Viagem.

Fui pra São Paulo resolver alguns assuntos pendentes, mas é aqui pertinho e eu acredito que a maior viagem feita foi mesmo a minha no meu interior.

Ansiosa como sou, fui logo para o futuro. Era uma estrada vazia, mal sinalizada e pouco construída. A estrada era metade de terra, com bastante buracos, e algumas partes começava-se a ser asfaltada. Para dirigir era preciso força, pois se não fosse um punho forte meu carro cairia nos primeiros buracos.
Nessa estrada não tinha fim, não tinha paisagens nem morros, nem cidades, nada. Me senti absolutamente sozinha e perdida, sem saber pra onde ir. Foi então quando resolvi parar no acostamento, mentalizar e viajar para o presente.

No presente eu me desesperei. Me vi em meio a um transito enorme com diversos barulhos de buzinas, rádios, tv, propagandas, pessoas gritando e falando no meu ouvido sem parar. Poluição sonora das brabas! E a poluição visual? Eram pessoas, placas, carros, outdoors, cores e luzes para tudo quanto é lado, várias informações e questionamentos ao mesmo tempo.
Me vi parada em um dos milhares de semáforos, com um carro atrás mandando que eu seguisse em frente sem medo, enquanto o carro da frente empacava meio caminho e não me deixava prosseguir.
Sem saber o que fazer em meio a tantas buzinas, transito e tantas cobranças, eu abaixei a cabeça sob o volante e mentalizando novamente viajei para o passado.

No passada encontrei a calmaria que precisava e algumas respostas que buscava. Andei por ruas tranqüilas, bem construídas e sinalizadas da forma certa. Vi algumas lombadas por quais já me acidentei algumas vezes, mas que me ensinaram a não correr demais e nem tentar andar devagar demais.
Lá revi minhas ruas favoritas, revi pessoas, atitudes e aprendizados. Eu sabia todos os caminhos como a palma da minha mão. Quantas vezes já virei por ruas erradas, dessa vez eu já sabia os caminhos de cor.
Mas foi sentada na calçada na rua das minhas melhores lembranças que eu notei que ali de nada me adiantaria ficar, o passado é como uma casa de praia ou uma fazenda, muito bom pra tirar férias, mas era naquele transito infernal do Presente que eu seguiria meu caminho para o futuro, e de acordo com que me informaram o futuro é lindo, e eu fiquei morrendo de vontade de visitar, mesmo que eu deva passar por todo o congestionamento do Presente.

Mentalizei novamente e quando vi, eu me encontrava dentro da Kombi na porta de casa, chegando de São Paulo, e com vários sonhos para chegar mais rápido e melhor no Futuro.
Só espero que quando eu chegue lá, pelo menos as ruas já estejam asfaltadas!

3 Responses to “Viagem.”

  1. Yolanda Says:

    Ai, Iza, eu estou bem como você, sabe, passando pelo congestionamento do presente esperando chegar rapidinho a um futuro de ruas asfaltadas. Mas, na verdadem tudo o que eu quero é voltar para o passado, mesmo com todos os buracos que haviam neve ^^
    Beijos, querida =**

  2. Rodrigo Says:

    hmmmm, texto metafórico esse xD
    estilo cronica…
    me lembrou akela cidade
    q a gnt falou q vai morar xD
    e achar um Novo Horizonte 😉
    huahauhau axD

  3. Silvia Odete Morani Massad Says:

    What i don’t realize is in truth how you are no longer really much more well-liked
    than you might be right now. You’re very intelligent.

    You recognize therefore significantly on the
    subject of this subject, produced me personally imagine it from numerous varied angles.
    Its like women and men are not interested except it is
    one thing to do with Woman gaga! Your individual stuffs nice.
    At all times handle it up!

Leave a Reply