Teatro de mulherzinha

Eu nem sabia direito o nome da peça, mas fui chamada pelas meninas e um convite de teatro, shows, cinema, ou qualquer evento cultural, é raramente recusado por mim.

Além da companhia boa, os atores eram Nicette Bruno e Paulo Goulart e o título eu sabia que era algo que me chamava atenção. Chegando lá entendi, o título era “O homem inesperado”, e tudo que envolve qualquer coisa assim; acaba chamando atenção de mulher, seja ela romântica ou não (como no meu caso).

Confesso que achei a peça meio monótona. É bonitinha e trata de muitos assuntos que nos fazem pensar bastante coisa. Aborda assuntos diversos como; comportamento, amor, trabalho, desejos e as expectativas que todo o ser humano acaba criando em relação à outras pessoas.

Na história, Marta está viajando de frente para o seu ídolo. Durante toda a peça é mostrado os pensamentos, desejos e aflições de Marta em relação ao seu escritor favorito. Já o escritor por sua vez, acaba fazendo também, em seu pensamento, diversas analises sobre sua vida, seus livros, comportamento humano e até sobre a senhora sentada a sua frente, a Marta.

Os atores são ótimos, e mesmo no inicio eu ter desabafado que a peça seja um pouco monótona, é muito bacana ver como eles seguram o espetáculo inteiro em um revezamento de monólogos. Não é coisa fácil não.

Me identifiquei um bucado com a peça, nem preciso dar maiores explicações, e sai de lá com a sensação de alívio como se muita coisa dita ali no palco fizesse parte de desabafos meus. Saí leve, e com uma sensação deliciosa que o teatro quase sempre nos proporciona.

One Response to “Teatro de mulherzinha”

  1. Silvia Odete Morani Massad Says:

    Good way of explaining, and nice piece of writing to obtain data about my presentation topic, which i am going to present in university.

Leave a Reply