Quase azul…

Data inesquecível, 16 de julho de 2009. Foi a data em que realmente o céu começou a mostrar o seu azul, o meu azul infinito. Foi nessa data tão marcante que, o primeiro raio de sol entrou pela fresta da janela e a porta entreaberta.

De repente fui tomada por uma luz intensa, toda aquela escuridão infinita foi clareada pouco a pouco com os raios do sol. Aos pouco aquele breu cheio de entulho se transformou em um salão enorme, vazio, todo branco, cheio de luz e ventos! Haviam ventos, não mais brisa, não mais aquela brisa de antes.

E o tempo foi passando, e ali passou a fazer sol mesmo em dias de chuva, tudo permanecia claro mesmo nos dias mais escuros. Um grande salão claro, espaçoso, onde eu me peguei várias vezes dançando cheia de cores e sons.

Tinha gente que entrava e saia, gente que dançava e outras que só assistia. Um espaço meu, onde eu dominava cada pedaço, cada cantinho. Sem breu, sem entulho, sem nada que pesasse, sem pesares!

Em dias de chuva, fugia pra lá e me escondia do escuro, protegia aquele lugar do breu que poderia vir. O sol brilhava, tudo era azul, o meu azul infinito e lindo.

De repente, sem saber porque, sinto uma nuvem passando em frente ao sol. Vejo meu azul ameaçando encobrir de nuvem cinza, pesada e cheia de chuva. Eu andei chovendo, eu andei distraidamente colecionando entulhos. E, sem mais nem menos, senti o peso de entulho nos meus braços, relembrei de todos os velhos entulhos que por ali, já foram guardados.

Preciso espantar essas nuvens cinzas e chatas que insistem em encobrir meu sol e descolorir o meu azul. Preciso, eu sei, me livrar desses entulhos, limpar esse espaço vazio, e voltar a dançar com leveza e iluminada pelos raios de sol.

Mas todo dia que levanto, meus braços pesam, e eu me sento no meio do salão quase vazio, quase azul, quase claro, e começo a chover.

10 Responses to “Quase azul…”

  1. Bruna Says:

    Lindo, lindo, lindo. Como sempre, como todos os dias.
    Super beijo, escritora preferida.

  2. Bru Says:

    Lembre-se,

    Mesmo na chuva é possível se divertir. Mesmo a chuva pode acalmar e inspirar.

    Não é sua responsabilidade trazer o sol. E nem dá pra ser verão todo dia!

  3. jediroma Says:

    Incrível como vc usou as palavras… vc faz a metáfora não ter esse nome… o que vc consegue extrair é mais, muito mais.

    E ah, eu me lembro muito bem dessa data. =~

  4. wizard Says:

    Dizem que a chuva pode lavar a alma

  5. Paola Dreyer Says:

    Me lembrou algumas coisas. nostalgia. Nossa, consegues ir onde ninguém chega.
    Excelente.

    *orgulho*

    (rsrsrsrsrs)

  6. Li Konishi Says:

    Sempre diz as coisas que quero e preciso ouvir…. Tem o dom de ouvir minha alma, e sempre dizer o que ela precisa ouvir pra continuar…

    Seu dia foi 16 de julho? O meu 13 de junho… Jamais me esquecerei daqueles momentos, os segundos, os cheiros, sabores e cores…

    Ai que saudade que eu sinto dos dias de sorriso espontaneo e acalanto no coraçao…

    Tú és especial demais… Orgulho de te conhecer… ^^

  7. Fábio Cruz Says:

    É engraçado como as coisam aparecem nas nossas vidas, tava pensando + ou – isso de tarde. Mas acredito q tudo tem seu tempo. A vida nos traz histórias, lições, experiências e pessoas ao seu tempo.

  8. maely Says:

    show do lenine feelings.
    ai, diós..como suefro!!!

    maria do bairro manda bjos!!! o/

    hahahahahaha

  9. Greice Says:

    “Depois de tanto tempo colorido, dá pra acreditar que ficou cinza?” Me lembrou um texto meu de Janeiroou Fevereiro desse ano…

  10. Silvia Odete Morani Massad Says:

    Have you ever considered writing an ebook or guest authoring on other websites?

    I have a blog based upon on the same subjects you discuss and
    would really like to have you share some stories/information. I
    know my visitors would value your work. If you are even remotely interested, feel free to shoot me an e-mail.

Leave a Reply