesmo é de inconstância, a instabilidade emocional acelera o coração e dá uma puta adrenalina, mas depois você geralmente chora de dor, com os tantos arranhões dentro do peito.

Superando-me a cada dia e nem eu acredito no que sou capaz! Estou feliz por tudo isso e por me colocar a prova e conseguir passar com louvor. Agora, como diria o Teatro Mágico; “sinto que sei que sou um tanto bem maior!”.
Parece que sou louca né? Mas tem coisas que só a gente sabe a dificuldade que é, e quando encara com força e dignidade merece mesmo se achar foda pra caralho e não estar nem ligando para o egocentrismo.

Vou parar por aqui e vou durmir pra ir a luta. Que a vida tome um rumo e as coisas comecem acelerar. Dizer que não anda seria injusto, mas eu podia entrar numa velocidade um pouco maior, isso pode. Afinal de contas, eu sempre gostei do vento no rosto.

Leave a Reply