Desde sempre…

Desde sempre, fui chamada de muitas coisas nessa vida. Além da tão comum mania alheia de te rotular tal como bem entende e confia em seus entendimentos; ainda me tornei uma criatura de tantos nomes, tais quais com sua personalidade quase própria.

Nasci e cresci sendo Belinha, pra toda a família. Sempre foi assim, até nascerem os derivados como Bela, Bebela, Beleca. Esses todos me remetem à família, infância, cheirinho gostoso da pureza e do amanhecer.

Ao entrar na escola me tornei Iza. E ser Iza sempre me soou ser eu mais independente mais auto-suficiente. Iza me soa forte, de quem acredita que eu vou lá e faço o que devo fazer. Foi na escola onde me tornei mais independente que me tornei Iza.

Durante um tempo meio paralelo, me tornei por vontade própria; Duduzinha. E ser Duduzinha quase que me transformou em um personagem paralelo do meu verdadeiro EU. Muitas pessoas me conheceram Duduzinha e nunca sequer souberam meu verdadeiro nome. Outras souberam, e outras se surpreenderam por não se tratar de nenhuma Eduarda.

Depois eu virei Izolda, pra uma pessoa especial que passou em minha vida. Izolda me soava como um agrado, um particular, um carinho mútuo que rolava entre a gente. Izolda era espontâneo, automático, era e pronto.

Cheguei a ser Eza, Izoca, Ezolda, Iza até chegar em Jaca. E Jaca me soou de inicio um xingamento, uma coisa feia, medonha, grande, desajeitada, torta, crespa, dura. Mas acabou passando e já não mais importando o significado, mas de onde veio e o que pra mim representava. Jaca hoje pra mim tem uma definição particular, que nem sei se foi na verdade a intenção inicial. Jaca é crespa, é dura, é pesada e resistente, mas basta você partir a Jaca que encontrará um interior mole, frágil, doce, saboroso. Talvez no fundo seja isso mesmo, resistência grande por fora e fragilidade interior. Talvez sim… talvez…. não.

Já cheguei a ser Izulina, Izuda, Izoka, e outras tantas derivações carinhosas. Todas essas tão putas, tão sem personalidade, tão nada e tão tudo. Que no fim das contas pingam por aí e serão especiais nos momentos certos.

Fui também vaca, puta, pretinha, neguxa, cabeção, louca, e tantos outros xingamentos carinhosos que nem sei. Só sei que amo todos, com um amor infinito!

Cheguei a ser Entojo!! Assim, em um dia qualquer, desprevenidamente.

8 Responses to “Desde sempre…”

  1. guto Says:

    cabeção fui eu!

  2. Li Konishi Says:

    A Belinha pra mim sempre foi Belinhaa… E vai ser sempre Belinha… Não a conheço desde a infância e mesmo sendo Iza àquela que menina forte, que vai à luta e conquista o que quer, pra mim a Belinha é aquela menina-mulher, que sonha, escreve e tenta pôr em palavras as tantas coisas que passam dentro dela… Belinha pra mim é como eu, mulher de garra, que sonha e vai, sem olhar pra trás, mas que no escuro do quarto sonha escondida sonhos secretos, chora e é só mais uma menina…

    Rá. Tbm me fez pensar em quantas eu me desdobrei ao longo da vida. Será que vale a pena co-postar aqui o meu relato tbm?!

    Desde pequena sou Lilika pro meu pai… E eu adoro, até hoje, quando ele me chama assim. É carinhoso e confortante, me remete à minha infância, aos cheiros e sabores que se perderam conforme os anos foram passando…
    Já fui Koxinha tambem, e esse apelido me trás lembranças de um tempo e de uma cidade que foram muito bons. Era Koxinha em Friburgo, lá minha, pela 1a vez uma xará na minha sala, e por causa do meu sobrenome dificil, Konishi virou Koxinha.. Eu adorava ser Koxinha…
    Hoje eu sou Li, e Li pra mim soa muito carinhoso. Já nem tenho mais costume de ouvir Livia e quando alguém proximo me chama assim soa até estranho…
    Eu sou Li para aqueles que acenam e passam por mim… Gosto da Li, por que a Li é alguém mais madura, responsável, alguém inteligente e que tem muitos sonhos. Mas a Li tbm é alguem que tem medo e é insegura, que quer fazer muito e dizer as coisas que se passam com ela..
    A Li é complicada, mas é essencia de quem eu verdadeiramente sou…

    Eu já fui tantas que nem me lembro mais… E acho que hoje queria ser outra, pra quem sabe recomeçar um outro alguem, num outro caminho…

    Um outro alguem…
    Um recomeçar…
    Um novo caminho…

  3. jediroma Says:

    Izuda, Izulinaaaa… Izolda (amoo)

    Duduzinha???

    Entojo! hahahahaha

    deixa eu ver mais uma!

    Izulete!!

    :)

  4. Rodrigo Says:

    Acho Izolda engraçado. Me lembra personagem de desenho animado, não me pergunte porquê. Não esqueci da missão que prometi ontem de arrumar algum apelido ‘criativo’ (do meu modo estranho de criatividade) pra botar no twitter, e o farei. E confesso que paguei um pau pro post e vou ser copião, pois também vou analisar os apelidos que já tive e ver se chego em algum senso.

  5. Greice Says:

    Axho Iza forte e também acho Izola engraçado… mas qual o seu nome mesmo? RSRSRSRSRSRSRRSRSRS… (BRINCADEIRA!)

  6. yeezy boost 350 v2 Says:

    My husband and i felt quite comfortable Michael managed to do his research using the ideas he made in your blog. It’s not at all simplistic just to possibly be giving freely secrets and techniques that many most people have been selling. And now we understand we now have you to appreciate for this. Most of the illustrations you made, the straightforward site navigation, the friendships you can make it easier to promote – it’s got mostly overwhelming, and it’s really leading our son in addition to us do think this content is excellent, and that’s especially important. Thank you for the whole lot!

  7. adidas stan smith Says:

    Youre so cool! I dont suppose Ive read something like this before. So nice to find anyone with some original ideas on this subject. realy thanks for beginning this up. this website is one thing that is wanted on the internet, someone with somewhat originality. useful job for bringing something new to the internet!

  8. Silvia Odete Morani Massad Says:

    Thank you, I’ve just been looking for info about this topic for ages and yours is the best
    I’ve found out till now. However, what concerning the bottom line?
    Are you sure in regards to the source?

Leave a Reply